Doenças crônicas não transmissíveis são a principal causa de óbitos no DF

A população entre 30 e 69 anos é cada vez mais acometida por males, como cânceres, diabetes, problemas cardiovasculares e respiratórios. As crianças também têm adoecido mais

image001Otávio Augusto
Helio Montferre/Esp. CB/D.A Press
Os irmão Alex e Camila têm diabetes: os pais, Alex e Lucineide, criaram um grupo de apoio a famílias na mesma situação

Problemas cardiovasculares, cânceres, males respiratórios e diabetes são as doenças que mais mataram na última década na capital federal. Levantamento da Secretaria de Saúde mostra que 55,1% dos brasilienses morreram em 2014 vítimas de doenças crônicas não transmissíveis. A faixa etária entre 30 e 69 anos é a que mais morre por essas enfermidades — o que é considerado um quadro de mortalidade prematura. O dado não é apenas uma estatística. É um alerta. Autoridades em saúde e especialistas são taxativos ao dizer que a qualidade de vida na infância influencia diretamente o bem-estar dos adultos. A notícia não é boa: a expectativa é que nos próximos 20 anos se tenha uma população que adoece cada vez mais cedo por causa dos hábitos de hoje.

A gravidade e o impacto das doenças crônicas estão diretamente ligados a fatores de risco que são considerados modificáveis e pautados pela urbanização e pelo estilo de vida adotado pela população, como alimentação inadequada, falta de atividade física, tabagismo e uso abusivo de álcool. O cenário é pessimista. No DF, 50,3% da população está acima do peso — sendo 15,8% obesa; 9,7% fumantes; 70,7% não consumem frutas e verduras suficientes para uma alimentação equilibrada; e 21% bebem álcool de maneira abusiva, segundo dados da Secretaria de Saúde.

Desde 2008, a parcela entre 30 e 39 anos vem em escala ascendente por mortes de doenças crônicas. Em 2014, 6.627 pessoas morreram. Dessas, 46% pertenciam a essa parcela da população. “Estamos vivendo uma transição epidemiológica. Há 30 anos, as pessoas morriam por doenças infecciosas causadas por vírus e bactérias. Hoje, estamos morrendo por padrões errôneos de vida. A má alimentação, o sedentarismo, o fumo e o alcoolismo são fatores que trazem doenças a longo prazo”, explica Sarah Tinoco, responsável pela Área Técnica de Doenças Não Transmissíveis (DCNT) da Secretaria de Saúde.

Evitar o excesso de peso, controlar a pressão a arterial e a glicemia — sobretudo na infância — são essenciais para atenuar essa curva. “Somente em 2014, contabilizamos 214 mortes de pessoas entre 30 e 39 anos por agravantes como hipertensão, diabetes e obesidade. Fica o alerta para a mudança do padrão de vida das crianças que estão apresentado doenças crônicas cada vez mais cedo. As pessoas que morreram entre 30 e 39 ficaram doentes com 15 ou 20 anos”, analisa Sarah.

Exposição precoce

José Lima Oliveira Júnior, especialista em doenças cardiovasculares, salienta que, com o aumento progressivo da expectativa de vida da população, é esperado que as pessoas vivam mais e com melhor qualidade de vida. Entretanto, na última década, segundo o médico, fatores fora da curva epidemiológica, como derrame, infarto com sequelas e doenças renais estão acometendo as pessoas mais cedo. “Estamos pagando um preço de uma geração que não se preocupou com alimentação, atividade física e estresse. Se não começarmos a alterar esse padrão e melhorar a qualidade de vida, vamos ter uma geração de pais enterrando os filhos”, pontua José Lima.

O médico critica a falta de ações para promover a qualidade de vida. “O que temos são ações pontuais, que não ajudam na criação do hábito precocemente. O essencial é doutrinar nossas crianças a manterem práticas de alimentação e atividade física equilibradas”, reclama José Lima Oliveira.

Alerta

Em 2014,

55,1%
dos brasilienses morreram vítimas de doenças crônicas não transmissíveis.

A parcela entre

30 e 39 anos
vem em escala ascendente por mortes de doenças crônicas. Problemas cardiovasculares, cânceres, males respiratórios e diabetes são as doenças que mais mataram em 10 anos no DF.

Para saber mais
Luta contra a obesidade infantil
Uma criança gorda em idade pré-escolar tem 30% de chances de virar um adulto obeso. O risco sobe para 50% caso ela entre na adolescência com quilos a mais. Segundo a Associação Brasileira de Pediatria, a obesidade infantil já atinge 15% das meninas e meninos brasileiros — índice preocupante, uma vez que já se aproxima do encontrado nos Estados Unidos, que é de 20%. Para reverter esse quadro, 24 grandes empresas no Brasil firmaram um compromisso de limitar a publicidade de alimentos e bebidas para menores de 12 anos nos meios de comunicação e nas escolas. O documento prevê apenas uma exceção para produtos que atendam a critérios nutricionais específicos e que recomendem o estímulo responsável do produto. Esse mesmo tipo de compromisso já foi adotado por empresas do setor alimentício em países da Europa, nos Estados Unidos, no Canadá e na Austrália.

Site: www.correiobraziliense.com.br