Convite

Olá amigos:

Neste mês de “PREVENÇÃO DO SUICÍDIO”, convidamos você e sua família, para compartilhar conosco de um momento especial sobre a “PREVENÇÃO DO SUICÍDIO E O LUTO DOS SOBREVIVENTES”.

*DIA:* 18/09, 4a feira.

*Local:* Paróquia São João Paulo lI, em Águas Claras.

*Horário* 20h às 21:30h,

COMm a especialista no assunto:

*Psicóloga Tânia Borges*

Contato: (61) 9.9213.1031

Contaminação por bactéria leva Anvisa a determinar suspensão de comercialização de lenços umedecidos

Medida atinge dois lotes das marcas Huggies Max Clean e Baby Wipes. Problema foi identificado pela própria empresa fabricante, a Kimberly-Clark, que disse que a bactéria não oferece riscos para pessoas saudáveis

SÃO PAULO – A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou a suspensão da comercialização e da distribuição de dois lotes de lenços umedecidos de duas diferentes marcas. Os produtos devem ser recolhidos voluntariamente após verificação de contaminação pela bactéria Enterobacter gergoviae. A medida atinge o lote 219/2019 da marca Huggies Max Clean e o lote 024/2019 da marca Baby Wipes.
O problema foi identificado pelo controle de qualidade da própria empresa, que o comunicou à Anvisa
Segundo a Anvisa, os produtos são de fabricação da Kimberly Clark Brasil Indústria e Comércio de Produtos de Higiene Ltda. Em nota, a agência disse que o problema foi identificado pelo controle de qualidade da própria empresa, que o comunicou à Anvisa. Segundo a empresa, a bactéria identificada não oferece riscos para pessoas saudáveis, mas pode causar infecções mais graves em pessoas que estejam com o sistema imunológico debilitado.

Em nota publicada em seu site, a Kimberly Clark informou que, em casos extremos em pessoas hospitalizadas, a infecção pode se tornar severa e requerer assistência médica adicional para se evitar risco de vida. A empresa ofereceu o telefone 0800 709 5599 para informações aos consumidores e o site kimberly-clark.com.br/contato. “A Kimberly-Clark afirma que este chamamento não representa qualquer custo ao consumidor e reforça seu comprometimento com a qualidade de seus produtos e responsabilidade com a satisfação de seus consumidores”.

Fonte: www.estadao.com.br

Umidade bate em 8%; tempo deve continuar quente e seco hoje

A umidade do ar chega a mínima de 8%, a mais baixa deste século. Para esta quinta-feira (5/9), há a possibilidade de que a umidade baixe a níveis similares. Tempo quente e seco aumenta a proliferação de doenças típicas da estação
O Distrito Federal registrou o dia mais seco deste século, até o momento. A umidade relativa do ar chegou na casa dos 8%, na tarde desta quarta-feira (4/9). Até então, o dia mais seco foi em agosto de 2017, quando o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) registrou 9% de umidade. As temperaturas desta quarta-feira bateram o recorde do ano: a madrugada foi a mais quente, com mínima de 21°C, assim como a tarde, que teve pico de 34,2°C.

Para esta quinta-feira (5/9), há a possibilidade de que a umidade chegue a níveis similares. Caso isso aconteça, o Distrito Federal fica dois dias seguidos com umidades abaixo dos 12%, o que significa estado de emergência, segundo critérios da Defesa Civil. Nesse caso, a recomendação é suspender a prática de atividades físicas e trabalhos ao ar livre. Além disso, é aconselhado aumentar a ingestão de líquidos, evitar banhos prolongados com água quente e umidificar o ambiente com vaporizadores ou toalhas molhadas. Pingar soro fisiológico nas narinas e usar a sombrinha para evitar insolação são algumas indicações.

“A umidade relativa do ar mínima deve ficar entre 10% e 15% hoje, mas não descartamos a possibilidade de que ela chegue a números ainda menores do que esse”, explicou a meteorologista Naiane Araújo, do Inmet. O céu fica claro a parcialmente nublado, com névoa seca: uma mistura de poluição e poeira. A chuva, que não cai no DF há 94 dias, deve continuar sem aparecer pelo menos nos próximos 10 dias. Os modelos indicam uma possibilidade de chuva somente na segunda metade do mês. Então, é bastante provável que a capital do país chegue aos 100 dias sem precipitações, tornando o ambiente ainda mais crítico, aumentando o desconforto e a propagação de doenças típicas dessa época”, detalha Naine.

Saúde
Com as baixas umidades, os hospitais têm recebido mais pacientes com doenças típicas da seca. Na rede pública de saúde, a estimativa é de aumento de 40% no número de atendimento por problemas respiratórios. Crianças e idosos são os principais afetados devido à fragilidade do organismo, que fica mais suscetível a contrair alguns tipos de vírus que circulam com facilidade em períodos de estiagem.

Após ter uma convulsão, o pequeno Benedito da Silva, 2 anos, foi parar na emergência do Hospital Materno Infantil de Brasília (Hmib). Apresentando febre, coriza e peito chiado, o menino recebeu medicação e o diagnóstico era de que o corpo havia reagido a um vírus. “Ele nasceu com mielomeningocele e tem hidrocefalia e microcefalia. Achei que a convulsão estava ligada às doenças, mas foi uma virose”, conta a mãe, Lindaura da Silva, 38, mais aliviada depois da melhora do filho.

Outro que não escapou da virose típica desse período de secura foi o Hugo Miguel Ferreira, 1 ano e 5 meses, filho de Edilson Ferreira, 40, que também contraiu a doença, ao lado dos outros dois filhos e da esposa. “A gente achou que ele (Hugo) ia escapar da virose, mas agora chegou o febrão e está vomitando. Nossa família toda adoeceu, uns com sintomas mais fortes do que outros. Eu mesmo fiquei de cama, coisa que não acontecia há uns 10 anos”, relata.

O sistema respiratório acaba sendo o mais afetado, pois a seca diminui a lubrificação das vias aéreas, afirma a especialista em clínica médica Patricya Tavares. “Isso favorece a ocorrência de doenças como rinite, sinusite, bronquite que, mesmo virais, em alguns casos acabam gerando complicações como uma infecção bacteriana. Além disso, os vírus podem não só afetar a parte respiratória, mas também os olhos, a pele e o sistema digestório”.

Esse foi o caso da Ana Clara de Paiva, 5 anos. Após um dia de contato com poeira, ela contraiu um vírus que acarretou em uma inflamação no intestino. “Ela teve vômito, diarreia e febre semanas atrás e agora os sintomas voltaram. Ana é bastante saudável, mas esse tempo seco é difícil, tem muita coisa no ar”, diz o pai, Marcus Henrique de Paiva, 41. Apesar da doença de Ana Clara, o pai garante que a família toma as medidas necessárias para evitar o contágio. “A casa está sempre limpinha e cuidamos bastante da higienização e da alimentação”, esclarece.

A recomendação da Secretaria de Saúde é ter uma alimentação rica em frutas e verduras, ingerir bastante líquidos como água, água de coco, chás e sucos naturais, hidratar a pele com cremes, evitar banhos quentes e demorados, assim como o uso excessivo de sabonetes e buchas.

Cuidados com a pele
A névoa seca que toma conta do céu de Brasília nesta época não é um perigo apenas para as vias aéreas. A pele é um dos órgãos que mais sente com a falta de umidade. A hidratação com uso de cremes adequados e filtros solares é essencial para evitar o ressecamento, que pode acarretar em doenças.

“A dermatite atópica é uma das consequências da falta de cuidado com a pele. Em casos extremos e não tão raros, a coceira causada pela doença pode provocar feridas e até infecções secundárias por bactéria”, alerta a dermatologista Ana Regina Trávolo. Manter o ambiente livre de poeira, umidificar o ar, não tomar banhos quentes e beber bastante água também é importante para prevenir alergias e outras doenças típicas da estiagem, que promete se prolongar pelas próximas semanas.

Fonte: www.correiobraziliense.com.br
http://bit.ly/2lxiNaz

Maníaco que matou Letícia e Genir diz ter assediado ao menos 10 mulheres

Marinésio Olinto afirmou que tinha costume de pegar o carro e rodar pelas ruas de Planaltina em busca de mulheres desacompanhadas

Marinésio dos Santos Olinto, 41 anos, assassino confesso de duas moradoras do Distrito Federal, revelou aos investigadores da Polícia Civil mais detalhes da rotina que levava em Planaltina antes de ser preso no último domingo (25/08/2019). Ele afirmou que tinha o hábito de pegar o carro nos dias de folga e circular pela cidade atrás de mulheres. Contou que costumava abordar as que estavam sozinhas em paradas de ônibus. Na versão dada aos policiais, ressaltou que oferecia carona para a rodoviária e, no trajeto, assediava as vítimas. Pelas contas do maníaco, seriam pelo menos 10. Entretanto, negou estar envolvido em outras mortes ou estupros.

Com temperamento frio e calculista, o cozinheiro relatou que, quando percebia que a conversa ia engrenar durante o trajeto, iniciava o assédio. Segundo o criminoso, quando a mulher recusava, parava o carro e a abandonava no meio da estrada. O homem confessou que chegou a roubar objetos pessoais de alguns dos alvos, guardados como troféus.

Sobre as mortes, insistiu em alegar que teve um “apagão”. Disse que, “quando voltou a si”, estava com as mãos no pescoço das mulheres. A baixa estatura chamou a atenção dos policiais que trabalham nas apurações. Com apenas 1,55 m de altura, o suspeito não usou arma de fogo para executar as vítimas. De acordo com depoimentos prestados ao longo das investigações, afirmou que matou Letícia Sousa Curado, 26, e Genir Pereira de Sousa, 47, com as próprias mãos, por esganadura.

Policiais ouvidos pela reportagem afirmaram que, durante as oitivas, Marinésio não demonstrou arrependimento ou remorso por ter cometido os crimes. Lamenta por ter sido preso e pelas consequências da exposição dos fatos, principalmente por colocar como alvo da ira de populares a mulher e a filha.

Enquanto os casos não são relatados e remitidos à Justiça, o acusado segue preso na carceragem do Departamento de Polícia Especializada (DPE). Após ser ameaçado por outros internos, precisou ser isolado. O cozinheiro recebe apenas a visita do advogado.

Nessa quinta-feira (29/08/2019), Marinésio prestou depoimento por cerca de nove horas na Delegacia de Repressão ao Sequestro (DRS). A especializada apura o desaparecimento da empregada doméstica Gisvania Pereira dos Santos, de 33 anos. O maníaco negou envolvimento no caso e disse não conhecer a moradora do condomínio Nova Colina, em Sobradinho. No entanto, informações complementares prestadas por ele serão alvo de novas diligências.

Gisvania foi vista pela última vez em 6 de outubro de 2018, em um posto de combustíveis da BR-020. Desde então, o caso tem sido tratado com prioridade pela DRS. Outros possíveis suspeitos já foram interrogados. Os detalhes da investigação, no entanto, não podem ser revelados, pois o inquérito segue em sigilo.

Denúncias

As denúncias seguem aumentando desde que a Polícia Civil desvendou o desaparecimento da funcionária terceirizada do Ministério da Educação (MEC) e advogada Letícia Sousa Curado.

A polícia apura a participação de Marinésio em outros ataques. Os crimes variam entre assédio, sequestro, estupro e homicídio. Os investigadores da PCDF trabalham para encontrar elementos que possam associá-lo aos supostos crimes, cometidos desde 2012, ou descartar o envolvimento do assassino confesso de Letícia e Genir nessas ocorrências.

Confira a lista de casos em que Marinésio é suspeito:

1) Letícia de Sousa Curado – Desaparecida após sair para o trabalho, em 23 de agosto de 2019, e encontrada morta três dias depois;

2) Genir Pereira de Sousa – Desaparecida em 2 de junho deste ano, após sair do trabalho e encontrada morta 10 dias depois;

3) Gisvânia Pereira dos Santos Silva – Desaparecida em outubro de 2018, em Sobradinho;

4) Irmãs atacadas – As vítimas contaram ter fugido do ataque de Marinésio um dia depois de ele ter matado Letícia, em Planaltina;

5) Adolescente de 17 anos – Jovem diz ter sido estuprada em área de pinheiros, abandonada e chamada de “lixo”;

6) Moradora do Paranoá, de 42 anos – A mulher diz ter sido estuprada por Marinésio em 2018;

7) Lays Dias Gomes – Desapareceu no dia 7 de julho de 2018, após sair de casa rumo a uma parada de ônibus, em Samambaia. Naquele dia, ela não chegou a dizer à família para onde iria;

8) Vítima desaparecida no Paranoá – Caso de 2014 foi reaberto após semelhanças com modo de agir de Marinésio. A polícia não divulgou o nome;

9) Vítima desaparecida em Sobradinho – Essa ocorrência, entre 2014 e 2015, foi reaberta agora após semelhanças com o modus operandi de Marinésio. O nome da vítimas não foi divulgado pela polícia;

10) Babá moradora da Fercal – A vítima não teve o nome revelado, mas está desaparecida há um ano e meio após ter se dirigido a uma parada de ônibus;

11) Mulher de 23 anos – Em agosto deste ano, conseguiu escapar do ataque após ameaçar se jogar do carro em movimento. Foi abordada na Rodoviária de Planaltina;

12) Marília de Lurdes Ferreira – Desaparecida em agosto de 2012, ela foi achada morta um mês depois, na linha férrea dos arredores do Setor de Indústria e Abastecimento (SIA);

13) Caroline Macêdo Santos – A adolescente de 15 anos foi encontrada morta no Lago Paranoá em maio do ano passado. A jovem era amiga da filha de Marinésio dos Santos Olinto e morava a 800 metros da casa do cozinheiro, no Vale do Amanhecer.


Leia mais em metropoles.com

Quem é o serial killer do DF que confessou ter matado Letícia e Genir?

Marinésio Olinto foi preso dois dias após o desaparecimento de Letícia. Polícia investiga ligação do cozinheiro com outras ocorrências

Com 1,60 m de altura e fala mansa, o cozinheiro Marinésio dos Santos Olinto, 41, chocou o Distrito Federal ao confessar, nessa segunda-feira (26/08/2019), os assassinatos de Letícia Sousa Curado, 26, e Genir Pereira de Sousa, 47. Letícia foi morta na última sexta (23/08/2019); Genir perdeu a vida em 12 de junho deste ano.

Após Marinésio ser preso nessa segunda-feira, uma jovem de 23 anos o reconheceu na 31ª Delegacia de Polícia (Planaltina) e afirmou aos policiais ter conseguido fugir dele, em 11 de agosto. Os investigadores agora apuram se há ligação entre Marinésio e outras ocorrências, como o desaparecimento de pelo menos mais duas mulheres.

Marinésio trabalhava como funcionário terceirizado em um supermercado do Lago Norte e não possuía antecedentes criminais. Ele é casado e tem uma filha de 16 anos. A família mora no Vale do Amanhecer, localidade próxima ao local do crime mais recente.

Depois de matá-las, Marinésio pegou pertences de Letícia e Genir. Para investigadores da 6ª Delegacia de Polícia (Paranoá), tratam-se de “troféus” pelos crimes cometidos. No porta-luvas do carro dele, uma Blazer prata de placa JFZ 3420-DF, estava uma bolsa com fichário e material escolar, além de um relógio – objetos pessoais de Letícia.

O celular da advogada estava atrás do banco do veículo. A bolsa de Genir, segundo a delegada-chefe da 6ª DP, Jane Klébia, também foi levada por Marinésio, mas ainda permanece sumida.

Policiais da 6ª Delegacia de Polícia e da Divisão de Repressão ao Sequestro (DRS) mapearam os casos em aberto com o mesmo modus operandi ocorridos na Saída Norte do Distrito Federal. As vítimas foram abordadas em paradas de ônibus ou a caminho dos abrigos para esperar coletivos, entraram no carro achando que se tratava de transporte pirata, então desapareceram.

A polícia investiga se o destino de Letícia e Genir foi o mesmo de outras duas mulheres que sumiram no DF. Há cerca de um ano e meio, por exemplo, uma babá moradora da Fercal desapareceu no Altiplano Leste, após embarcar num ônibus e descer nas proximidades da Barragem do Paranoá. No dia chuvoso, a mulher pegou uma lotação e nunca mais foi vista.

Outro caso ocorreu em Sobradinho: uma residente da Nova Colina sumiu após sair de um posto de gasolina. Pelo menos três mulheres foram à 31ª DP e disseram ter escapado dos ataques de Marinésio após aceitarem embarcar no carro dele.

Preso, o cozinheiro deu declarações à imprensa nessa segunda-feira (26/08/2019), horas após o corpo de Letícia ser encontrado. Marinésio disse que quer despertar “raiva” e citou a família. “Perdão. Eu quero que vocês tenham raiva de mim, mas essa família que eu tenho não merece essa pessoa que eu sou”, afirmou. Aparentando frieza, completou: “Só peço desculpas para todos. Minha família não merecia estar passando por isso. Vou pagar o que eu fiz”.

Letícia
Familiares sentiram falta de Letícia na sexta-feira (23/08/2019), após ela não aparecer para um almoço combinado com a mãe às 12h. Ela foi sozinha para a parada de ônibus a fim de pegar um coletivo e seguir ao Ministério da Educação (MEC), onde prestava serviço de apoio jurídico como terceirizada.

Marinésio foi preso nesse domingo (25/08/2019), dois dias após o desaparecimento de Letícia. De acordo com fontes policiais, o suspeito levou os investigadores ao local do crime. O cadáver estaria dentro de uma manilha perto da fábrica de sementes Pioneer, na DF-250. À Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), Marinésio supostamente disse que conhecia a vítima de vista. Relatou que parou no ponto de ônibus e ofereceu carona para a jovem até a rodoviária do Paranoá. Ela teria aceitado e, no caminho, o homem teria assediado Letícia, que recusou a investida.

O assassino, então, teria esganado a funcionária do MEC até a morte e escondido o corpo dela às margens de uma estrada que fica na região do Vale do Amanhecer, em Planaltina. Após matar a mulher, confessou ter furtado os pertences pessoais de Letícia, segundo fontes da PCDF.

Há imagens de circuito de segurança que mostram Letícia entrando no veículo do acusado em uma parada de ônibus no Setor Arapoanga, após uma rápida conversa entre eles, de 10 segundos, na manhã de sexta (23/08/2019).

Por volta das 18h dessa sexta-feira, o professor de educação física Kaio Fonseca, marido de Letícia, foi à 31ª DP para denunciar o desaparecimento. A partir daí, a polícia começou a verificar onde a funcionária do MEC poderia estar. Trabalharam com algumas hipóteses – entre elas, surto psicológico e sequestro.

Segundo o delegado-chefe da 31ª DP, Fabrício Augusto Machado, há a possibilidade de Letícia ter sido abusada sexualmente. “Na carona que deu para ela, Marinésio parou o carro na DF-130 e teria perguntado se havia a possibilidade de os dois terem uma relação sexual, dando início a uma discussão. Ela começou a gritar e, naquele momento, segundo o relato dele, ele a teria esganado.”

Genir
Genir Pereira de Sousa era funcionária de uma pizzaria, e o corpo dela foi encontrado em 12 de junho de 2019. Ela estava desaparecida desde 2 de junho. O cadáver estava em uma área de mata entre o Paranoá, onde ela trabalhava, e Planaltina, onde morava. O desaparecimento de Genir foi comunicado pela patroa dela, após a empresária, dona da referida pizzaria, estranhar as ausências da funcionária.

Em depoimento prestado na 6ª Delegacia de Polícia (Paranoá), a mulher disse que, em 15 anos de serviço, Genir nunca tinha faltado ao trabalho e era muito responsável.

No dia anterior ao desaparecimento, Genir trabalhou normalmente na pizzaria e foi embora por volta da meia-noite. Naquela ocasião, ela saiu para tomar cerveja com o namorado, que também é contratado do estabelecimento.

Rodoviária do Plano Piloto
Genir passou a noite com o companheiro e, no dia seguinte, por volta das 8h, foi à casa da patroa, pegou alguns objetos pessoais e se dirigiu ao ponto de ônibus para tomar uma condução até o Arapoanga, em Planaltina. Após se dirigir à parada, ela não foi mais vista.

Após encontrar o corpo de Letícia nessa segunda-feira, a Polícia Civil colheu depoimento de uma jovem de 23 anos que afirma ser vítima de Marinésio. Ao reconhecer o agressor na 31ª DP, ela começou a chorar e ficou inconsolável. Segundo relato dela, o cozinheiro a abordou na Rodoviária do Plano Piloto e se apresentou como motorista de transporte pirata – trabalhadores chamados de “loteiros”. A jovem revelou que iria ao Vale do Amanhecer, e o suspeito disse que o local era um dos pontos de sua rota.

No meio do caminho, de acordo com a vítima, o homem a teria assediado e colocado a mão na perna esquerda da jovem. Nesse momento, ele supostamente falou: “Nós não vamos para o Vale, vamos para o Morro da Capelinha”.

A vítima, então, entrou em desespero e ameaçou pular do carro. Chegou a abrir a porta, e Marinésio parou o veículo. Ela aproveitou a oportunidade para descer do automóvel e correr, quando pediu ajuda para um casal em veículo que vinha logo atrás. O caso ocorreu em 11 de agosto deste ano, por volta das 20h.

Fonte: metropoles.com

Fronteiras entre as disciplinas não existiam

Invenção. Para o físico e escritor alemão, ensinar ciência por meio de histórias incentiva que estudantes experimentem e façam descobertas por conta própria

Adistinção entre arte e ciência não faria sentido algum para o artista, engenheiro e cientista Leonardo da Vinci, afirma o físico alemão Sfefan Klein. Em seu livro “O legado de Leonardo: como Da Vinci reimaginou o mundo” (em inglês, “Leonardo’s legacy: how Da Vinci reimagined the world”, inédito no Brasil), o escritor de ciência evoca o renascentista como exemplo perfeito de interdisciplinaridade, tema que debaterá hoje no painel “Aprendendo com Leonardo”, às 10h, no Museu do Amanhã.

Klein vai abrir o Educação 360 STEAM —sigla que, em inglês, une as palavras Ciência, Tecnologia, Engenharia, Artes e Matemática —, que terá debates sobre como integrar essas cinco áreas ao ensino. O evento é uma realização dos jornais O GLOBO e Extra, com patrocínio do Colégio pH e da Fundação Telefônica Vivo, e o apoio institucional da Revista Galileu, do site Techtudo, TV Globo, Canal Futura, Unicef e Unesco.

Formado em Biofísica, Klein abandonou a carreira de pesquisador para escrever sobre ciência e hoje tem obras traduzidas para 27 idiomas. Seu livro “A fórmula da felicidade” (2002) ficou mais de um ano na lista de best-sellers da Alemanha. Fascinado por Leonardo da Vinci, ele explica como o artista e cientista pode inspirar o debate sobre educação.

Leonardo da Vinci pode ser considerado o principal exemplo de educação STEAM, já que era um gênio universal?

Leonardo da Vinci é, sim, o perfeito exemplo da viabilidade da interdisciplinaridade e das descobertas por conta própria na educação. Sua carreira espetacular também mostra o quão importante é a relação professor-aluno. Leonardo foi ensinado por Andrea Del Verrocchio, que já era um artesão universal, artista e engenheiro. E Andrea deve ter sido um professor absolutamente incrível, porque muitas outras pessoas importantes iam aos seus workshops. Então você diz que o Leonardo era um gênio universal e sim, ele era, mas não nasceu um gênio, ele se tornou um. Além disso, naquele tempo fronteiras entre as disciplinas ainda nem existiam ainda. Leonardo não teria entendido a distinção entre arte e ciência. Elas eram os dois lados da mesma moeda e, para ele, dividiam a missão — como ainda dividem — de entender melhor o mundo.

Por que é essencial pensar a educação de forma interdisciplinar?

Uma abordagem interdisciplinar ajuda a melhorar a educação, porque encoraja estudantes e professores a fazerem conexões e encontrarem seus próprios percursos em meio a um vasto caminho de conhecimento. Além disso, alunos e professores diferem em seus gostos e habilidades, e com essa abordagem há muito mais oportunidades para que cada um descubra quais são seus interesses ou o que fazem melhor do que em um modelo de disciplinas isoladas.

Você acredita que a ciência deve ser ensinada em formato de histórias e não como fatos. Por quê?

Porque assim que o nosso cérebro opera. Nós, humanos, somos uma espécie contadora de histórias. É mais fácil ficarmos interessados por elas do que por fatos aleatórios.

E como isso se aplica ao ensino de crianças e adolescentes?

A maravilha da ciência é que as histórias que existem para serem contadas são sobre descobertas. Isso se aplica muito bem à educação básica, porque toda criança, por natureza, é curiosa. Então, se apresentada do jeito certo, a ciência toca no ponto da curiosidade natural. E melhor ainda é permitir que os próprios alunos façam as descobertas. Histórias podem ter um papel importante nesse processo, porque mostram inspirações ao contar como ótimos cientistas, como Leonardo da Vinci, Isaac Newton, Galileu Galilei ou Jane Goodall fizeram suas descobertas. Isso aumenta o interesse e encoraja crianças a experimentarem por elas mesmas.

O que é imprescindível para uma boa educação?

O melhor modelo educacional é não tanto entregar conhecimento, mas acender uma chama de interesse e entusiasmo nos estudantes. Se os alunos estão fascinados por um assunto, eles vão aprender muito melhor do que quando estão apenas estudando para passar numa prova.

E qual o papel dos professores nesse processo?

Os melhores professores são os que conseguem acender essa chama. Por exemplo, em um estudo feito com professores de Física nos Estados Unidos, a principal forma encontrada para melhorar a qualidade da educação foi realçar o interesse dos professores por suas próprias disciplinas. Isso foi feito dando a eles a oportunidade de trabalhar por duas semanas no laboratório de um importante instituto de Física. Quando o período acabou, os professores tinham encontrado um novo entusiasmo que puderam passar adiante para os alunos. Por isso, para melhorar os resultados da educação, a relação entre o estudante e o professor é muito mais importante do que qualquer tecnologia sofisticada.

“Leonardo da Vinci não teria entendido a distinção entre arte e ciência. Elas eram os dois lados da mesma moeda”

“A relação entre o estudante e o professor é muito mais importante do que qualquer tecnologia sofisticada”

Fonte: www.oglobo.com

Bombeiros vão usar cães farejadores nas buscas por funcionária do MEC

Buscas vão começar por uma mata fechada, no Vale do Amanhecer. Pertences de Letícia Sousa Curado Melo, 26 anos, foram encontrados dentro de um carro na região

Letícia é casada, tem um filho de 3 anos e saiu de casa para trabalhar na sexta-fira, não tendo sido vista pela amília e amigos depois disso. Amigos e família se organizam ir ao local e ajudar nas buscas. O delegado responsável pelo caso, Fabrício Augusto Machado, trabalha com a hipótese de que a vítima tenha sido sequestrada, no entanto, não descarta a possibilidade de outras linhas de investigação.

Celular e materiais escolares

Os agentes encontraram dentro do carro do suspeito o celular, a bolsa e materiais escolares da vítima. No entanto, ele negou que a conhecesse. Imagens do comércio da região mostram que, na manhã em que Letícia sumiu, o veículo do suspeito passou duas vezes em frente ao ponto de ônibus onde ela costuma pegar a condução para ir ao trabalho.

“O motorista é visto na parada antes da vítima chegar. Em seguida, ele deixa o lugar e, em vez de ir pela via principal, o que seria normal, sobe pela pista e retorna. Pouco tempo depois, para em frente a Letícia, conversa com ela por 10 segundos, e ela entra no carro”, disse o delegado.

Os investigadores também foram à casa de familiares do suspeito fazer buscas. “Ele disse que não conhece a vítima e que teria pago R$ 150 no celular dela”, reforçou. Entretanto, para o delegado, o aparelho da vítima tem alto valor no mercado e não seria encontrado por esse preço nem no comércio irregular.

Fonte: www.correiobraziliense.com.br

E-identidade está disponível para Android e tem validade nacional

A versão eletrônica da identidade pode ser baixada, de forma gratuita, por cidadãos que emitiram a nova versão do documento depois de 1º de julho de 2018 no DF

O brasiliense já pode ter o documento de identidade dentro do celular. Após cerca de dois meses em fase teste, a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) lançou nesta segunda-feira (12/8) o aplicativo E-Identidade. O documento eletrônico está disponível para o sistema Android e tem validade em todo território nacional.

O Distrito Federal é a primeira região do Brasil a disponibilizar o serviço. Até o momento, o aplicativo teve cerca de 2000 downloads. “O projeto saiu do papel e hoje está acontecendo. O cidadão pode ter o documento digital no celular de uma forma totalmente segura. E estamos aguardando apenas a sinalização da Apple para trabalhar o aplicativo na plataforma IOS”, destaca o diretor-geral da Polícia Civil, Robson Cândido.

A versão eletrônica da identidade pode ser baixada, de forma gratuita, por cidadãos que emitiram a nova versão do documento depois de 1º de julho de 2018 no DF. Para aqueles que tiraram o documento antes dessa data, é preciso pedir a segunda via da versão impressa, que custa R$ 42. Isso porque, para baixar o documento on-line, é necessário um código criptografado que se encontra no verso da nova identidade.

A Polícia Civil garante que a população pode ficar tranquila ao usar o aplicativo. Rogério da Conceição, chefe da sessão de Avanços Tecnológico, da Divisão de Tecnologia afirma que o E-identidade é completamente seguro e evita a falsificação dos documentos. “Quem valida a identidade é a pessoa que vai estar recebendo ela. Ela é validada através de um codigo QR que está fortemente criptografado e isso garante a segurança”.

O aplicativo é protegido por uma senha ou por identificação biométrica, dependendo do celular, para impedir que outras pessoas que tenham acesso ao celular, acessem os dados. “Se o celular for furtado, o cidadão não precisa se preocupar. Assim que for feito o registro do crime, a gente bloqueia o aplicativo naquele aparelho”, completa o diretor do Instituto de Indentificação da PCDF, Simão Pedro Albuquerque. O bloqueio é feito em menos de 24 horas.

O E-indentidade tem o mesmo valor do documento físico. Com nova versão, é possivel ter acesso rápido a informações que não constam nas nos documentos antigos, como PIS, CPF, entre outros. No aplicativo ainda é possivel acessar informações de localidades e contatos de delegacias do Distrito Federal.

Como cadastrar
Para usar o E-identidade, basta baixar o aplicativo na App Store. Com o documento em mãos, a pessoas deve inserir o tipográfico (código no verso da indentidade), número de RG, Estado, CPF, nome, e-mail e senha.

Fonte: www.correiobraziliense.com.br

Desempregada oferece serviços de beleza em troca de comida no DF

Sem trabalho fixo há duas semanas, Milene Alves Silva, moradora de Ceilândia, precisa de dinheiro para alimentar as duas filhas pequenas

Milene, Alice e Ester Alves Silva

Milene Alves Silva, 20 anos, está desesperada. Desempregada desde 26 de julho, quando não teve o contrato de auxiliar de serviços gerais renovado, a jovem passou a oferecer serviços para arrumar o cabelo ou as unhas em troca de comida e fraldas. Ela precisa de recursos para as filhas Ester, 3 anos, e Aline, 2.

A ideia surgiu no último dia 2. Depois de entregar o currículo em vários lugares e não ter recebido resposta, Milene decidiu divulgar suas especialidades nos quatro grupos do bairro de Ceilândia em que mora, o P Sul. “Foi a saída que encontrei para tentar conseguir me sustentar. Como sei que muita gente acaba não querendo pagar pelos serviços, mesmo quando eu cobro R$ 10, que não paga nem os produtos, ofereci a troca por alimentos”, conta.

Autodidata, ela diz que nunca teve dinheiro para pagar algum curso de aperfeiçoamento. Todo o conhecimento, tanto para fazer as unhas quanto para cuidar de cabelos, foi adquirido em vídeos na internet. “Fui aprendendo sozinha. Testava na minha mãe e na minha irmã até pegar a prática e me sentir segura para fazer em outras pessoas.”

A necessidade de trabalhar veio logo aos 16 anos, quando teve a primeira filha, Ester. Além dos serviços de beleza, ela chegou a trabalhar como balconista em uma padaria e, mais recentemente, trabalhou por três meses como auxiliar de serviços gerais. “Infelizmente, depois que passou o período de treinos, eu e a maioria das pessoas fomos dispensadas. Nesse momento estou desesperada”, conta.

Com o marido também desempregado e o aluguel vencido desde a última quarta-feira (07/08/2019), Milene não vê outra saída que não deixar o pequeno imóvel onde mora. “A solução é eu voltar com minhas filhas para a casa da minha mãe e meu esposo para a dele. Vamos ficar longe um do outro, mas é o jeito de conseguirmos economizar”, explica.

A mudança, no entanto, não será fácil. De acordo com a mãe dela, Marlene Alves Veloso, 47, na casa não cabe mais ninguém. Também desempregada e sobrevivendo com apenas R$ 200 por mês – valor referente à pensão que recebe –, ela não sabe como será possível sustentar todos. “A situação já está complicada e vai ficar ainda mais difícil. Quem me ajudava era a Milene, que comprava o gás e me dava R$ 100.”

Milene, Alice e Ester Alves Silva

Necessidade
Mesmo tendo conseguido várias curtidas e comentários positivos nas postagens que fez, Milene conta que, até o momento, apenas três pessoas marcaram com ela. “Uma cliente trouxe algumas verduras, outra pessoa fez a doação de alimentos. Até agora, foi isso”, resume.

Apesar de ser grata pela ajuda, o que ela arrecadou até agora é muito pouco. Sem gás em casa há três semanas e recebendo do açougue carne que seria descartada aos cachorros, ela não sabe o que pode fazer caso mais pessoas não se interessem pelo trabalho dela. “Até a lâmpada da sala já queimou e não a trocamos. Preciso de arranjar algo o mais rápido possível”, diz.

Quem estiver interessado na prestação de serviços de Milene pode entrar em contato com a jovem por meio do número (61) 99659-6800.

Fonte: www.metropoles.com