Voluntários doam tempo e energia em instituições sociais do DF

Por meio do voluntariado, brasilienses doam tempo e energia e, em troca, ganham gratidão e a sensação de pertencimento à comunidade
A pediatra Tatiana Fonseca da Silva atua voluntariamente no Lar de São José, em Ceilândia: “Doar nada mais é que receber”(foto: Ed Alves/CB/D.A Press )

Você tem algumas horas livres durante o dia? Que tal doar um pouco do seu tempo, energia e talento para ajudar outras pessoas? O Correio reuniu histórias de brasilienses que decidiram se doar ao outro com amor e compaixão e encontraram no trabalho voluntário realização pessoal e felicidade. Eles usam as habilidades para transformar a vida do próximo. Em troca, recebem carinho e gratidão.

“Cada vez que uma pessoa se propõe a ajudar alguém, ela pode ter a certeza de que a primeira pessoa a ser ajudada será ela mesma. Doar nada mais é que receber.” É assim que a médica pediatra Tatiana Fonseca da Silva, 41 anos, define o trabalho no abrigo Lar de São José, que recebe crianças e adolescentes em Ceilândia.

Voluntária no local há 10 anos, ela trabalhava em um centro de saúde na cidade quando atendeu uma criança do abrigo e decidiu fazer uma visita. “Foi uma acolhida muito calorosa, e nunca mais deixei de vir. Teve, inclusive, uma época em que eu consegui liberação oficial da Secretaria de Saúde para fazer atendimento regular. Fiquei um ano vindo semanalmente”, recorda-se. A profissional oferece amparo em questões médicas que vão desde aferição de pressão e medidas até consultas completas.

O Lar de São José recebe crianças e adolescentes encaminhados pela Vara da Infância, vítimas de abuso sexual, negligência familiar, abandono ou em situação de rua. A coordenadora técnica do abrigo, Ana Lúcia Antunes, trabalha no local há oito anos e conta que só conseguem realizar o trabalho graças aos voluntários. “Muitos não tinham costume de frequentar a escola, e é uma luta diária fazer com que eles assistam às aulas”, explica. Ela afirma que um dos motivos é a dificuldade na alfabetização.

Segundo Ana Lúcia, as crianças sentem faltam de pessoas que frequentem o abrigo apenas para brincar ou passar um tempo com elas, dando atenção, como faz Vinícius José de Carvalho, 25 anos. O médico veterinário conheceu o local por meio de um projeto da escola em que estudou. Logo se apaixonou e ofereceu ajuda. “Sábado de manhã é complicado. Às vezes, meus amigos saem e eu recuso para poder acordar cedo e vir. E acaba sendo muito gratificante, eu chego em casa querendo voltar para cá.”

“A gente precisa muito de ajuda e, quando alguém vem, eu fico muito feliz”, conta Igor (nome fictício), 15 anos, no abrigo há quatro anos. Ele relata que gosta de artesanato, mas o lar ainda não tem um voluntário para ensinar. “Seria legal se alguém viesse ensinar arte, ou um professor de dança”, sugere.

Superação

A bancária Karina Marques Bandeira, 32, conseguiu forças para superar um problema pessoal ajudando pessoas que precisavam. “Eu percebi que o meu problema não era nada diante de tantos outros que estavam abandonadas em abrigos e, ainda assim, conseguiam me passar amor”, conta. A moradora do Guará participa de campanhas da empresa, leva doações e faz visitas frequentes ao Lar Bom Samaritano de Águas Lindas e ao Abrigo dos Excepcionais de Ceilândia (AEC), além de levar música com o coral Tutti Choir. “Quando cantamos para elas, percebo o brilho no olho e vejo que a música tocou no interior”, admira Karina.

Isabela Messeder Fialho, 21, perdeu o movimento das pernas após dois erros médicos, em 2016, e encontrou nos chocolates uma forma de ajudar o próximo. A estudante de publicidade e de comunicação organizacional ficou cinco meses internada e, quando voltou para casa, começou a fazer bombons para presentear, em forma de agradecimento a quem a visitasse.

“Como fez sucesso, comecei a fazer para vender e, depois, meu irmão sugeriu que usássemos isso para ajudar as pessoas”, conta a jovem, que queria contribuir com uma instituição que oferecesse auxílio a pessoas que passavam pelo mesmo problema que ela. Foi assim que Isabela encontrou o Abrigo dos Excepcionais, e já arrecadou R$ 1,5 mil para a instituição em Ceilândia.

* Estagiária sob supervisão de Mariana Niederauer

Como ajudar

Existem diversas instituições espalhadas pelo DF. Confira algumas que precisam de ajuda:

Abrigo dos Excepcionais de Ceilândia (AEC)

» Fornece auxílio médico e social, além de promover atividades para pessoas com algum tipo de deficiência. A instituição atualmente precisa de voluntários da área da saúde e de pessoas que possam realizar trabalhos braçais, como pedreiros, eletricistas e bombeiro hidráulico. Interessados podem entrar em contato com a equipe psicossocial pelo telefone 3585-1905 ou por e-mail: abrigoaec@gmail.com.

Abrigo Lar de São José

» É uma entidade de acolhimento que recebe crianças e adolescentes de 0 a 18 anos encaminhados pela Vara da Infância. Profissionais da educação ou aqueles que têm facilidade em algum assunto podem se voluntariar para auxiliar nas tarefas e no acompanhamento escolar das crianças. Além disso, qualquer pessoa que deseja prestar qualquer serviço ou momento de lazer com os abrigados pode agendar uma visita pelo 3491-0265 ou lardesaojose@hotmail.com.

Associação Santos Inocentes

» A casa oferece apoio a grávidas e recém-nascidos em situação de risco, em Samambaia. Informações pelo telefone 3359-2867.

Associação Casa Santo André

» Atende pessoas em situação de rua, oferecendo apoio em diversas áreas. A entidade conta com uma padaria industrial e precisa de voluntários para dar curso de especialização em padaria de forma gratuita. Recebe pessoas dispostas a ajudar em qualquer área. Interessados devem entrar em contato pelo 3327-9390.

Fonte: www.correiobraziliense.com.br

Agosto começa com seca, mas pode trazer chuva na primeira quinzena

Segundo o Inmet, o mês de agosto tende a ter temperaturas altas e umidades baixas, mas isso não descarta a chance de chuva nos primeiros quinze dias

Sol forte e seca devem marcar o mês de agosto em Brasília, mas chuvas não são descartadas (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

Quem já está acostumado com o clima de Brasília sabe que em agosto a seca castiga. Neste mês, predomina a baixa umidade, provocada pela massa de ar seco que fica sobre a região, e as chances de chuva surgem como uma esperança. Segundo Mamedes Luiz, meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o mês que se inicia nesta quarta-feira (1º/8) será exatamente assim, com uma possibilidade pequena do brasiliense ver chuva na capital, mas existente.

Os primeiros dias de agosto são os mais propícios para essa chance de que a umidade suba: “Neste mês podem acontecer pancadas de chuva na primeira quinzena, com uma chance de até 20% de que isso aconteça nesta primeira semana, até sexta-feira. Amanhã pode ser que já aumente um pouco a umidade”, explicou Mamedes. Mas esta quarta-feira não anima os que esperam a chuva.

A máxima na capital será de 31ºC, com umidade relativa do ar chegando 20% no momento mais crítico do dia. Com mínima de 8ºC e umidade com pico de 90%, entre a madrugada e a manhã, o DF começou o mês de agosto sem muito frio. “Geralmente agosto é assim, com temperatura subindo e umidade abaixando”, concluiu o meteorologista.

De olho no metabolismo

Tantas variações nas temperaturas fazem com que seja sorte passar pelo inverno do DF sem “ganhar” ao menos uma gripe. Pelo começo da manhã, temperaturas baixas e ambientes fechados são aliados dos vírus e bactérias. Pela tarde, a baixa umidade deixa o tempo seco e castiga os brasilienses. Mas o que poucos sabem é que uma boa dieta pode ajudar a manter a saúde nestes dias.

Primeiro é preciso compreender o que acontece com nosso corpo neste período. E a nutricionista Nina Camargo explica: “Durante o inverno, nosso organismo busca manter a sua temperatura, entre 36ºC e 37,5ºC. Para isso, o metabolismo fica acelerado, queimando mais calorias para produzir mais calor, podendo aumentar a necessidade calórica do nosso corpo”. Essa mudança faz com que a procura por alimentos mais calóricos aumente, o que não é saudável em estação nenhuma.

A seca e as altas temperaturas das tardes também prejudicam, porque afastam as pessoas dos exercícios físicos, ideias para uma boa saúde. Mas é possível encontrar na dieta uma saída para esses problemas. “Os alimentos ricos em vitamina C são ótimas opções para o consumo no inverno, já que eles auxiliam na melhora da imunidade. Entre as frutas, há várias opções, como laranja lima, laranja pera, acerola, mexerica e morango. O alho e a cebola são ótimos aliados para a melhora do sistema imunológico e funcionam como antibióticos naturais.”

Apesar de não existir uma fórmula exata para minimizar os problemas deste inverno seco da capital, Nina diz ainda que, além de se manter hidratado, a boa alimentação aliada a práticas de atividade física e boas noites de sono são essenciais. Outra dica da nutricionista está nos chás, que podem ser grandes parceiros nas noites em que a sensação térmica caia, ajudando a manter a hidratação com água e sucos feita ao longo do dia.

Fonte: www.correiobraziliense.com.br

ESTA É QUE VALE Secretaria de Educação do DF é autorizada a abrir nova seleção pública

As oportunidades serão para professores substitutos da Rede Pública de Ensino do Distrito Federal.

Foi autorizada a realização da seleção pública para a Secretaria de Educação do Distrito Federal (SEEDF) para professores. A Câmara de Governança Orçamentária, Financeira e Corporativa do Distrito Federal anunciou, nesta quarta-feira (1/8), que a Secretaria pode contratar, de forma temporária, professores substitutos para o ano letivo de 2019 e 2020 obedecendo ao limite de 340 mil horas/ano.

A autorização ratifica o andamento do chamamento público iniciado em 17 de julho. A SEEDF recebeu a proposta de empresas interessadas em planejar e executar o processo seletivo simplificado. As propostas foram aceitas até 27 de julho e em breve o órgão deve anunciar a empresa escolhida.

As oportunidades serão para profissionais com nível superior de licenciatura plena ou bacharelado/tecnólogo, habilitado em disciplina similar, com aprovação no componente curricular pleiteado, desde que comprovado que tenha cursado o componente em no mínimo três semestres e/ou 180 horas.

Os aprovados farão parte do banco de reservas da pasta para atuar na Educação Básica e receberão como remuneração de R$ 5.016,53, para jornada de 40 horas semanais, e R$ 2.508,26 se trabalhar 20 horas por semana. Além disso, o contrato entre a SEEDF e os profissionais serão regidos pelo disposto no artigo 11 da Lei nº 4.266, de 11 de dezembro de 2008, estando vinculados ao Regime Geral de Previdência Social, nos termos da Lei nº. 8.647, de 13 de abril de 1993.

Provas

O site de concursos já havia publicado que o projeto básico do processo seletivo prevê que a seleção dos candidatos será composto por provas objetivas, que vão abordar os diversos componentes curriculares ofertados na Rede Pública de Ensino do Distrito Federal, com no mínimo 100 itens, sendo o mínimo de 60 de conhecimentos gerais e 40 de conhecimentos específicos. Para as vagas nos Centros Interescolares de Língua (Cil’s) haverá também banca de proficiência.

Caráter de urgência

O governador Rodrigo Rollemberg havia prometido que o edital seria publicado em julho. Apesar de não ter cumprido a promessa, o governo tem pressa para promover a seleção, pois o objetivo é suprir as carências na Rede Pública de Ensino antes do início do ano letivo de 2019. Para tanto, o resultado final do processo

 

 

Itamaraty abre concurso de diplomata com 26 vagas e R$ 18 mil inicial

As inscrições podem ser realizadas entre 2 e 16 de julho. A taxa de inscrição é de R$ 30

O Ministério das Relações Exteriores (MRE) publicou, nesta quarta-feira (27/6) no Diário Oficial da União (DOU), o edital de abertura para o novo concurso público da carreira de diplomata. Serão ofertadas 26 vagas na classe inicial de terceiro secretário, sendo reservadas cinco oportunidades a candidatos negros e duas para candidatos com deficiência. O salário inicial é de R$ 18 mil.

O requisito para concorrer a uma das vagas é possuir nível superior, ter idade mínima de 18 anos, ser brasileiro nato, estar em dia com as obrigações eleitorais e também em dia com o serviço militar (no caso de candidatos do sexo masculino).

O certame exige que os candidatos também tenham disposição para servir no exterior, e a capacidade e disposição em resolver conflitos e enfrentar situações adversas e inesperadas, na defesa dos interesses do Brasil e de seus cidadãos no exterior.
A banca organizadora do concurso é o Instituto Rio Branco (IRBr), com a colaboração do Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe). O concurso será valido por 90 dias, a contar da data de publicação do resultado final, com possibilidade de prorrogação por igual período.

Inscrições
As inscrições serão aceitas entre 2 e 16 de julho por meio do site da organizadora. A taxa de participação é de R$ 230. Para se candidatar, o interessado deverá informar o número do seu Cadastro de Pessoa Física (CPF) e enviar fotografia tirada nos últimos seis meses anteriores à data de publicação do edital.

É previsto no documento que o candidato que não enviar a fotografia obedecendo às especificações constantes do edital, de tal forma que impeça ou dificulte a sua identificação durante a realização das provas, poderá, a critério do Cebraspe, ser submetido a identificação especial no dia de realização das provas.

Etapas do concurso
Serão realizadas três fases para classificar os candidatos. A primeira etapa é a prova objetiva, prevista para 26 de agosto com aplicação em todas as capitais do país e no Distrito Federal (DF). O exame será realizado em dois períodos: o primeiro com início às 9h30 e duração de 3 horas, e o segundo, às 15 horas, também com duração de 3 horas.

O exame será composto de 76 questões, cada uma com quatro itens para julgamento em certo ou errado. Vale ressaltar que cada questão marcada em discordância com o gabarito irá anular uma questão marcada corretamente.

Serão cobrados conhecimentos de língua portuguesa, língua inglesa, história do Brasil, história mundial, política internacional, geografia, noções de economia, e noções de direito e direito internacional público.

A segunda etapa consiste em uma prova escrita de língua portuguesa e inglesa para os 260 candidatos que obtiverem as melhores notas na prova objetiva. A realização da prova escrita de língua portuguesa está prevista para ser realizada em 2 de setembro. Já a prova de língua inglesa está prevista para 23 de setembro, ambas terão duração de 5 horas, com início às 14h.

A terceira etapa terá duração de 4 horas para cada conteúdo, sendo o primeiro aplicado às 9 horas e o segundo às 15 horas:

Os candidatos aprovados na três etapas serão matriculados no Curso de Formação do Instituto Rio Branco, cuja conclusão é essencial para a confirmação do servidor no Serviço Exterior Brasileiro.

Saiba mais em metropoles.com