Louise: alunos da UnB ficam revoltados com pena 'leve' para assassino

Para a família, amigos e estudantes do curso da vítima, havia a esperança de mais tempo de reclusão em regime fechado

compartilhar: Facebook Google+ Twitter

postado em 05/04/2017 06:00 / atualizado em 05/04/2017 07:33

Gabriella Bertoni – Especial para o Correio
Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press
“No dia seguinte ao desaparecimento (de Louise), eu cheguei cedo à universidade e vi o Vinícius andando pelos corredores do Centro de Biologia. Nem imaginei que ele tinha feito aquilo” Amanda Bernardes, (de óculos), 19 anos, ao lado de colegas do curso de biologia

Após o assassino confesso Vinícius Neres Ribeiro ser condenado a 23 anos e 10 dias pela morte da estudante de biologia da Universidade de Brasília (UnB) Louise Maria da Silva Ribeiro, o clima entre estudantes e professores da instituição era de inconformismo — advogados criminalistas previam pena de pelo menos 30 anos de prisão para o réu. Para a família, amigos e alunos do curso da vítima, havia a esperança de mais tempo de reclusão em regime fechado. Dessa forma, Vinícius poderá cumprir dois quintos da pena e passar para o regime semiaberto em 8 anos, pois está preso há um ano.

A sentença saiu após o julgamento que durou quase 11 horas. O réu foi condenado por homicídio quadruplamente qualificado (feminicídio, motivo torpe, asfixia e recurso que dificultou a defesa da vítima) e destruição parcial do cadáver. Ao fim da audiência, o pai de Louise, o militar Ronald Ribeiro, comentou que a pena foi a esperada, mas considera baixa. “Nada trará a vida dela de volta. Como o juiz falou, ele é jovem, réu primário e tem bons antecedentes. É um rapaz que daqui a pouco está solto de novo, em uma nova universidade e poderá cometer outros crimes”, lamentou.

Um grupo de estudantes de biologia que, à época do crime, em 2016, eram alunos do primeiro semestre, contou que precisaram passar por acompanhamento de professores do curso e de psicólogos. “Era a nossa primeira semana de aula e foi aquele choque. No dia seguinte ao desaparecimento (de Louise), eu cheguei cedo à universidade e vi o Vinícius andando pelos corredores do Centro de Biologia. Nem imaginei que ele tinha feito aquilo”, contou Amanda Bernardes, 19 anos. Sobre o resultado do julgamento, Ademar Dantas, 19, foi incisivo. “Poderia ser um dia ou a vida toda, mas nunca será o suficiente. Não existe essa barganha com a vida de alguém. O período que ele passar lá ainda será pouco”, avaliou.

A diretora do Instituto de Biologia, Andrea Queiroz Maranhão, contou que, depois do crime, houve a necessidade da criação de grupos de apoio e de acompanhamento psicológico para alunos e professores. “Sabemos que o resultado foi o possível, mas não o justo, pois pode estar fora da cadeia com 28 anos. Nós tivemos que reaprender o que fazemos de melhor e ficar com os alunos. Não podemos perder o nosso foco, que é formar esses jovens”, contou. A educadora destacou que o curso de biologia fez uma parceria com o Centro de Apoio Psicológico da UnB para orientar todos os envolvidos. “Precisamos repassar que a biologia ensina a vida. Essa tragédia jamais será esquecida”, concluiu.

Defesa

Inicialmente condenado a 25 anos de reclusão, Vinícius recebeu dois atenuantes da pena: a confissão e a menoridade relativa do réu (quando tem entre 18 e 21 anos). Por causa disso, ele cumprirá a pena de 23 anos e 10 dias de reclusão — 22 anos pelo homicídio e 1 ano pela destruição do cadáver. “Mas por ser um homicídio qualificado, que é um crime hediondo, ele tem direito a cumprir dois quintos da pena em regime fechado e, depois, passar para o regime semiaberto”, explicou a advogada de defesa, Tabata Lais Sousa Silva. A defensora detalhou, ainda, que, a cada três dias de trabalho, o condenado recebe o abono de um dia na pena.

A defesa de Vinícius entrará com recurso, mas não revelou qual será o argumento a ser usado. Tabata Silva acrescentou que, com o tempo, se o cliente mantiver o bom comportamento, estudar e trabalhar, poderá conseguir a liberdade condicional, quando não precisará mais dormir no Complexo Penitenciário da Papuda. Porém, terá obrigações com a Justiça e precisará de autorização especial para sair de Brasília.

Durante o julgamento, a promotoria alegou que o discurso de Vinícius havia mudado quando o réu contou que o motivo do crime foi a raiva que sentiu ao abraçar Louise — ele a atraiu para o Laboratório de Biologia da UnB ao dizer que se mataria. Ao ser preso, o condenado demonstrou frieza, postura semelhante durante os depoimentos prestados no Tribunal do Júri de Brasília.