Brasil contra a Pedofilia

DIA NACIONAL de combate ao ABUSO e à EXPLORAÇÃO SEXUAL de crianças e adolescentes

Criado para motivar a mobilização dos diferentes setores da sociedade, dos governos e da mídia para formação de uma forte opinião pública contra a violência sexual de crianças e adolescentes.

A data foi escolhida porque no dia 18 de maio de 1973 um crime bárbaro chocou todo o país e ficou conhecido como o “Caso Araceli”.

Araceli Cabrera Crespo, 8 anos, filha do eletricista brasileiro Gabriel Sanches Crespo e da boliviana Lola, foi espancada, torturada, estuprada e morta. Depois, ela ainda teve parte do corpo, principalmente o belo rosto, coberto por ácido.

O crime aconteceu no dia 18 de maio de 1973, em Vitória-ES, mas chocou o país inteiro. E maior impacto causou ao se descobrir que os criminosos eram jovens rapazes da mais alta elite brasileira.

As investigações do caso foram confusas: sumiço de documentos, assassinatos misteriosos, testemunhas que voltavam atrás de seus depoimentos, cumplicidade e corrupção da polícia e do judiciário.

Os acusados pertenciam a famílias poderosas e a sociedade capixaba se calou. Ninguém foi punido por esse crime hediondo.

Em homenagem a Araceli Cabrera Crespo, o dia 18 de maio foi estabelecido como Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual Infanto-juvenil, pela lei nº. 9.970, de 17 de maio de 2000, por iniciativa da então deputada Rita Camata.