Menino de 4 anos com leucemia precisa de doação de sangue no DF

Artur-Leucemia-840x577
Artur Machado Correa, de apenas 4 anos, diagnosticado com leucemia em julho, precisa de ajuda. O menino, que mora com a família no Jardim Botânico, está internado desde o último dia 8 e necessita de doações de sangue urgentemente.

De acordo com o pai dele, o empresário Vinicius Correa, 34, o diagnóstico da doença foi constatado após Artur cair de um banco e torcer o tornozelo. “Procuramos a emergência do hospital e iniciamos o tratamento. Retornamos várias vezes para acompanhamento do trauma e, após um exame de sangue, recebemos a notícia”, explicou.

“Iniciamos uma campanha para buscar ajuda. Peço como pai. Precisamos de doação de sangue para repor o banco do Hemocentro São Lucas. Qualquer tipo é bem-vindo. O sangue dele é O positivo (O+)”, disse Vinicius.
Parentes e amigos da família também buscam doadores pelas redes sociais. “A campanha está em grupos de WhatsApp, Facebook e outras mídias sociais”, disse o pai de Artur.

Veja mais notícias em metropoles.com

Ameaça ao coração

· 11 mai 2017
· O Globo
· PAULA FERREIRA paula.ferreira@infoglobo.com.br RENATO GRANDELLE renato.grandelle@oglobo.com.br
Ameaça ao coração
ZoomMarcarPartilharImprimirTraduzir
Consumo de analgésicos pode aumentar em até 58% o risco de ataque cardíaco

O uso de analgésicos conhecidos como anti-inflamatórios não esteroides (AINEs), como o ibuprofeno, pode aumentar o risco de ataques cardíacos entre 24% e 58% — principalmente no primeiro mês de uso contínuo, segundo uma pesquisa divulgada ontem no periódico “British Medical Journal”.
image001 (2)W3yA%3d%3dROBERTO MOREYRASem controle. Remédios para a dor têm propaganda irrestrita e são vendidos sem receita médica, o que estimula seu uso, segundo especialistas
A equipe de pesquisadores liderada pela epidemiologista Michèle Bally, do Hospital da Universidade de Montreal, no Canadá, revisou estudos realizados com 446.763 pessoas com idade entre 40 e 79 anos em países como Canadá, Finlândia e Reino Unido. Deste grupo, 61.460 indivíduos tiveram ataques cardíacos, tendo sido observados apenas pacientes que receberam prescrição médica, e não aqueles que adquiriram o remédio por conta própria. Os cientistas destacam que outras causas, além do uso de medicamento, podem estar envolvidas nas doenças cardiovasculares.

Pesquisas anteriores já tinham relacionado o consumo de analgésicos a problemas ou sobrecarga no coração, mas este novo estudo mede o risco das doses e o tempo de tratamento, além de classificar os efeitos de cada remédio.

PERIGO MAIOR COM DOSES ALTAS “Considerando que o risco de infarto agudo do miocárdio é identificado já na primeira semana de uso e parece maior no primeiro mês de tratamento com doses mais elevadas, os prescritores devem considerar a ponderação dos riscos e benefícios dos anti-inflamatórios antes de instituírem o tratamento”, afirmaram os pesquisadores no estudo.

Michèle revela que o aumento absoluto dos riscos é muito pequeno, já que, na maioria das pessoas, as chances de um ataque cardíaco também são ínfimas. Ainda assim, a epidemiologista ressalta que os pacientes devem ser informados sobre detalhes de seus tratamentos:
— Quero que as pessoas conversem com seus médicos — diz a pesquisadora. — A maioria dos pacientes não está ciente de seu risco cardiovascular, então é preciso saber se é bom continuar com os AINEs ou se deve considerar outros tratamentos.

De acordo com o estudo, há mais de 90% de chances de que todos os anti-inflamatórios não esteroides estejam relacionados ao risco de ataque cardíaco. E a probabilidade de problemas cardiovasculares aumenta de acordo com o remédio. O que apresentou menor risco foi o celecoxibe (no Brasil comercializado como Celebra), com 24% de probabilidade de problemas cardiovasculares. Em seguida, aparecem o ibuprofeno (Advil e Motrin), com 48% de risco; o diclofenaco (Voltaren), com 50%; e o naproxeno (Flanax), com 53%. A maior taxa de risco, de 58%, foi verificada no rofecoxib (Vioxx), que foi retirado do mercado em 2014.

Diretor científico do Departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia, José Francisco Kerr Saraiva destaca que os maiores consumidores de anti-inflamatórios, em geral, já têm outros problemas de saúde.

— Estes medicamentos são mais procurados por pessoas com idade avançada, que sofrem mais de doenças como artrite, bursite e dor na coluna. E os idosos são o grupo com mais casos de hipertensão e doença renal. Portanto, o risco não pode ser ignorado — ressalta. — Existe uma regulamentação sobre o uso de antiinfalamatórios, mas as regras não são colocadas em prática. As autoridades sanitárias precisam ser r orosas e impor algum tipo de controle.

Saraiva revela que é comum ver consumidores de anti-inflamatórios chegarem à emergência de hospitais com pressão alta.

— Antes de recorrer aos medicamentos, as pessoas devem ter mais informações sobre as condições de seus rins e do sistema circulatório — recomenda. — Às vezes o paciente tem um problema cardiovascular e nem sabe.

Pesquisador da Escola Nacional de Saúde Pública da Fiocruz e membro da Câmara Técnica de Medicamentos, órgão consultivo vinculado à Anvisa, Francisco Paumgartten concorda que a grande preocupação é o fato de que algumas dessas drogas têm venda livre, como o ibuprofeno.

— O paciente não precisa nem se dirigir ao farmacêutico, o ibuprofeno fica exposto, há liberdade total — critica. — Além disso, é permitida a propaganda de medicamentos de venda livre na televisão, e essa publicidade estimula o consumo.

Paumgartten avalia que, com as evidências disponíveis sobre os riscos do medicamento, a Anvisa já deveria ter tomado alguma atitude para restringir o acesso:
— A Anvisa já poderia ter excluído esse medicamento da lista de drogas de venda livre. É um risco alto para fazer um uso banal do remédio, e muitas pessoas os consomem desnecessariamente. No caso de um paciente com doença inflamatória grave, que sinta uma dor insuportável, o benefício pode ser maior que o risco. E o profissional capaz de colocar os prós e contras na balança é o médico.

O levantamento publicado ontem foi visto com ressalvas por parte da comunidade médica. Diretora do Real Colégio Britânico de Clínica Geral, Helen Stokes-Lampard pondera que é perigoso rejeitar imediatamente os analgésicos.

— Estas drogas podem ser eficazes no fornecimento de alívio da dor a curto prazo para alguns pacientes — sublinha. — É importante que qualquer decisão de prescrever seja baseada nas características individuais do paciente, e que os resultados sejam revistos regularmente.
Site:www.oglobo.com.br

Distrito Federal registra queda de 9,5% nas doações de órgãos

costureiraA chance de sobreviver pode depender dos órgãos de alguém que acabou de morrer. Quem perdeu um parente pode não autorizar o procedimento

“Ao adoecer, consegui receber o benefício financeiro, mas isso não basta para eu pagar os remédios. Preciso continuar trabalhando e fazer consertos em roupas. Meu sonho é fazer o transplante e voltar a ter uma vida normal, sem dor para trabalhar dignamente”

Tudo passa a ser urgente quando se trata de salvar vidas. A doação de órgãos — ato que dá a chance às pessoas acometidas por doenças graves e, muitas vezes, incuráveis, de seguir vivo — é uma simples equação matemática: a morte encefálica de uma pessoa pode mudar a vida de outras cinco. Porém, 36% das famílias brasilienses não autorizam a doação de órgãos de parentes falecidos, de acordo com levantamento feito pela Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO). O Distrito Federal registrou uma queda de 9,5% nas doações. A pesquisa assinalou, ainda, que, no ano passado, 32 pessoas morreram na fila à espera de um transplante, na capital do país.

Em 2016, foram notificados 321 potenciais doadores em Brasília. Porém, apenas 75 tornaram-se efetivos, pois 246 foram descartados, o que equivale a 77%. Atualmente, 291 pessoas aguardam por transplante no DF, segundo dados da ABTO. Desses, 215 esperam por um rim; 10, por fígado; cinco precisam de um novo coração e 61, de uma córnea.

A nefrologista Daniela Salomão, coordenadora-geral da Central de Notificação Captação e Distribuição de Órgãos do Distrito Federal (CNCDO), informou que, ainda que uma redução tenha sido registrada, a capital do país contabilizou, em 2016, 25,7 doadores de órgãos por milhão de habitante. Segundo ela, o número praticado no Distrito Federal está próximo ao de países primeiros colocados no ranking na doação, como Espanha (39,7 doadores por milhão de habitantes); Croácia (39); Bélgica (32,4); Portugal (28,6) e EUA (28,5).

Saiba mais…
No Distrito Federal só 3% da população doa sangue anualmente
Hospital Universitário faz campanha em busca de doadores de sangue

Para a nefrologista, a queda se explica por uma série de fatores. “Estamos cada vez mais rigorosos quanto aos critérios estabelecidos por nossas equipes para avaliar se um paciente está em condições de se tornar um doador e, por outro lado, precisamos de uma melhor infraestrutura para a captação dos órgãos”, avaliou. Daniela Salomão acrescentou que Brasília capta, de outros estados, órgãos para serem transplantados no DF. “Contamos com o apoio da Força Aérea Brasileira (FAB) para agilizar todo o trabalho”, comentou.

Idealizador do Setembro Verde — campanha nacional que visa conscientizar os brasileiros sobre a doação de órgãos —, o cirurgião cardiovascular José Lima Oliveira Júnior, acredita que “existe também a necessidade de aumentar o número de equipes transplantadoras na capital federal, assim como ampliar a ação das campanhas elucidativas para explicar à população sobre a importância da doação de órgãos”.

Ressignificando a dor

A prática da doação e do transplante de órgãos é uma via de mão dupla que precisa, mais do que tudo, de consentimento. No momento da decisão, são vivenciadas situações delicadas e difíceis de administrar, tanto com os familiares dos doadores, como com os receptores, que aguardam novos órgãos.

A costureira Maria de Jesus, 53 anos, sofre de insuficiência renal e espera por um rim desde 2015. Moradora do Gama, ela disse que a doença foi descoberta em 2011. “Ao adoecer, consegui receber o benefício financeiro, mas isso não basta para eu pagar os remédios. Preciso continuar trabalhando e fazer consertos em roupas. Meu sonho é fazer o transplante e voltar a ter uma vida normal, sem dor para trabalhar dignamente”, afirmou.

A secretária Naara Felipe da Silva Guedes, 35 anos, também aguarda um transplante há pelo menos dois anos. Como é diabética, está na fila prioritária para receber um rim e um pâncreas. Segundo Naara, a doença a acompanha desde o primeiro ano de vida. “Aos 19 anos, perdi a visão. Aos 24, me casei e hoje tenho um filho de 7 anos. Esse é o verdadeiro motivo pelo qual me fortaleci para aguentar toda essa espera”, admitiu. A moça, moradora do Riacho Fundo II, está em São Paulo há dois meses fazendo todos os exames para a cirurgia. “Meu maior sonho é poder me recuperar e estar bem para presenciar a formatura do meu filho daqui a alguns anos”, afirmou.

Segundo o cirurgião cardiovascular José Lima Oliveira Júnior, a insuficiência renal crônica — principalmente associada à pressão alta, à obesidade, à diabetes e ao tabagismo — é o que mais atinge pacientes que precisam de um transplante. Ele explica que o tempo de espera varia muito de acordo com o estado de saúde e de algumas características do receptor. “A demanda é muito alta para esse órgão. Por isso, temos de fazer campanhas de conscientização em todo o país para ajudar quem precisa”, complementou.

Mas há esperanças. A pesquisa da ABTO mostrou que a taxa de doadores de órgãos no Brasil aumentou 3,5%, atingindo 14,6 doadores por um milhão de habitantes, em 2016. A expectativa é de alcançar 15,1 doadores por um milhão de habitantes. Segundo o cirurgião, o Brasil já conta com mais de 250 mil transplantados, desde o início da década de 1960. “A partir de 1980, houve o boom do procedimento. Hoje, fazemos uma média de mais de 34 mil transplantes por ano.”

A luta pela vida em números

· 10.158 é o número de potenciais doadores no Brasil, em 2016.
· Desses, apenas 2.981 se tornaram doadores efetivos no ano passado.
· Cerca de 71% dos potenciais doadores (7.177) foram descartados, enquanto 2.013 pessoas morreram na fila aguardando um transplante.
· Até dezembro de 2016, mais de 34 mil pessoas esperaram por um transplante: 21.264 (rim); 10.923 (córnea); 1.331 (fígado); 282 (coração); 172 (pulmão); 539 (pâncreas) e 31(rim e pâncreas)

Fonte: www.correiobraziliense.com.br

Ingestão precoce de álcool entre adolescentes do DF preocupa sociedade

Especialistas alertam sobre a importância do diálogo para que a ingestão de bebidas na adolescência não se torne excessiva e venha a causar dependência
Deborah Fortuna – Especial para o Correio
alcoolAdolescentes do DF bebem mais que a média nacional

Maria* não queria beber naquela noite, mas cedeu à pressão dos amigos e do ex-namorado. Aos 14 anos, em uma festa no apartamento de um conhecido, topou participar de uma brincadeira com bebida alcoólica. A cada rodada, uma pessoa fazia uma confissão sobre algo que nunca tinha feito na vida.

Saiba mais

· Número de mulheres flagradas conduzindo sob efeito de álcool cresce 1.185%
· Dois jovens e adolescente são baleados em frente à distribuidora de bebidas
Os demais deveriam ingerir uma dose de vodka pura, caso tivessem passado pela experiência. Depois de três ou quatro goles, já no fim da brincadeira, todos foram parar em outra residência, a garota não soube explicar como. Relata, inclusive, que acordou com uma blusa que não era dela.

A história não é uma exceção entre os adolescentes. Eles aceleram o processo que, legalmente, deveria começar apenas aos 18 anos. Há dois anos, a Lei nº 13.106, de 2015, tornou crime servir bebidas alcoólicas a crianças e a adolescentes.

No mesmo ano de criação da norma, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostrou que mais da metade dos estudantes do 9º ano do ensino fundamental no Distrito Federal tinham experimentado álcool pelo menos uma vez.

Leia mais notícias em Cidades

O número do DF supera a estatística nacional. Em todo o país, 55,5% dos adolescentes matriculados nessa etapa do ensino admitiram ter bebido uma dose de álcool pelo menos uma vez na vida — 4 pontos percentuais a menos do que no DF — e 18,4% confessaram ter experimentado cigarro. Mais de um quinto dos jovens de 13 a 15 anos brasileiros sofreram algum tipo de embriaguez.

Outro relato de Maria mostra como o acesso ao álcool é facilitado. Dessa vez, ela conta que, aos 15 anos, foi à festa de uma colega da escola. A regra era que apenas maiores de 18 anos recebessem uma pulseira e pudessem passar para a área do bar.

Mas a menor afirma que não foi preciso esperar muito tempo: logo, nenhum barman estava preocupado em checar quem eram as pessoas autorizadas a beber e todos os amigos aproveitaram para escolher os mais diversos drinks que constavam no cardápio.

Nesse dia, ela chegou a perder a bolsa e os sapatos. A adolescente lembra que ficou de castigo depois que a mãe descobriu a primeira aventura com a bebida. “Eu perdi a confiança da minha mãe. Depois da festa, prometi que não ia mais beber”, disse. “Mas, nessa hora, os amigos caçoam, “e fica apenas na promessa”.

Em um grupo de 12 menores entrevistados pelo Correio, apenas um afirmou que ainda não tinha ingerido bebida alcoólica ou fumado. Uma das meninas, de 17 anos, contou que o “point” é uma praça pública, com árvores, bancos de concreto e pequenos pilares para exercício, que fica próximo à unidade de ensino onde estudam.

“Quando um dos professores libera, é pra lá que a gente vai”, contou um rapaz. A compra é feita em uma distribuidora de bebidas que não exige nenhum documento dos jovens clientes. De acordo com a adolescente de 17 anos, os amigos ficam tão alcoolizados que é necessário esperar algumas horas até que todos estejam em condições de voltarem para casa. “Eu não sei como que todo mundo consegue ver o número do ônibus ou em qual está entrando”, admitiu.

A diretora de uma das escolas também confirma problemas com alunos que passam dos limites. Para ela, os principais são os que envolvem adolescentes de até 15 anos. Uma menina, inclusive, levou garrafa de bebida para dentro da área escolar. Segundo a diretora, o comum é que eles se afastem do colégio para ter mais privacidade.

Porém, quando alguém passa mal por conta dos efeitos do álcool, é a escola o lugar para o qual recorrem. “Eles trazem o amigo que está mal e nós chamamos os responsáveis para que eles levem o aluno ao hospital”, contou.

Entre um trio de adolescentes ouvidos pelo reportagem, todos tinham experimentado alguma bebida, apesar de duas moças não fazerem uso frequente. O rapaz, de 17 anos, contou que também fuma. Eles relataram que os colegas de sala têm um grupo no aplicativo de mensagens WhatsApp e que é por meio dele que geralmente marcam um encontro depois da aula.

Como alguns amigos têm 18 anos, a compra é feita pelos mais velhos. Em uma ocasião, um aluno passou tão mal em uma praça que os próprios moradores das quadras próximas reconheceram o uniforme e avisaram a instituição. “Ele chegou a vomitar em cima do vice-diretor da escola”, contou o adolescente.

Questão social

A principal preocupação com relação ao uso do álcool, segundo especialistas, são os efeitos que a ingestão precoce dessas bebidas podem causar no futuro. “Não é uma coisa da juventude e que depois passa”, observa o sociólogo e especialista em segurança no trânsito Eduardo Biavati.

Os problemas envolvem não apenas o desenvolvimento da dependência física, mas também a criação de hábitos perigosos, como o de dirigir sob o efeito da bebida. Para Biavati, se trata de um problema de saúde pública e que a sociedade precisa aprender a lidar com as transformações pelas quais se passa durante a adolescência — começar a beber, aprender a dirigir, ser aceito pela turma.

Nesse sentido, a família tem papel fundamental, alerta o especialista. Segundo ele, é na pré-adolescência que os pais devem fiscalizar e conversar com os menores, pois, mais tarde, o controle pode se tornar mais difícil.

“Os pais vão fazer o quê? Ir para as festas? Para as boates? Isso não é realista. A gente consegue ter indícios conversando com os amigos dos filhos e das filhas, falando sobre os amigos. Às vezes, a criança não fala dela, mas fala dos amigos. É muito difícil fazer parte de um grupo e não compartilhar os hábitos dele”, aconselha.

A psicóloga e especialista na área de drogas na adolescência Maria Fátima Olivier Sudbrack acrescenta que a questão do álcool não é apenas culpa dos jovens, mas da sociedade como um todo.

Segundo ela, a cultura brasileira aceita a bebida como natural e estimula cada vez mais o consumo, mesmo entre os menores. Muito do incentivo vem da própria família ou mesmo da pressão dos amigos, para que o adolescente possa se sentir parte de um grupo.

De acordo com Maria Fátima, nessa idade, os amigos são as pessoas que mais influenciam, mas isso não tira a responsabilidade ou mesmo o consentimento dos próprios pais.

“Tem gente que diz que o filho virou homem porque tomou o primeiro porre. Nós chamamos isso de alcoolização da juventude. Não estou querendo que a gente tenha apenas uma visão repressora, mas é uma questão de conscientização e prevenção e de repensar o que estamos mostrando para eles”, explica.

Justiça

A Seção de Apuração e Proteção (Seapro) da Vara da Infância e da Juventude do Distrito Federal é responsável por fiscalizar locais onde haja o ingresso de crianças e adolescentes desacompanhados, como cinemas, shows e casas noturnas.

Com isso, eles permitem o alvará e iniciam um processo de conscientização com bares e ambulantes para que a venda de bebida ou cigarro seja proibida a menores.

Caso seja constatado que a criança conseguiu comprar álcool dentro do ambiente, os produtores são penalizados. Se houver flagrante, o vendedor é levado à delegacia e responde a processo criminal. O trabalho com os menores, por sua vez, é educativo, por meio de diálogo e de orientação.

* Nome fictício em respeito ao Estatuto da Criança e do Adolescente.

Site -> www.correiobraziliense.com.br 

Pesquisa encontra relação entre transtornos de borderline e adicções

Nos relacionamentos aditivos, a necessidade de garantir a presença do outro pode ter um padrão similar à dependência de uma droga

Por Ivanir Ferreira – Editorias: Ciências da Saúde
Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail
“A suplicante”: imagem da escultura de Camille Claudel
borderline.Pesquisa do Instituto de Psicologia (IP) da USP detecta inter-relação entre distúrbios de borderline, problema psíquico que afeta pessoas que estabelecem relações afetivas turbulentas e destrutivas, e comportamentos adictivos, quando indivíduos criam vínculos de dependência com drogas, jogos, objetos e com o outro. O trabalho traz novos conhecimentos sobre doenças de saúde mental e contribuirá para uma melhor intervenção de atendimentos de pacientes que sofrem com o problema.

Conhecidas pelas oscilações de humor, relacionamentos turbulentos, impulsividade e sentimento constante de ameaça pela perda de amigos, familiares ou pessoa amada, pessoas com este perfil psicológico não só sofrem por não controlar suas próprias emoções mas também pelo estigma social que a doença lhes traz. Segundo o psicanalista Marcelo Soares da Cruz, autor da pesquisa, os que vivem este drama são vistos como pessoas mimadas, destrutivas e inconsequentes. Embora sejam difíceis de lidar, precisam receber tratamento adequado e serem acolhidas. Agem por necessidades emocionais profundas e concretas, não por mero capricho.

Tendo como base dados clínicos, o psicoterapeuta analisou três casos concretos: uma mulher de 35 anos, um adolescente de 14 e um homem de 32. Conhecendo a história de vida destes pacientes, foram diagnosticados como tendo características de ambos os transtornos, borderline e adicção. A pesquisa “chegou à compreensão de que o sofrimento borderline carrega um traço de adicção inerente. Uma ‘fissura’ maciça pelo outro, a fim de garantir sua presença, nos moldes do uso de uma droga, que tem que ser repetidamente buscada”, explica Cruz.

Marcelo Soares Cruz: “A psicoterapia vai construir uma experiência emocional e relacional mais estável com o outro”, – Foto: Arquivo pessoal de Marcelo Soares Cruz
Marcelo Soares Cruz: “A psicoterapia vai construir uma experiência emocional e relacional mais estável com o outro”,
borderline-pisicoterapeutaDos três pacientes, a mulher chegou ao consultório com uma história de vida bastante conturbada. Com apenas 32 anos, já tinha passado pela experiência dolorosa de 35 internações em clínicas psiquiátricas. Todas por tentativas de autolesão (pular de uma janela alta, ligar o gás na tentativa de se asfixiar e ou sair do carro em movimento). “Ela recorria a expedientes que tentavam provocar no outro uma aproximação.” Para o psicoterapeuta, é uma desesperança no vínculo afetivo. Os atos contundentes buscam essencialmente a manutenção da ligação, na forma de um vício ao outro, afirma.

Embora fosse casada, a mulher buscava freneticamente outros relacionamentos pela internet, mas sem intenção de traição conjugal. O psicoterapeuta percebeu que ela desejava apenas aferir o interesse de outras pessoas por ela. Nos prontos socorros, frequentava hospitais para contrair doenças e ser posteriormente cuidada por seus familiares. Na fantasia de sua cabeça, “estar doente significaria ter a garantia da presença do outro”, explica.

Tanto o adolescente como a mulher faziam conjuntamente acompanhamento psiquiátrico. A psicoterapia trabalhou na linha de construção de uma experiência emocional e relacional mais estável. O objetivo era restituir, abrigar e significar falhas importantes ocorridas na primeira infância ou que tinham sido desencadeadas por acontecimentos traumáticos vividos pela pessoa, afirma Cruz.

O acompanhamento psicoterapêutico deu resultados positivos. A paciente, que nunca havia trabalhado, teve uma primeira experiência de atividade profissional, passou a ser uma pessoa mais organizada e começou a ter mais autonomia, “conquistas viabilizadas pela construção da experiência de permanência interna dessas figuras, em detrimento das fantasias de ruptura tão proeminentes em sua vida anterior”. Em meio ao tratamento, lendo o livro O Pequeno Príncipe, a paciente se identificou com a rosa que era bastante solitária no mundo. “Ela encontrou suporte na obra de Antoine de Saint-Exupéry e conseguiu dar sentido e verbalizar seu sofrimento”, avalia o pesquisador.

info-borderline-disturbiosA tese Adição ao outro em pacientes fronteiriços: um estudo psicanalítico foi orientada pela professora Leila Salomão de la Plata Cury Tardivo, do Instituto de Psicologia (IP) da USP, e pode ser acessada na íntegra neste link.

Mais informações: e-mail marceloscruz@usp.br, com Marcelo Soares da Cruz.
Site: http://jornal.usp.br/

Bebê de três meses é internado após usar protetor solar da Peppa Pig

Uma foto com o resultado da alergia foi compartilhada pela mãe do menino. Especialistas alertam para os cuidados com a pele de bebês

image001-22Hellen Leite
Reprodução/Facebook

Um bebê de três meses precisou ser internado por apresentar uma reação alérgica após usar um protetor solar fator 50 da Peppa Pig, fabricado pela empresa Cancer Council Australia. A mãe do bebê, Jessie Swan, relatou o caso nas redes sociais.“Não compre esse protetor solar. Ele não estava no sol, ele estava simplesmente ao ar livre. Então, eu coloquei o protetor nele só para prevenir”, declarou a mulher, que publicou uma foto do bebê na página da fabricante.

Entre os comentários da publicação, alguns pais também reclamaram que seus filhos apresentaram uma reação semelhante ao produto, mas não na mesma intensidade do bebê de três meses de Jessie Swan. A empresa respondeu o post da denúncia e disse que abrirá uma investigação para saber quais foram as causas da alergia. “Nós gostaríamos de tranquilizar todos que nosso protetor solar foi formulado para ser adequado para a pele delicada”, afirmaram.
Peles sensíveis, cuidado redobrado

O caso aconteceu na Austrália, mas serve de alerta aos pais do mundo inteiro. De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia e a Academia Americana de Dermatologia e Pediatria, o uso de protetores solares deve ocorrer apenas após os seis meses de idade. No entanto, cada produto e país têm a própria especificação de idade. No consenso de foto proteção, o indicado para esta idade é a não exposição direta ao sol, uso de roupas, chapéus, sombrinhas para a proteção solar.

O médico dermatologista e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia Leonardo Spagnol Abraham afirma que a pele da criança é muito mais sensível ao dano solar. A exposição sem cuidados, segundo o especialista, pode provocar queimaduras solares com mais facilidade. “Estas queimaduras solares na infância estariam relacionadas ao aparecimento de cânceres de pele no futuro, como o melanoma (o tipo mais perigoso) ou os carcinomas (os mais comuns)”, comenta.

O médico orienta que, no caso de reações alérgicas, o ideal é interromper imediatamente o uso do produto. “É recomendável lavar o local abundantemente com água e sabão neutro para retirar o excesso do produto e em casos graves levar à emergência”, explica.

No caso de queimaduras leves, o profissional diz que a hidratação da pele com produtos gelados pode ser o suficiente. Em casos mais graves, a internação em centros especializados de tratamento de queimados pode ser necessária. “Uma pequena área de queimadura em uma criança pode representar uma grande porcentagem de sua superfície corporal, tornando-a um paciente (em estado) grave. Por exemplo: uma queimadura na face, tronco e face anterior dos braços pode representar uma queimadura em 45% da superfície corporal de um bebê”, alerta.
Site;www.correiobraziliense.com.br

DF registra primeira morte por chicungunha

Caso foi notificado em Sobradinho. Este ano, ocorreram 153 contaminações na capital federal, um aumento de 800% em relação ao ano passado. Doença causa fortes dores articulares e pode deixar graves sequelas
» OTÁVIO AUGUSTO
Publicação: 04/12/2016 04:00
Para especialistas, a única forma de controlar as doenças transmitidas pelo Aedes é combatendo o mosquito (Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
image001-14

Para especialistas, a única forma de controlar as doenças transmitidas pelo Aedes é combatendo o mosquito

A duas semanas do início do verão, em 21 de dezembro, autoridades sanitárias estão em alerta para as infecções transmitidas pelo Aedes aegypti. O mosquito volta a causar temor e traz novas nuances: a chicungunha, segundo pesquisadores, pode provocar uma grande epidemia no país. A capital federal contabiliza três anos de alta nos registros da doença. O crescimento chega a 800% entre 2015 e 2016. A Secretaria de Saúde confirmou a primeira morte pelo mal no Distrito Federal. Outra situação ilustra o agravamento do problema. Um paciente tenta se aposentar por complicações crônicas desencadeadas pela chicungunha. Ao mesmo tempo, a dengue e o zika deixam panorama ainda mais pessimista — nunca ocorreram tantas contaminações.

Seis regiões administrativas concentram 55% dos casos de chicungunha, uma doença que chegou ao DF em 2014 de maneira discreta. Ocorreram, neste ano, 153 infecções, sendo 22 em Ceilândia (veja infográfico). Das bancadas do Laboratório Central (Lacen) e das estatísticas da Vigilância Epidemiológica, surge somente uma saída para frear o avanço dos estragos causados pelo Aedes: a prevenção. Para isso, é essencial destruir focos nos quais o mosquito possa se desenvolver. “Não temos alternativas, a não ser combater o vetor, ou seja, o mosquito. Para termos diminuição de casos das doenças, precisamos reduzir também a presença do Aedes”, pondera a gerente de doenças crônicas e agravos transmissíveis da Secretaria de Saúde, Cristiane Resende.

O homem que morreu com complicações de chicungunha recebeu atendimento em Sobradinho. Na cidade, foram registrados nove casos — alta de 350% em relação ao ano passado, quando ocorreram duas notificações. “O dado ainda não está no Boletim Epidemiológico, mas entrará na próxima edição. Confirmamos o óbito há pouco mais de uma semana. Houve uma investigação, mas o local de infecção é desconhecido”, comenta Cristiane. Ela prefere não fazer previsão para a doença em 2017. “Trabalhamos com vigilância e registro de casos, não podemos fazer previsões”, pontua.

Um outro paciente — que não teve a identidade divulgada — entrou com pedido de aposentadoria no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Ele alega que desenvolveu danos nas articulações e ficou impossibilitado de trabalhar. O caso é investigado por uma junta médica e pelo Lacen. A farmacêutica especialista em biosaúde do Lacen Graziela Araújo acompanha a apuração no laboratório. “Há, realmente, a possibilidade de se desenvolver dores crônicas. Algumas pessoas, meses depois, nem sequer conseguem digitar no celular”, detalha.

Alerta
A ciência explica que alguns vírus, como os da dengue, da chicungunha e do zika, alastram-se com facilidade porque os mosquitos se contagiam ao picar animais infectados, como os macacos e os pássaros silvestres. Atualmente, são conhecidos 34 arbovírus no país. Os cientistas os classificam de acordo com o tipo de síndrome febril que provocam e a gravidade dos acometimentos. “Em média, levamos três dias para fazer o diagnóstico da doença. Analisamos, laboratorialmente, a presença do vírus quando a chicungunha está no início ou na produção de anticorpos, após a fase aguda da infecção. Por isso, a necessidade de atendimento precoce”, explica Graziela.

Antônio Bandeira, do Comitê de Arboviroses da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), destaca a alta velocidade de transmissão que a chicungunha tem mostrado. Ele analisou a situação epidemiológica do DF. “Espera-se uma mortalidade menor, mas a doença é extremamente incapacitante. Mais da metade dos pacientes ficam com problemas crônicos. Uma verdadeira legião de sequelados”, ressalta. E emenda. “O vírus pode se multiplicar e trazer alterações imunológicas, desenvolvendo anticorpos que agridem o corpo e provocam a inflamação”, conclui.

Casos importados

As primeiras infecções no DF ocorreram em 2014. Inicialmente, quatro pessoas tiveram chicungunha. O vírus, segundo a Secretaria de Saúde, foi trazido da República Dominicana, do Haiti e de Barbados (ilha na América Central). Três moradores da Asa Sul, sendo um casal, e um do Lago Norte foram os contaminados. Entre os pacientes, estava uma missionária religiosa. O tratamento, à época, ocorreu no Hospital Regional da Asa Norte.

Mayaro no Entorno

A Secretaria de Saúde de Goiás confirmou um caso de mayaro em Luziânia, distante 50km do Plano Piloto. A doença trilha caminho para ser o próximo vírus a se urbanizar e causar epidemias. Assim como o zika e a dengue, o “parente próximo” da chicungunha causa surtos de uma síndrome febril aguda, que causa dor nas articulações, tontura, náuseas, fotofobia e dor lombar. Os sintomas duram de três a cinco dias, mas as dores na articulação podem se prolongar por semanas. Em Goiás, do ano passado até o início de março, a Secretaria de Saúde notificou 70 casos da doença. O Laboratório Central (Lacen) passou a realizar o diagnóstico há duas semanas. Antes, o teste era feito somente no Instituto Evandro Chagas, no Pará.

Para saber mais

Epidemia devastou ilha

Tudo começou em fevereiro de 2005. Médicos alertaram as autoridades sanitárias de que pacientes estavam sentindo fortes febres, acompanhadas de dores articulares agudas. A Ilha Reunión, no Oceano Índico, decretou a epidemia de chicungunha em 2006. Mais de 260 mil pessoas tiveram a doença, sendo que 225 morreram. O lugar, que era roteiro paradisíaco para o ecoturismo, deu lugar a uma onda de ostracismo e pânico. A economia local desacelerou bruscamente. Em alguns distritos, até mesmo os médicos adoeceram. No início da epidemia, os profissionais confundiam o diagnóstico com uma “forte gripe”. Mais tarde, a luta contra o vírus se tornou causa nacional. Os casos de “l’homme courbé” (na África, chicungunha significa homem que se curva, em referência à postura dos pacientes) foram a maior crise de saúde pública em Ilha Reunión. Depois disso, o número de casos diminuiu drasticamente.

Dengue e zika preocupam

Publicação: 04/12/2016 04:00
Pedro Tauil, especialista em controle de doenças e epidemiologia: essas doenças carecem de aprimoramento de diagnóstico, tratamento e prevenção (Carlos Vieira/CB/D.A Press)

Pedro Tauil, especialista em controle de doenças e epidemiologia: essas doenças carecem de aprimoramento de diagnóstico, tratamento e prevenção

Temendo perder completamente o controle da situação com o avanço da dengue e do zika, doenças que registraram recorde de infecções em 2016, a Secretaria de Saúde acompanha semanalmente a evolução dos casos. A dengue nunca infectou tanto na capital federal: são 21.162 notificações. O zika acometeu 174 pessoas, sendo 26 gestantes. A doença avançou 4.250% em um ano. Dois bebês morreram com agravos do mal e um caso continua em investigação. “Temos que acompanhar essas crianças até os 3 anos. Pode haver casos de microcefalia tardia”, argumenta a gerente de doenças crônicas e agravos transmissíveis da Secretaria de Saúde, Cristiane Resende.

O cronograma de combate ao Aedes aegypti da Secretaria de Saúde conta com 2 mil agentes comunitários de saúde, 546 agentes de vigilância ambiental em saúde, 220 homens das forças armadas, 40 bombeiros, além do reforço de servidores do Serviço de Limpeza Urbana (SLU), da Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap) e das administrações regionais. Mesmo com o esforço, Antônio Bandeira, do Comitê de Arboviroses da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), é pessimista em relação ao controle. “Se houver uma redução de casos, nada tem a ver com ação direcionada. O que pode acontecer é que o número de pessoas imunizadas aumente e as vulneráveis diminua, já que chicungunha e zika se contraem apenas uma vez”, completa Antônio.

Este ano, por dia, o DF registrou 63 novos casos de dengue — média inédita, superando até mesmo as epidemias de 2010 e de 2013. O crescimento da doença chega a atingir 978% ante o ano passado, como em Brazlândia, que saltou de 180 casos para 1.942. Para Pedro Tauil, do Núcleo de Medicina Tropical da Universidade Brasília (UnB), os números deixam um legado. “Essas são doenças que carecem de aprimoramento de diagnóstico, tratamento e prevenção. Precisamos investir na possibilidade de vacina. O tratamento atual é muito difícil, com uso de antivirais, drogas que não temos muitas para usar”, avalia o especialista em controle de doenças e epidemiologia.
Site: www.correiobraziliense.com.br

Ameaça à saúde no Lago Paranoá

Problemas podem variar de alergias a doença mais grave no fígado. Ibram e Adasa prosseguem investigação sobre proliferação de cianobactérias
» THIAGO SOARES
Publicação: 04/12/2016 04:00
Peixes mortos foram retirados do local interditado. Também era possível encontrar detritos ao longo da margem (Carlos Vieira/CB/D.A Press – 21/11/06)
image001-13

Peixes mortos foram retirados do local interditado. Também era possível encontrar detritos ao longo da margem
Autoridades continuam a investigar as causas da proliferação de cianobactérias no Lago Paranoá. Equipes do Instituto Brasília Ambiental (Ibram) e a Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa) rastreiam dutos pluviais a fim de identificar vestígios de lançamento de esgoto diretamente na água. No entanto, até o momento, nada foi detectado. Além de acarretar mortes de peixes, a contaminação pode afetar a saúde dos banhistas e de quem consome animais pescados no local. As consequências podem ser desde simples alergias até problemas mais severos no fígado. Por isso, enquanto a causa do problema na água não for detectada, os banhos e a pesca continuam suspensos por tempo indeterminado no trecho entre o Pontão do Lago Sul e a foz do Riacho Fundo.

Os órgãos garantem que o restante do lago não está contaminado e que também não existe possibilidade de expansão das cianobactérias. Leonardo de Lima, 75 anos, chegou a Brasília na época da construção da barragem e já tirou dali muitos peixes. Próximo da Ponte das Garças, um dos locais apontados como impróprios para a pesca, o funcionário público pratica o esporte. Foi de lá também que, em 16 de novembro, equipes do Serviço de Limpeza Urbana (SLU) retiraram 70 sacos de peixes mortos.

Leonardo de Lima costuma pescar na região e lamenta a situação:

Leonardo de Lima costuma pescar na região e lamenta a situação: “É muito triste ver o lago dessa maneira”
“É uma situação triste ver o lago dessa maneira. Vi muitos peixes mortos por aqui. Está melhorando um pouco, mas ainda não é ideal. Esse peixe daqui, eu não consumo, apenas pesco por lazer. Vejo isso tudo como parte de um abandono do nosso lago. É possível ver muito lixo nas margens”, reclama Leonardo. Nas margens onde ele pesca, a cada 5 metros, é possível ver peixes mortos. Antes da proliferação da cianobactéria, ele conta que pegava peixes em poucos minutos. Agora, quem pesca por ali precisa esperar um bom tempo até ter sucesso.

Cuidado
Os riscos da presença das cianobactérias nas águas podem ser diversos, segundo a doutora em microbiologia Janaina Rigonato, especialista em cianobactéria do Centro de Energia Nuclear na Agricultura da Universidade de São Paulo (USP). “Em condições de floração, que é quando ocorre essa proliferação, elas liberam uma toxina que pode acometer peixes e outros animais que consomem essa água”, detalha. Segundo ela, isso pode explicar a grande mortandade de espécies. A cianobactéria também pode ser prejudicial à saúde humana. “Elas podem acarretar desde reações alérgicas, afetar os órgãos nervosos e até provocar problemas nos rins. O ideal é que, uma vez detectada a presença de cianobactérias em reservatórios, lago ou rio, seja interrompida qualquer atividade no local, seja banho, seja pesca, seja captação, até que os níveis voltem ao normal.”

A especialista explica ainda que esses microrganismos estão presentes usualmente em ambientes aquáticos, mas dentro de uma proporção aceita pelo Ministério de Saúde. A proliferação em excesso configura o problema. As causas podem ser o lançamento de esgoto irregular ou o escoamento de produtos agrícolas no solo, por exemplo. “Esses lançamentos aumentam a produção de nitrogênio e de fósforo nas águas, o que acarreta um fenômeno chamado de floração, que é quando ocorre um crescimento exagerado das cianobactérias. A consequência é água em tom esverdeado e até com bolhas e também a morte de peixes, devido à baixa de oxigênio no local”, relata Janaina.

Na avaliação do doutor em recursos hídricos da Universidade de Brasília (UnB) Sérgio Koide, a situação do Lago Paranoá é consequência da ocupação urbana desordenada na capital do país. “Houve crescimento de áreas habitacionais e, com isso, o lançamento de esgoto e ligações clandestinas no espelho d’água e em seus afluentes, como o Riacho Fundo e o Córrego Bananal. É preciso investimento e controle dessas expansões ao longo da bacia do Paranoá”, afirma.

O superintendente de estudos e monitoramento do Ibram, Luiz Rios, detalhou que a mancha tem diminuído significativamente com as últimas chuvas. “Não quer dizer que o problema foi superado. O lago aumentou o nível em seis centímetros, e isso também ajuda na diminuição da matéria orgânica. Estamos monitorando toda a extensão e não há risco de que a área contaminada aumente, pelo contrário, a tendência agora é diminuir”, disse.
Esporte comprometido

» GLÁUCIA CHAVES
Publicação: 04/12/2016 04:00
A contaminação do lago por cianobactérias tem afetado a prática de esportes no local e, consequentemente, os pequenos negócios que funcionam às margens. O microempreendedor Rafael Sampaio, 29 anos, é idealizador do projeto Surf do Cerrado e participou do protesto de cerca de 20 surfistas e outros esportistas em 25 de novembro na Praça do Buriti, para cobrar do governo de Brasília providências para a despoluição. Ele e o sócio Sérgio Marques, 36, têm amargado manhãs solitárias. São poucos os interessados em aprender a surfar ou a praticar Stand Up Paddle (SUP). Antes da divulgação do boletim sobre as algas do lago, ele conta que atendia, em média, 200 pessoas por sábado. “Diminuiu bastante o número de pessoas. Até aquelas do nosso círculo do esporte estão deixando de vir. A situação está bastante preocupante”, comenta Rafael.

Os dois mantêm a base de atividades próximo à Ponte das Garças, um dos locais apontados pela Adasa e pelo Ibram como perigosos para banho. “Todos que dependemos do lago de alguma forma estão tendo prejuízos”, lamenta. “O que podemos fazer é cobrar dos responsáveis soluções imediatas, para não deixar o problema se agravar. Até agora, não tem nenhum trabalho em prol da limpeza. Em vez disso, só colocaram placas de proibido nadar”, completa.

Mesmo com as placas de sinalização, algumas pessoas se arriscavam nas águas do Paranoá. O mecânico Eduardo Ximenes, 31 anos, testava o motor de seu jet ski. “Sempre venho ao lago e notei que a tonalidade da água está bem mais escura”, comenta. “Perto da ponte, tem muitos peixes mortos. Quando você anda na margem, sente um mau cheiro também”, diz.

Os amigos dele Daniel Assis Sales, 32, e o técnico em segurança do trabalho Diego Costa Oliveira, 34, não tiveram coragem de entrar no lago e acompanharam de longe. Para Daniel, não foi só a má qualidade da água que afastou os visitantes, mas também a falta de estrutura da orla. “Aqui em Brasília é tudo mal fiscalizado. Isso (a poluição do lago) é só mais uma consequência da má administração.”

De acordo com o instrutor de SUP Jackson Sousa, 40, a diminuição do público se deu, também, devido ao período de chuvas. “Só as chuvas já diminuem naturalmente a quantidade de pessoas. Coincidiu, infelizmente, com esse laudo”, avalia. O microempreendedor Lucas Duarte, 18, também notou a queda de clientes. Ele acredita que falta informação sobre a realidade do lago. “O público acha que o lago inteiro está afetado, mas não está. Agora, é tentar correr atrás do prejuízo, porque não tem como não usar o local, ele é para todos.”

Chicungunha: mortes entre jovens preocupam

Diretor da Fiocruz de Mato Grosso do Sul, o infectologista estuda o avanço da letalidade da doença. A instituição do Rio fará um seminário sobre o assunto na quinta e na sexta-feira

Por que devemos nos preocupar com a Chicungunha no próximo verão?
Não é uma doença tão banal quanto imaginávamos. É preocupante, porque está matando quase tanto quanto a dengue. Antes, os especialistas diziam: “a dengue mata, a chicungunha aleja e a zika causa má-formação”. Hoje a gente vê que tanto dengue quanto chicungunha matam. E que zika não causa só microcefalia.
E o Rio pode ter uma epidemia?
Se eu já tive contato com o vírus da chicungunha, não terei novamente a doença. É uma vacinação natural. Como a circulação do vírus no Sudeste, de um modo geral, foi muito pequena no verão passado, significa dizer que o percentual da população que foi imunizada também é baixo. Ou seja: a quantidade de pessoas suscetíveis a adquirir a doença, uma vez infectadas, é muito grande. Nosso risco é que a epidemia em curso em 2016, que deu uma arrefecida nos meses mais secos e frios, retorne com uma carga maior no verão, com a chegada das chuvas e do calor, em especial no Rio.
Por que a febre chicungunha está matando tanto?
Se a gente descobrir, vai aliviar nossas consciências e preocupações. Ainda não sabemos.
E para qual parcela da população há maior risco?
Sabemos que o risco é maior para pessoas idosas e portadoras de alguma doença de base, de problema cardíaco ou renal. E descobriu-se também que recém-nascidos adquirem a doença da mãe nos últimos dias de gestação. Se a mulher grávida tem chicungunha a uma semana, cinco dias, três dias de o bebê nascer, a probabilidade de a criança nascer com a doença é muito grande. E tendem a ser casos graves. Mais ou menos 50% desses bebês costumam ter chicungunha em formas graves. Uma parcela substancial vai a óbito.
Então o risco é maior para os mais velhos e para grávidas?
Só que estamos observando no Brasil um perfil também adicional de pessoas morrendo na faixa de 20 a 30 anos, sem história alguma de doença de base. Não temos explicações ainda. Estão sendo feitos levantamentos. Algumas observações mostram que boa parte desses jovens morre de insuficiência renal aguda. Embora não tivessem anteriormente relato de doença renal.
Pode ser alguma complicação durante o tratamento?
A gente sabe que o vírus na fase aguda se multiplica em vários órgãos do nosso corpo, como coração, pulmões e rins. Não sabemos se ele é potencializado ou não por uma predisposição familiar ou genética que não tinha aflorado ainda, e por isso não havia relato de doenças anteriores (naquele paciente), ou simplesmente potencializado por uma medicação que sabidamente pode complicar os rins, por exemplo, como os anti-inflamatórios. O Ministério da Saúde tem acompanhado isso.
Só é possível ser contaminado pela picada do “Aedes aegypti”?
A pessoa adquire chicungunha principalmente, mas não exclusivamente, por meio da picada da fêmea do mosquito Aedes aegypti. Há relatos de suspeita de transmissão pela transfusão sanguínea. Há detecção de material genético do vírus chicungunha em amostras de sangue de doadores saudáveis, sem quaisquer manifestações clínicas. O percentual dos infectados que desenvolvem a manifestação clínica da doença é sempre muito elevado, pelo que tem sido documentado até agora. Ao contrário da zika, em que há relatos de que somente de 20% a 25% desenvolvem alguma manifestação clínica, na chicungunha, de 70% a 80% das pessoas, uma vez infectadas, desenvolverão uma manifestação clínica.
Quais são estas manifestações clínicas?
Cem por cento dos doentes têm febre alta, de início agudo, quase sempre acompanhada de dores e inchaço nas articulações, de pés, tornozelos, punhos, mãos e cotovelos. Há um percentual de doentes, que varia de epidemia para epidemia, com manifestações cutâneas, principalmente no tronco, acompanhadas de coceiras. No caso de crianças, o comprometimento dermatológico pode surgir na forma mais grave, com lesões vesiculares e bolhosas, que podem infectar. Recentemente, têm sido catalogadas uma frequência cada vez maior de algumas formas atípicas, como casos de comprometimento cardíaco agudo, do sistema nervoso central, oftalmológico, meningoencefalite e insuficiência renal aguda.
Como diferenciar a febre chicungunha da dengue, por exemplo, já que nos dois casos há febre alta e dores?
A diferença fundamental é que na chicungunha as dores articulares são de tamanha intensidade que podem impedir a pessoa de levantar-se da cama sozinha e pentear os cabelos. As dores da dengue são mais musculares.
Por quanto tempo a pessoa pode ficar sentindo estas dores?
http://cache-img1.pressdisplay.com/pressdisplay/docserver/getimage.aspx?regionguid=512da4e7-f1b9-4dfe-b88b-b4b8e5d53226&scale=39&file=e6102016112900000000001001&regionKey=OT12mM8hL3NOBdnJRmHwIQ%3d%3d
A doença dura, dependendo da idade do doente, de seis a oito meses. Acima dos 45, 50 anos, a pessoa fica de seis a oito meses convivendo com as dores. Tem gente que fala: “doutor, nunca mais eu fui igual”. Isso um ano depois. Infelizmente, quanto mais velho, pior.

Casos de meningite crescem 75% no DF

Nos primeiros meses de 2016, houve 14 infecções e seis mortes. Desde que a vacina passou a ser disponibilizada no SUS, a doença vinha numa tendência de queda. Mas a Vigilância Epidemiológica nega que haja surto. Em 2017, haverá mudança na imunização

» OTÁVIO AUGUSTO
Infectologistas do Lacen fazem análise das amostras de pacientes para confirmar a infecção (Marcelo Ferreira/CB/D.A Press – 18/12/15)
image001-17

Infectologistas do Lacen fazem análise das amostras de pacientes para confirmar a infecção

O ano nem acabou e a capital federal já superou em 75% o número de casos de doença meningocócica, a meningite, em relação a todo o ano passado. Até novembro, 14 pessoas tiveram a doença e seis morreram. Em 2015, ocorreram oito infecções e sete mortes. Essa é a primeira alta em três anos (leia Alerta). A Secretaria de Saúde nega que o DF viva um surto. A Vigilância Epidemiológica, porém, está alerta e acompanha a situação, atualizando os dados semanalmente. Em 2017, haverá alteração no calendário vacinal do Sistema Único de Saúde (SUS) a fim de frear o avanço da doença.

O mapeamento das autoridades sanitárias mostra uma concentração de casos em pessoas entre 10 e 19 anos e em crianças menores de 1 ano. As investigações, segundo a Vigilância Epidemiológica, não comprovam a ligação entre os casos. Regiões administrativas como Estrutural, Gama e Riacho Fundo notificaram dois casos cada uma. Ceilândia, Sobradinho e Lago Norte também registraram uma situação cada. A doença meningocócica tem início abrupto e evolução rápida, podendo levar ao óbito em 24 a 48 horas.

A infecção das meninges (membranas que envolvem o cérebro e a medula) pode ser provocada por vírus, mas a forma mais comum é causada por uma bactéria — o meningococo. O período de incubação é, em geral, de dois a 10 dias — em média, de três a quatro dias. O Boletim Epidemiológico de Doenças Imunopreveníveis emitido pelo governo garante que nos últimos anos houve redução da variação mais letal. Pelo menos na última década não houve surto. As amostras dos pacientes infectados são encaminhadas ao Laboratório Central (Lacen) para confirmação dos casos. Lá, infectologistas identificam o tipo da doença e encaminham os resultados para a Vigilância Epidemiológica.

Os sintomas iniciais são febre alta, náuseas, vômitos e rigidez dos músculos da nuca. O doente não consegue encostar o queixo no peito e deve ser hospitalizado imediatamente. Como é transmitida por espirro, tosse ou fala, é importante a notificação. Os corpos das vítimas passam por quimioprofilaxia — procedimento realizado para evitar que a bactéria, altamente contagiosa, espalhe-se pelo ambiente. “É uma doença difícil de diagnosticar. As manifestações iniciais podem ser confundidas com uma infinidade de outras doenças”, ressalta a gerente de Vigilância Epidemiológica, Priscilleyne Reis.

Este ano, a Secretaria de Saúde publicou um alerta para o aumento de casos de doença meningocócica no Distrito Federal. O documento ressalta a predominância do sorogrupo C — ao todo, são 13 tipos e cinco são os mais frequentes —, além do reaparecimento do sorogrupo B. O texto ressalta o aumento dos casos. O alerta foi publicado em maio. “Naquele período, observamos um aumento acima da média, mas não há motivo para pânico. A doença está sob controle”, argumenta Priscilleyne.

Imunização

A meningite é uma doença respiratória. Há casos em que a pessoa tem a bactéria na garganta, mas que não desenvolve a infecção. Mesmo assim, são transmissoras. No primeiro ano de cobertura vacinal, o governo percebeu um recuo de 50% dos casos. No ano que vem, a faixa etária entre 12 e 13 anos também vai receber doses do imunobiológico Meningo C. “Esse é o grupo que está tendo o maior número de situações”, detalha a gerente de Vigilância Epidemiológica.
Há seis anos a vacina disponibilizada no SUS reduziu o número de doentes. No período, a doença meningocócica fez 123 vítimas. Entretanto, no ano passado houve falhas na vacinação (veja Memória). “Na prevenção, trabalhamos o alerta. Se tiver um atendimento rápido e uma boa suspeita clínica, o paciente fica bem. A vacina entrou no calendário anual em 2010 e a gente vem tendo uma redução dos casos”, pondera.

Memória

Os problemas da imunização

Na edição de 29 de outubro de 2015, o Correio denunciou a falta de vacinas nas redes pública e particular da capital federal. Entre as que estavam em escassez, a Pentavalente, a Hexavalente e a Meningo B, que protegem da meningite e outras infecções. Na época, a justificativa seria problemas na fabricação por falta do princípio ativo. O problema se arrastou por pelo menos seis meses. O Executivo local, desde então, assegura o abastecimento atual da rede.

Alerta

Entre 2010 e o ano passado, 123 pessoas tiveram meningite no DF

Ano Casos
2010 43
2011 21
2012 18
2013 20
2014 13
2015 8
2016* 14

*Até novembro
Fonte: Secretaria de Saúde