ANTONIO MIRANDA

POESIA NO ESPAÇO INFANTIL COM ANTONIO MIRANDA
“Aconteceu no Instituto Nossa Senhora da Piedade, no Lago Sul de Brasília, dentro do Projeto Nossa Senhora da Poesia, no dia 4 de maio de 2011, evento promovido pela poeta Angélica Torres com apoio da bibliotecária Rosangela Melo e da jornalista Katia Aguiar. Antonio Miranda leu seus poemas escritos na infância e deu lugar para que as crianças lessem seus próprios textos e dos poetas de sua preferência. Um encontro muito alegre e descontraído, com direito a fotos, carinho e doação de livros por parte dele para a Biblioteca Maria Cláudia Del’Isola.

Perfil:

ANTONIO MIRANDA é poeta, dramaturgo, escultor, além de bibliotecário e professor recém-aposentado da UnB. Autor de mais de 20 livros, viveu na Argentina, na Venezuela e na Colômbia entre os anos 60 e 70, período em que se projetou na América Latina com o grande sucesso da montagem de sua peça Tu País está Feliz, pelo Grupo Rajatablas. Na Argentina, deu cursos de poesia de vanguarda pela Embaixada Brasileira. Tinha, então, apenas 22 anos de idade. Dirige, desde 2007, a Biblioteca Nacional de Brasília, cidade onde vive. Mantém na internet o maior site de poesia em língua portuguesa, o Portal de Poesia Ibero-Americana, onde registra seus trabalhos de poesia e também páginas de mais de 2.500 poetas de todo o continente. O site é visitado por uma média de três mil pessoas diariamente – com mais de um milhão de acessos por ano –, e apresenta poemas em português e espanhol.

Nesse seu site, o poeta Antonio Miranda publicou o seguinte registro sobre seu encontro com as crianças do Projeto N.Sª da Poesia, na quarta-feira dia 4 de maio (veja em http://www.antoniomiranda.com.br/em_destaque/poesia_no_espaco_infantil.html):

Poemas de Antonio Miranda escritos em 1952, aos 11 anos de idade

MÃE

Mãe, nome puro como o céu,

Mãe, nome singelo.

Juro por tudo mais sagrado

Que serei sempre sincero.

Oh minha mãe!

Quanto és boa,

Desde manhã até a noite

Sua voz em meus ouvidos, soa.

( O poeta menino assinava “Ant Miranda”… e, ao elogiar, reclamava…

O CÃO

Ah que belo animal!

Ah que lindo bichinho!

Foi papai quem me deu

Este sábio cãozinho.

Ele anda de dois pés

Persegue quem passa no caminho.

Quanto é sábio

Este animalzinho.

Certo dia

Atrás do carro, corre

O mesmo dá marcha à ré