Brasília tem um dos índices de arborização mais baixos do Brasil

www.correioweb.com.br

Agência Brasil
Publicação: 25/05/2012 15:50 Atualização: 25/05/2012 16:44
Rio de Janeiro – Com cerca de um terço dos domicílios em áreas arborizadas, Brasília ficou na 12ª posição no ranking de cidades brasileiras com mais de um milhão de habitantes que têm mais árvores no entorno das casas, segundo pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgada nesta sexta-feira (25/5). Apesar de a cidade ter sido concebida com parques e jardins entre as quadras do plano piloto, as condições de infraestrutura das chamadas cidades satélites puxam para baixo o índice de arborização de Brasília, segundo a presidenta do IBGE, Wasmália Bivar.

Goiânia e Campinas são as cidades brasileiras mais arborizadas. Sede da conferência da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre desenvolvimento sustentável, a Rio+20, o Rio de Janeiro está na nona posição entre as 15 cidades pesquisadas.

De acordo com o IBGE, os domicílios mais arborizados, com árvores em volta dos quarteirões, em calçadas ou canteiros, com exceção de Goiânia (89,5%), estão nas regiões Sul e Sudeste. Já nas regiões Norte e Nordeste, estão as casas em áreas menos arborizadas. As capitais Belém, com 22,4%, e Manaus, no meio da floresta amazônica, com 25,1%, têm os menores percentuais de arborização.

Brasil contra a Pedofilia

DIA NACIONAL de combate ao ABUSO e à EXPLORAÇÃO SEXUAL de crianças e adolescentes

Criado para motivar a mobilização dos diferentes setores da sociedade, dos governos e da mídia para formação de uma forte opinião pública contra a violência sexual de crianças e adolescentes.

A data foi escolhida porque no dia 18 de maio de 1973 um crime bárbaro chocou todo o país e ficou conhecido como o “Caso Araceli”.

Araceli Cabrera Crespo, 8 anos, filha do eletricista brasileiro Gabriel Sanches Crespo e da boliviana Lola, foi espancada, torturada, estuprada e morta. Depois, ela ainda teve parte do corpo, principalmente o belo rosto, coberto por ácido.

O crime aconteceu no dia 18 de maio de 1973, em Vitória-ES, mas chocou o país inteiro. E maior impacto causou ao se descobrir que os criminosos eram jovens rapazes da mais alta elite brasileira.

As investigações do caso foram confusas: sumiço de documentos, assassinatos misteriosos, testemunhas que voltavam atrás de seus depoimentos, cumplicidade e corrupção da polícia e do judiciário.

Os acusados pertenciam a famílias poderosas e a sociedade capixaba se calou. Ninguém foi punido por esse crime hediondo.

Em homenagem a Araceli Cabrera Crespo, o dia 18 de maio foi estabelecido como Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual Infanto-juvenil, pela lei nº. 9.970, de 17 de maio de 2000, por iniciativa da então deputada Rita Camata.

Família de idosa entrega à polícia recibos da cobrança de cheques-caução

www.correiobraziliense.com.br

Kelly Almeida
Publicação: 15/05/2012 07:23 Atualização:
Familiares da aposentada Aureliana Duarte dos Santos, 77 anos, entregaram ontem à Polícia Civil os recibos dos dois cheques-caução que teriam sido pedidos como garantia para a internação da paciente na unidade de terapia intensiva (UTI) do Hospital Santa Helena, no mês passado. Funcionários e diretores do hospital eram esperados para depor ontem, mas, até o fechamento desta edição, apenas advogados do Santa Helena estiveram na 2ª Delegacia de Polícia (Asa Norte). A polícia quer saber se a ida de um filho da idosa a Sobradinho para pegar os cheques agravou o estado de saúde dela, que morreu quatro horas após ter dado entrada na unidade.

Thiago e Maria Cleidiane, filho e nora de Aureliana, estiveram ontem na 2ªDP: morte após quatro horas

Os dois comprovantes ainda não tinham sido divulgados pela família. Os documentos são assinados pela nora de Aureliana, Maria Cleidiane de Oliveira, 24 anos. Segundo ela, as folhas de cheque, de R$ 25 mil cada, continuam em poder da tesouraria do hospital. “Quando eles exigiram a garantia para minha sogra ir para a UTI, não falaram como seria para pegarmos de volta. Não sabemos como está a situação”, explicou. O marido de Cleidiane relata que a conta do hospital só foi revelada 15 dias depois da morte. “Fomos lá em 25 de abril e nos falaram que já iriam depositar os cheques. Só então ficamos sabendo que o período em que ela ficou internada, de quatro horas, custou R$ 8,3 mil”, disse Thiago Seabra, 24. Aureliana morreu em 10 de abril, mas a ocorrência na 2ª DP foi feita por um dos filhos dela apenas na última quarta-feira.

Brasília terá manifestações em favor da PEC do Trabalho Escravo

www.correiobraziliense.com.br

Agência Brasil
Publicação: 07/05/2012 20:30 Atualização:
Movimentos sociais, centrais sindicais, parlamentares e seguimentos do governo federal estão mobilizadas pela aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 438, conhecida como PEC do Trabalho Escravo. A proposta deve ser votada nesta segunda terça-feira (8/5), em segundo turno, na Câmara dos Deputados.

A PEC tramita no Congresso desde novembro de 2001 e foi votada em primeiro turno em 2004 na Câmara, após a morte de três auditores fiscais do trabalho no município mineiro de Unaí. A matéria estabelece a expropriação das terras usadas para exploração de trabalho em condição análoga à escravidão (trabalho em condição degradante, compulsório e sem remuneração).

Amanhã, a Comissão Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo (Conatrae) fará, em Brasília, conjuntamente com entidades e centrais sindicais, uma série de atividades em prol da votação da matéria. A partir das 11h, está previsto um encontro com o presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia, para discutir o assunto.

Durante a solenidade, as entidades entregarão ao presidente um abaixo-assinado em apoio à aprovação da PEC. As assinaturas estão sendo coletadas a partir de uma iniciativa do site Avaaz com a ONG Repórter Brasil. Até o meio dia de hoje (7), o documento recebeu mais de 57 mil assinaturas.

De acordo com o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, deputado Domingos Dutra (PT-MA), ainda pela manhã haverá uma mobilização no Aeroporto Intenacional de Brasília com o objetivo de mobilizar os parlamentares que estão chegando a capital. “Vamos distribuir um material para convencer os parlamentares no aeroporto, para fazer com que haja um quorum alto durante a votação”.

A ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário, será ouvida pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Trabalho Escravo. Três dos seus antecessores: Nilmário Miranda, Mário Mamede Filho e Paulo de Tarso Vannuchi, também participarão do evento. Ainda está previsto um grande ato político no Salão Verde da Câmara a partir das 16h, com a presença de diversos parlamentares que apóiam a PEC.

Desde 31 de março de 2009, a PEC aguarda para ser incluída na ordem do dia do plenário da Câmara dos Deputados. De acordo com dados do Ministério do Trabalho e Emprego, foram resgatados 2.271 trabalhadores no ano passado pelos grupos móveis de fiscalização, que promoveram 158 ações em 320 fazendas e estabelecimentos.

Homem tenta invadir casa e dono da residência dispara duas vezes contra ele

Lucas Tolentino
Publicação: 23/04/2012 09:31 Atualização: 23/04/2012 09:57

Um homem morreu após tentar invadir uma casa no Park Way no início da manhã desta segunda-feira (26/4). O homem estaria andando pelo telhado da casa quando o dono da residência acordou com o barulho e pegou uma arma. Ao ver o suspeito, disparou duas vezes contra ele. O rapaz acabou caindo da residência e ficou preso em uma árvore.

Ainda não se sabe se o homem morreu com os tiros ou pela queda. A perícia deve ser feita para identificar a causa da morte. A Polícia Militar interditou o local.

Familiares protestaram contra o descaso na morte de soldado do Exército

www.correiobraziliense.com.br

Publicação: 22/04/2012 08:11 Atualização:
Tristeza e revolta marcaram o enterro do recruta do Exército Brasileiro Hércules Sousa Reis, 19 anos. O militar morreu afogado na manhã da última quinta-feira, durante um treinamento no Campo de Instrução e Adestramento de Brasília, localizado numa reserva próximo a Santa Maria. No sepultamento, que ocorreu ontem no Cemitério Campo da Esperança, colegas e parentes de Hércules cobraram explicações do alto escalão do Exército.

Saiba mais…
Soldado de 19 anos morre durante treinamento do Exército, em Santa Maria
Durante a cerimônia, o professor de jiu-jítsu do ex-recruta, Alexandre Bianchi, pediu a palavra e fez um discurso firme. “O sonho do garoto era defender a pátria. Essa deveria ser uma reunião feliz, mas ele acabou voltando para casa em um caixão”, desabafou. Emocionado, também dirigiu a palavra aos representantes do Exército que estavam no local. “Peço ao senhor, major, que interceda e olhe com mais carinho para os próximos recrutas”, clamou.

Lançamento da Frente Parlamentar em Defesa das Vítima de Violência do RS

***Lançamento da Frente Parlamentar em Defesa das Vítima de Violência do RS***

Data: 8 de maio
Horário: 11 horas
Local: Salão Júlio de Castilhos na própria Assembleia Legislativa, em Porto Alegre.

Dando sequencia ao trabalho idealizado e iniciado pela deputada federal Keiko Ota agora é a vez do Rio Grande do Sul lançar a Frente Parlamentar em Defesa das Vítimas de Violência.

A Frente Parlamentar foi lançada em agosto de 2011 no Distrito Federal e contou com a participação de dezenas de familiares de vítimas, ativistas e movimentos que lutam por Paz e Justiça.

O Rio Grande do Sul é o terceiro Estado a lançar a “Frente Estadual em Defesa das Vítimas de violência”. Já foi lançada em São Paulo e Mato Grosso do Sul. Está previsto ser o Rio de Janeiro o próximo estado a lançar a Frente Parlamentar em Defesa das Vítimas de Violência.

Elvis é um adolescente. Vive preso a uma cadeira de rodas com uma bala na cabeça. O pouco que tem deve aos amigos. Elvis é vítima da violência. As vítimas são esquecidas pela sociedade.

A Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul lançará a Frente Parlamentar em Defesa das Vítimas da Violência, unindo deputados de todos os partidos. O lançamento será no dia 8 de maio, às 11 horas, no salão Júlio de Castilhos na própria Assembleia Legislativa, em Porto Alegre.

Coloque a camiseta de seu ente querido. Compareça. Vamos pressionar os Legislativos de todo Brasil a criar políticas públicas que auxiliem as vítimas da criminalidade. A Ong Brasil Sem Grades agradece.

Nossa luta busca:

• Auxílio financeiro para as vítimas da violência – não raras são as famílias que passam a enfrentar dificuldades financeiras em função da instabilidade emocional provocada pela violência sofrida;

• Revisão do Código Penal, assegurando que as penas fixadas pelos tribunais do júri e juízes singulares sejam realmente cumpridas, garantindo que efetivamente se promova a justiça e se ponha fim à impunidade;

• Aprovar lei que regulamente o artigo 245 da Constituição Federal, definindo e assegurando os direitos das vítimas de violência

• Apresentar medidas concretas que contribuam para a retirada do Brasil do topo do ranking mundial de homicídios

• No âmbito das políticas públicas, estimular a criação de secretarias de atendimento multidisciplinar apoio às vítimas de violência – em nível nacional e estadual –, bem como de frentes parlamentares semelhantes, nas assembléias estaduais.

Exigimos que os direitos humanos das vítimas de violência sejam reconhecidos e colocados em prática e respeitados, como caminho para se resgatar e reconhecer o direito à vida em nosso país.

Os danos causados ao Brasil pelos altos índices da violência, agravados pela morosidade da Justiça e a falta de apoio do Estado e dos governos municipais, estaduais e federal aos familiares de vítimas de violência se estendem de forma inaceitável à dignidade do país, abalando e comprometendo o seu crescimento e a sua vocação de grande Nação.

Por isso, temos a certeza de contar com a sensibilidade e o apoio de toda a sociedade para fortalecer nossa luta.

FRENTE PARLAMENTAR EM DEFESA DAS VÍTIMAS DA VIOLÊNCIA

E Organizações Não Governamentais de todo Brasil

http://www.keikoota.com.br/blog/

Desde a construção, Brasília viu encolher em dois terços sua vegetação

Todos os anos, uma área equivalente a 166 Parques da Cidade é devastada, o que afeta o clima, o abastecimento de água e agrava os problemas urbanos, como os alagamentos.

www.correiobraziliense.com.br

Ariadne Sakkis
Adriana Bernardes
Publicação: 15/04/2012 09:00 Atualização:
No Distrito Federal, o mapa muda de cor mais rápido do que os olhos conseguem acompanhar. Entre 1954 e 2010, a vegetação encolheu 67%. Dos 581 mil hectares de cerrado existentes quando a nova capital do Brasil ainda era um sonho, sobraram pouco mais de 189 mil, sendo que apenas 10% estão sob a proteção de áreas permanentes de preservação (APPs). O segundo maior bioma brasileiro acabou aquartelado em pouco menos de um terço do território e, se nada for feito para reverter o ritmo acelerado de desmatamento, em menos de 30 anos as próximas gerações de brasilienses só conhecerão as árvores retorcidas por meio de livros.

O estudo da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) sobre a vegetação e a ocupação do solo no DF entre 1954 e 2001 e um mapa do desmatamento do cerrado produzido pela Fundação Sustentabilidade e Desenvolvimento com base em dados de 2010 do Ministério do Meio Ambiente revelam que, em média, 6.997 hectares de cerrado são dizimados todos os anos em Brasília. Significa dizer que a devastação consome 70 milhões de metros quadrados por ano, o equivalente a 166 Parques da Cidade ou 10,2 mil campos de futebol.