DF registra primeira morte por chicungunha

Caso foi notificado em Sobradinho. Este ano, ocorreram 153 contaminações na capital federal, um aumento de 800% em relação ao ano passado. Doença causa fortes dores articulares e pode deixar graves sequelas
» OTÁVIO AUGUSTO
Publicação: 04/12/2016 04:00
Para especialistas, a única forma de controlar as doenças transmitidas pelo Aedes é combatendo o mosquito (Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
image001-14

Para especialistas, a única forma de controlar as doenças transmitidas pelo Aedes é combatendo o mosquito

A duas semanas do início do verão, em 21 de dezembro, autoridades sanitárias estão em alerta para as infecções transmitidas pelo Aedes aegypti. O mosquito volta a causar temor e traz novas nuances: a chicungunha, segundo pesquisadores, pode provocar uma grande epidemia no país. A capital federal contabiliza três anos de alta nos registros da doença. O crescimento chega a 800% entre 2015 e 2016. A Secretaria de Saúde confirmou a primeira morte pelo mal no Distrito Federal. Outra situação ilustra o agravamento do problema. Um paciente tenta se aposentar por complicações crônicas desencadeadas pela chicungunha. Ao mesmo tempo, a dengue e o zika deixam panorama ainda mais pessimista — nunca ocorreram tantas contaminações.

Seis regiões administrativas concentram 55% dos casos de chicungunha, uma doença que chegou ao DF em 2014 de maneira discreta. Ocorreram, neste ano, 153 infecções, sendo 22 em Ceilândia (veja infográfico). Das bancadas do Laboratório Central (Lacen) e das estatísticas da Vigilância Epidemiológica, surge somente uma saída para frear o avanço dos estragos causados pelo Aedes: a prevenção. Para isso, é essencial destruir focos nos quais o mosquito possa se desenvolver. “Não temos alternativas, a não ser combater o vetor, ou seja, o mosquito. Para termos diminuição de casos das doenças, precisamos reduzir também a presença do Aedes”, pondera a gerente de doenças crônicas e agravos transmissíveis da Secretaria de Saúde, Cristiane Resende.

O homem que morreu com complicações de chicungunha recebeu atendimento em Sobradinho. Na cidade, foram registrados nove casos — alta de 350% em relação ao ano passado, quando ocorreram duas notificações. “O dado ainda não está no Boletim Epidemiológico, mas entrará na próxima edição. Confirmamos o óbito há pouco mais de uma semana. Houve uma investigação, mas o local de infecção é desconhecido”, comenta Cristiane. Ela prefere não fazer previsão para a doença em 2017. “Trabalhamos com vigilância e registro de casos, não podemos fazer previsões”, pontua.

Um outro paciente — que não teve a identidade divulgada — entrou com pedido de aposentadoria no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Ele alega que desenvolveu danos nas articulações e ficou impossibilitado de trabalhar. O caso é investigado por uma junta médica e pelo Lacen. A farmacêutica especialista em biosaúde do Lacen Graziela Araújo acompanha a apuração no laboratório. “Há, realmente, a possibilidade de se desenvolver dores crônicas. Algumas pessoas, meses depois, nem sequer conseguem digitar no celular”, detalha.

Alerta
A ciência explica que alguns vírus, como os da dengue, da chicungunha e do zika, alastram-se com facilidade porque os mosquitos se contagiam ao picar animais infectados, como os macacos e os pássaros silvestres. Atualmente, são conhecidos 34 arbovírus no país. Os cientistas os classificam de acordo com o tipo de síndrome febril que provocam e a gravidade dos acometimentos. “Em média, levamos três dias para fazer o diagnóstico da doença. Analisamos, laboratorialmente, a presença do vírus quando a chicungunha está no início ou na produção de anticorpos, após a fase aguda da infecção. Por isso, a necessidade de atendimento precoce”, explica Graziela.

Antônio Bandeira, do Comitê de Arboviroses da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), destaca a alta velocidade de transmissão que a chicungunha tem mostrado. Ele analisou a situação epidemiológica do DF. “Espera-se uma mortalidade menor, mas a doença é extremamente incapacitante. Mais da metade dos pacientes ficam com problemas crônicos. Uma verdadeira legião de sequelados”, ressalta. E emenda. “O vírus pode se multiplicar e trazer alterações imunológicas, desenvolvendo anticorpos que agridem o corpo e provocam a inflamação”, conclui.

Casos importados

As primeiras infecções no DF ocorreram em 2014. Inicialmente, quatro pessoas tiveram chicungunha. O vírus, segundo a Secretaria de Saúde, foi trazido da República Dominicana, do Haiti e de Barbados (ilha na América Central). Três moradores da Asa Sul, sendo um casal, e um do Lago Norte foram os contaminados. Entre os pacientes, estava uma missionária religiosa. O tratamento, à época, ocorreu no Hospital Regional da Asa Norte.

Mayaro no Entorno

A Secretaria de Saúde de Goiás confirmou um caso de mayaro em Luziânia, distante 50km do Plano Piloto. A doença trilha caminho para ser o próximo vírus a se urbanizar e causar epidemias. Assim como o zika e a dengue, o “parente próximo” da chicungunha causa surtos de uma síndrome febril aguda, que causa dor nas articulações, tontura, náuseas, fotofobia e dor lombar. Os sintomas duram de três a cinco dias, mas as dores na articulação podem se prolongar por semanas. Em Goiás, do ano passado até o início de março, a Secretaria de Saúde notificou 70 casos da doença. O Laboratório Central (Lacen) passou a realizar o diagnóstico há duas semanas. Antes, o teste era feito somente no Instituto Evandro Chagas, no Pará.

Para saber mais

Epidemia devastou ilha

Tudo começou em fevereiro de 2005. Médicos alertaram as autoridades sanitárias de que pacientes estavam sentindo fortes febres, acompanhadas de dores articulares agudas. A Ilha Reunión, no Oceano Índico, decretou a epidemia de chicungunha em 2006. Mais de 260 mil pessoas tiveram a doença, sendo que 225 morreram. O lugar, que era roteiro paradisíaco para o ecoturismo, deu lugar a uma onda de ostracismo e pânico. A economia local desacelerou bruscamente. Em alguns distritos, até mesmo os médicos adoeceram. No início da epidemia, os profissionais confundiam o diagnóstico com uma “forte gripe”. Mais tarde, a luta contra o vírus se tornou causa nacional. Os casos de “l’homme courbé” (na África, chicungunha significa homem que se curva, em referência à postura dos pacientes) foram a maior crise de saúde pública em Ilha Reunión. Depois disso, o número de casos diminuiu drasticamente.

Dengue e zika preocupam

Publicação: 04/12/2016 04:00
Pedro Tauil, especialista em controle de doenças e epidemiologia: essas doenças carecem de aprimoramento de diagnóstico, tratamento e prevenção (Carlos Vieira/CB/D.A Press)

Pedro Tauil, especialista em controle de doenças e epidemiologia: essas doenças carecem de aprimoramento de diagnóstico, tratamento e prevenção

Temendo perder completamente o controle da situação com o avanço da dengue e do zika, doenças que registraram recorde de infecções em 2016, a Secretaria de Saúde acompanha semanalmente a evolução dos casos. A dengue nunca infectou tanto na capital federal: são 21.162 notificações. O zika acometeu 174 pessoas, sendo 26 gestantes. A doença avançou 4.250% em um ano. Dois bebês morreram com agravos do mal e um caso continua em investigação. “Temos que acompanhar essas crianças até os 3 anos. Pode haver casos de microcefalia tardia”, argumenta a gerente de doenças crônicas e agravos transmissíveis da Secretaria de Saúde, Cristiane Resende.

O cronograma de combate ao Aedes aegypti da Secretaria de Saúde conta com 2 mil agentes comunitários de saúde, 546 agentes de vigilância ambiental em saúde, 220 homens das forças armadas, 40 bombeiros, além do reforço de servidores do Serviço de Limpeza Urbana (SLU), da Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap) e das administrações regionais. Mesmo com o esforço, Antônio Bandeira, do Comitê de Arboviroses da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), é pessimista em relação ao controle. “Se houver uma redução de casos, nada tem a ver com ação direcionada. O que pode acontecer é que o número de pessoas imunizadas aumente e as vulneráveis diminua, já que chicungunha e zika se contraem apenas uma vez”, completa Antônio.

Este ano, por dia, o DF registrou 63 novos casos de dengue — média inédita, superando até mesmo as epidemias de 2010 e de 2013. O crescimento da doença chega a atingir 978% ante o ano passado, como em Brazlândia, que saltou de 180 casos para 1.942. Para Pedro Tauil, do Núcleo de Medicina Tropical da Universidade Brasília (UnB), os números deixam um legado. “Essas são doenças que carecem de aprimoramento de diagnóstico, tratamento e prevenção. Precisamos investir na possibilidade de vacina. O tratamento atual é muito difícil, com uso de antivirais, drogas que não temos muitas para usar”, avalia o especialista em controle de doenças e epidemiologia.
Site: www.correiobraziliense.com.br