Após acidente, Polícia Civil prende casal que aplicava golpe em farmácias do DF

Uma mulher de 32 anos, que se envolveu em um acidente na região, estava com 82 remédios tarja preta dentro do veículo, incluindo morfina. Ela transportava a filha, de apenas um ano.

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) prendeu um casal que aplicava golpes em farmácias para obter comprimidos de tarja preta. A 35ª Delegacia de Polícia (Sobradinho 2) chegou à dupla após um acidente de trânsito com vítima, ocorrido na tarde de quinta-feira (8/4), na DF-420, rodovia da região.

De acordo com os investigadores, testemunhas relataram que a mulher, de 32 anos, colidiu na traseira de um veículo, perdeu o controle da direção, atravessou o canteiro central e só parou numa área de mata, ao lado da faixa contrária. Além dela, a filha, de apenas um ano, estava no carro.

“Quando abordamos a motorista, percebemos que ela estava dopada, provavelmente sob efeito de medicamentos fortíssimos. Dentro do carro, econtramos 82 comprimidos, alguns de uso controlado, incluíndo morfina Ela também transportava a filha, de apenas um ano.

Golpes
Ao dar início à investigação para descobrir a procedência dos comprimidos, os agentes descobriram que ela e o marido davam golpes em diversas farmácias no DF. “Eles pegavam a medicação no balcão da farmácia, e no trajeto até o caixa, trocavam as caixas de medicamentos por caixas vazias, algumas delas contendo grãos de feijão”, afirma o delegado-chefe da 35ª DP, Laércio Carvalho.

Junto do companheiro, um americano de 40 anos, ela se viciou no uso de medicamentos de uso controlado e para obtê-los, o casal diversificava a forma de aplicar os golpes e falsificava as receitas. “A forma mais comum era receberem a medicação no balcão das farmácias e no trajeto até o caixa, trocavam as caixas originais por outras caixas de remédios já usados, e contendo no interior grãos de feijão. Deixavam a caixa com o feijão no caixa. Alegavam que iriam pegar o dinheiro no carro e furtavam as caixas com os remédios. Este golpe era aplicado pelo casal em todo o Distrito Federal, havendo dezenas de ocorrências registradas”, afirma o investigador.

A dupla vai responder pelos furtos e por falsificar as receitas. A mulher irá responder também por dirigir dopada pelo uso dos medicamentos. Se somadas as penas, ela pode pegar até 12 anos de reclusão. O homem também foi autuado por furto e falsificação, sujeito a pena mínima de cinco anos de detenção para cada crime.

Fonte: https://www.correiobraziliense.com.br