SalveAEscoladeMúsica:Em meio à crise, apoiadores organizam abaixo-assinado

.Postado: Maryna Lacerda.

A ideia é sensibilizar o governador Rodrigo Rollemberg sobre a crise estrutural e financeira da instituição. Segundo professores, falta verba para a manutenção dos instrumentos e há problemas nas salas Marcelo Ferreira/CB/D.A PressProfessores e alunos reclamam que não há dinheiro para a afinação dos instrumentos nem para a reposição de cordas: esforço em conjunto.

image003

Dos vários pedidos de socorro à Escola de Música de Brasília (EMB), o mais recente é o abaixo-assinado direcionado ao governador Rodrigo Rollemberg. Há duas semanas, o documento “É preciso salvar e preservar a Escola de Música de Brasília” recolhe assinaturas no meio virtual e tenta sensibilizar a administração pública para a situação em que se encontra a instituição. Até ontem, 2.123 pessoas haviam aderido ao movimento, inconformadas com a crise de infraestrutura e de recursos pela qual passa a EMB. Com 50 anos de história e reputação de formar musicistas e músicos de qualidade, a instituição amarga o sucateamento.  Assine o abaixo-assinado.

A dificuldade financeira emperra até mesmo a manutenção de instrumentos, como flautas e pianos. A reposição de cordas também fica difícil e é comum que os educadores dividam os custos para que as atividades não sejam interrompidas. “A gente mal tem dinheiro para pagar o tôner para a impressão das partituras”, explica o professor de contrabaixo Oswaldo Amorim. Segundo ele, a falta de investimento para os equipamentos passa por gerações de aprendizes. “Esse é um problema crônico da EMB. Desde que fui aluno, ele existe. Segundo Oswaldo, comprar cordas, mandar instrumentos e mesa de som para afinação — atividades rotineiras quando se trata de música — são desafios.

Outro professor da EMB reforça as dificuldades da instituição. “A situação lá, há 20 anos, é bem precária, desde a estrutura física até a administrativa. Na minha sala, por exemplo, parte do teto desabou. Em outras, há ácaros e falta proteção acústica. Está tudo muito ruim”, afirmou.

Em outros casos, os alunos pagam pelo material para participar de oficinas. A assistente social Edinete Freitas, 46 anos, optou por comprar um pífano para que a filha pudesse acompanhar as aulas de musicalização. A garota, de 11 anos, precisava de uma flauta transversal. As que a EMB dispõe estavam danificadas; por isso, Edinete adquiriu o instrumento. “O pífano é o que melhor se assemelha à flauta transversal; por isso, o compramos. Mas aqui há estudantes de todas as classes. E as famílias que não têm condições de comprá-lo? Como os alunos participam das aulas práticas?”, questiona.

O orçamento destinado à escola, em 2015, foi bastante apertado. Para o primeiro semestre, a EMB recebeu da Secretaria de Educação R$ 15.455. O segundo semestre deve ser ainda mais complicado, uma vez que a previsão é de apenas R$ 10.818, por meio do Programa de Descentralização Administrativa e Financeira (PDAF), de acordo com o diretor da instituição, maestro Ayrton Pisco. “É pouco. A gente não vai dizer que está satisfeito, mas houve um contingenciamento para todas as escolas. Foi menos do que poderia ter sido”, lamenta.

Também para Ayrton, a falta de recursos para manutenção é problema que não se resolveu em diversas gestões. “Desde que a Escola de Música foi inaugurada, há falta de verba para manutenção. A EMB foi um parto a fórceps, o maestro Levino forçou a barra e a escola saiu”, explica. “Essa notícia de que a Escola de Música vai acabar é tão fantasiosa quanto a chegada do Papai Noel.” Sobre os rumores de que o terreno da escola estaria sob a cobiça da especulação imobiliária, ele atribuiu a questão a disputas políticas. “São notícias sem fundamento, plantadas por grupos políticos. Essas notícias são motivo de riso e de indignação dentro da Secretaria de Educação”, diz.

Reforma
A realização do Curso Internacional de Verão de Brasília (Civebra), ao custo de R$ 868 mil, dividiu o corpo docente. O Conselho Escolar defendia o uso da verba para reformas, mas a direção da EMB optou por aplicá-la no Civebra. A situação pode se repetir em 2016, pois a próxima edição do curso deve ocorrer sob as mesmas condições. “Nós não somos contra o curso. Somos contra a realização dele nessas condições, sem infraestrutura. Defendemos o uso da verba para reformar a escola”, defende o professor Oswaldo.

Para saber mais

História desde 1960
A Escola de Música de Brasília (EMB) nasceu da efervescência cultural e do comprometimento de artistas com a educação, na década de 1960. Nesse cenário, destaca-se o maestro Levino Ferreira de Alcântara, que ministrava aulas de canto coral, no Centro de Ensino Médio Ave Branca, em Taguatinga. Ele fundou o Madrigal de Brasília e reuniu músicos do Coral de Brasília, no Caseb, para apresentações semanais na Rádio Educadora de Brasília. O projeto ganhou projeção e, em 1964, a EMB foi oficializada. A sede, na 602 Sul, foi construída em 1974.
PUBLICIDADE.

Site:WWW.CORREIOBRAZILIENSE.COM.BR

Convite – PRECISAMOS DE VOCÊS

Amigos:
Agora o ano começou de verdade, e os trabalhos solidários do Movimento Maria Cláudia Pela Paz estão sendo realizados normalmente. No Instituto Nossa Senhora da Piedade onde colaboramos há quase três anos, principalmente na Biblioteca Maria Cláudia Del’Isola, com alguns projetos, dentre eles por exemplo, o Oipoema (N. Sra. da Poesia) com o objetivo de, aprofundar seus conhecimentos, facilitar-lhes a oratória e o entendimento e estimular sua criatividade. Este ano, a Irmã Conceição, diretora do Instituto nos solicitou mais voluntários em diversas áreas. Lá, são acolhidas 140 meninas de quatro a 14 anos que precisam de apoio em alfabetização, artes, português, matemática, história, geografia, educação física, esportes, dança, informática, atendimento psicológico, etc. Isto posto, precisamos de mãos e corações generosos que juntamente conosco abracem esta iniciativa. Qualquer um pode ajudar de várias maneiras: fazendo leituras para as meninas, dando reforço escolar, ensinando-lhes a bordar, a pintar, tocar teclado… — aquilo que sabem e gostam de fazer e que seja interessante para elas. Na maior parte das atividades não é necessário ter formação universitária. Basta um hora por semana, em pela manhã ou pela tarde e isto fará toda diferença para estas meninas carentes, que frequentam o INSP no contraturno escolar, com o fim de ocuparem seu tempo com atividades úteis enquanto seus pais trabalham e não ficarem na rua, com as consequências predatórias que isso, como todos sabemos, inclui. Contamos com a colaboração dos amigos e peço que nos procurem via e-mail inspdf@yahoo.com.br (direto com a Irmã Conceição) ou mariaclaudiapelapaz@terra.com.br ou ainda pelo facebook, endereço: Movimento Maria Cláudia Pela Paz.
Agradeço a atenção e conto com o apoio de todos vocês.
Um forte abraço,
Rosangela Mello
Coordenadora da Biblioteca –
Vice-Presidente do Movimento Maria Cláudia Pela Paz

Convite para o lançamento do livro Gabriela Sou da Paz

No próximo dia 1º de Julho será lançado o livro Gabriela Sou da Paz escrito pela filósofa Claudia Castro, que acompanhou toda a trajetória dos pais de Gabriela e conseguiu relatos e depoimentos de amigos e parentes com passagens emocionantes e intrigantes.

O livro ainda abre uma discussão sobre as verdadeiras causas da violência e suas possíveis soluções.

Meu agradecimento, ao Gabriel o Pensador, autor do Prefácio do livro.
Dia: 1 de Julho de 2011 – Sexta-Feira
Hora: 18:30h
Local: Livraria Saraiva – Shopping Tijuca, 1º piso.
Contamos com vocês,

Grande abraço.

Santiago – Pai de Gabriela.

visite o site: www.gabrielasoudapaz.org
Participe da Comunidade oficial no Orkut
http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=52838048

Páscoa do Movimento

No dia 10 de abril último, o Movimento Maria Cláudia Pela Paz, realizou um bazar com produtos doados por parceiros, voluntários, amigos e amigos dos amigos. O objetivo era angariar recursos para a compra de alimentos destinados à Vida Positiva, instituição que atende crianças portadoras do vírus HIV, sob a direção de Vicky Tavares. No entanto, com a graça de Deus e das altamente generosas pessoas que colaboraram conosco foi possível, ainda, também alegrar a Páscoa dessa meninada; doar alimentos e ovinhos de chocolate para a Recomeçar, organização que acolhe crianças carentes, e tem como presidente Marelze Riguera, além de permitir que a D. Coelha levasse alegria para a garotada do Instituto N.Sra. da Piedade, dirigido pela Irmã Conceição; e para os internos do Hospital de Apoio de Brasília, bem como para o Lar dos Idosos de São Francisco de Assis. Assim, de mãos dadas, só assim, e na fé inabalável em Cristo Ressuscitado, todos os que de uma maneira ou de outra que puderam participar do Bazar Entre Amigos, colaboraram para encher os corações de crianças, jovens e adultos de alegria, permitir-lhes sonhar e ter esperança.
Cristina Del’Isola.

Instituto N.Sra. da Piedade

Hospital de Apoio

Fotos: GLAUCE SANTOS

LITERATURA DE CORDEL

CONVITE!
TERÇA LITERÁRIA DA BIBLIOTECA DEMONSTRATIVA TEM A “LITERATURA DE CORDEL” COMO TEMA.
A LITERATURA DE CORDEL é o tema do Projeto TERÇA LITERÁRIA, promovido pela BIBLIOTECA DEMONSTRATIVA DE BRASÍLIA (Av. W3 Sul EQ 506/507. O encontro será realizado no dia 10 de maio (terça-feira), às 12h30, e contará com as presenças do escritor Gustavo Dourado e do estudante Gustavo Fontele Dourado que conduzirão um bate-papo sobre “O CORDEL E O CINEMA”.

O Projeto Terça Literária consiste na apresentação informal de autores
e temas na intenção de cativar a atenção dos usuários, transformando o
intervalo do almoço em um momento agradável de entretenimento
informativo.
Leia mais em cultura