Crianças espancadas pela tia em Planaltina (GO) estão internadas

Irmãos, os três sobreviventes das agressões, praticadas por um jovem de 19 anos e uma adolescente de 17, tia delas, estão sob cuidados médicos. O casal está preso por torturar e matar a quarta vítima, que não resistiu as pancadas

Terreno onde as vítimas moravam com os agressores, na periferia de Planaltina de Goiás: barraco de madeira de 10 m² e um só cômodo(foto: Vinicius Cardoso Vieira/Esp. CB/D.A Press)

As três crianças sobreviventes de uma série de espancamentos, na quarta-feira (29/5), em Planaltina de Goiás, estão internadas e sob tutela do Estado. Irmãs, elas têm 1, 3 e 9 anos. Com duas fraturas no braço, a do meio apresenta o estado mais preocupante, por isso, foi transferida nesta quinta-feira (30/5) para o Hospital Regional de Planaltina, no Distrito Federal. As outras duas serão encaminhadas para um abrigo no município do Entorno após receberem alta médica. Uma quarta, de 7 anos, morreu em função das agressões.

Agora, a Polícia Civil de Goiás quer saber como as quatro crianças ficaram sob os cuidados de uma adolescente de 17 anos, tia delas, após os pais serem presos em fevereiro por tráfico de drogas. Na data do crime, ela foi apreendida, e o namorado, Bruno Diocleciano da Silva, 19, preso em flagrante por homicídio qualificado e tortura qualificada.

As crianças apanharam porque, em um ato de desespero devido ao abandono, elas pediram comida a um vizinho. Quando o casal voltou, o morador da casa ao lado chamou a atenção dos jovens por terem deixado as três meninas e o menino sozinhos. Segundo relatos das vítimas, eles chegaram a apanhar com um vergalhão de aço. Testemunhas acionaram o Conselho Tutelar, mas os tios não permitiram a entrada dos conselheiros no imóvel.

Enquanto a equipe saiu para pedir auxílio à Polícia Militar, a menina de 7 anos passou mal e teve uma convulsão. Vizinhos acionaram o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que esteve no local e constatou o óbito, além de vários sinais de violência nas crianças. Policiais militares chegaram em seguida e prenderam os agressores.

O delegado Antonio Humberto Soares Costa, coordenador do Grupo de Investigação de Homicídios, disse que o casal relatou a violência com “muita frieza” e que ela acontecia “havia algum tempo”. Ele contou que adolescente disse ter pegado as crianças na rua e levado para o Setor Aeroporto, na periferia do município goiano. “Elas (as vítimas) foram brutalmente espancadas. Como se não bastasse o que a criança de 7 anos sofreu, os tios ainda haviam deixado ela passar a noite no quintal, ao relento”, acrescentou.

Brutalidade

O Conselho Tutelar não tinha registros de ocorrências relacionadas à família, até quarta-feira. “No mesmo dia em que chegou a informação, estivemos lá”, afirmou o presidente do órgão, Antônio Freire. “Estive com as crianças e elas estão bem melhor, comendo biscoito e, cada uma, com duas caixas de chocolate. O povo da cidade está ajudando. Agora, esperamos que a família toda perca o vínculo. Aquilo não é família. As crianças tiveram, no máximo, genitores”, completou.

Um vizinho afirmou que era comum ouvir brigas, gritos e choro das crianças. Ele contou que, antes da morte da menina de 7 anos, viu a adolescente arrastá-la pelos cabelos no meio da rua. Sem aguentar tanta brutalidade, a mulher dele acionou a polícia. Além das agressões contra os pequenos, eram comuns cenas de violência entre o casal. “Gritavam, batiam-se, faltavam se matar. Eles chamavam uns malas o tempo todo. Sempre tinha festa e música alta”, detalhou.

De acordo com o delegado Antonio Humberto, a adolescente disse que a menina era a que mais apanhava, sobretudo dela, por ser a tia. “Ela contou que batia em todos, mas mais nessa menina, pois ela costumava urinar e defecar nas roupas.” Vizinhos ainda relataram que o casal consumia drogas e promovia brigas de galo. “No dia que aconteceu, eles não tinham usado nada. São pessoas violentas, que usavam qualquer pretexto para atacar essas crianças. Não precisavam de entorpecente para isso”, ressaltou o delegado.

Fonte: https://www.correiobraziliense.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *