Rota da morte: DF-001 é a rodovia que mais mata no Distrito Federal (Principal, violência, comportamento e serviços)

Rota da morte: DF-001 é a rodovia que mais mata no Distrito Federal

Acidentes resultaram em 254 mortes no DF em 2017, sendo 154 só em rodovias distritais. Mas trechos de BRs, como a 020, a 060 e a 080 também registraram um número alto. Detran e DER, porém, comemoram queda de 37% na quantidade de vítimas

“Eu estava a 80 km/h quando um carro saiu da entrada do Recanto das Emas e entrou na minha frente. Tentei desviar, mas acabei rodando na pista e capotando no canteiro” – Iolanda Rocha, professora

Nenhuma rodovia mata tanto no Distrito Federal quanto a DF-001. Dezenove pessoas perderam a vida na estrada que circula a capital em 2017. Em seguida, vêm os trechos das BRs-020 (Brasília-Fortaleza), 080 (Brasília-MT), 060 (Brasília-Goiânia) e 070 (Brasília-Bolívia). No ano passado, 254 morreram em acidentes no trânsito de Brasília, sendo 154 só em rodoviais distritais, como a DF-001. Comparado a 2016, o número total caiu 37%.

A professora Iolanda Rocha, 49 anos, foi vítima em um acidente no Km 4 da BR-060, perto do Recanto das Emas. Ela voltava da comemoração do ano-novo em Alexânia (GO). “Eu estava a 80 km/h quando um carro saiu da entrada do Recanto das Emas e entrou na minha frente. Tentei desviar, mas acabei rodando na pista e capotando no canteiro”, conta. Iolanda sofreu hematomas pelo corpo e fraturou o braço direito.

Detran flagra 26 motoristas embriagados por dia em operação de fim de ano

A professora reclama da falta de sinalização na via, da ausência de equipamentos eletrônicos de monitoramento e de passarelas para pedestres. “Como educadora, prezo por esse tipo de atitude por parte dos nossos governantes. Aqui, tragédias são comuns. Não podemos ficar esperando pessoas morrerem para a situação mudar”, cobra.

Coordenador do Centro Interdisciplinar de Estudos em Transportes (Ceftru) da Universidade de Brasília (UnB), Pastor Willy Gonzales Taco explica que o número de acidentes, principalmente nas rodovias do DF, é causado pela quantidade elevada de cruzamentos e retornos, além da velocidade alta das vias. “Como Brasília é um polo de ida e vinda, as cidades denominadas dormitórios fazem com que as pistas fiquem com alta intensidade de veículos. Somado ao comportamento humano, isso é um gerador de acidentes”, defende.

Para amenizar as mortes no trânsito, o especialista diz que o ideal é investir em campanha. “Temos que fazer um trabalho pontual e focar na população mais jovem. Todos precisam aprender a respeitar a outra pessoa que está na via. Isso seria um influenciador no índice das mortes”, comenta. Para ele, os órgãos de trânsito também precisam investir na qualidade do serviço e aumentar o número de sinalização e fiscalização ao longo das rodovias. O estudioso ressalta que o fluxo de veículos saindo e entrando no DF é alto em qualquer horário e os condutores devem se atentar para não sofrerem acidentes.

Fiscalização

O diretor-geral do Departamento de Trânsito (Detran-DF), Silvain Fonseca, afirma que o órgão, com as outras forças de segurança, como DER, PM e PRF, realizam operações planejadas para melhorar a qualidade do trânsito. De acordo com o Fonseca, a redução das mortes em 2017 também é resultado das campanhas educativas, das intervenções de engenharia, da implantação de bolsões de motos e das ações preventivas de fiscalização e patrulhamento.

Site: http://www.correiobraziliense.com.br/

Em três dias, quatro mulheres são vítimas de violência no Distrito Federal (Principal e violência)

www.correiobraziliense.com.br

Os casos mais recentes de violência no Distrito Federal tiveram mulheres assassinadas ou feridas por bandidos com armas de fogo ou facas. Em abordagem na 408 Sul, psicóloga levou um tiro no peito, mas sobreviveu

Perito examina o local do crime e o veículo da vítima, na 408 Sul: suspeito foragido desde a noite de segunda-feira

Em três dias, quatro mulheres são vítimas de violência no Distrito Federal
Os casos mais recentes de violência no Distrito Federal tiveram mulheres  assassinadas ou feridas por bandidos com armas de fogo ou facas. Em abordagem na 408 Sul, psicóloga levou um tiro no peito, mas sobreviveu.

Três mulheres morreram e uma ficou gravemente ferida em crimes praticados entre o último sábado e ontem no Distrito Federal. No mais recente deles, a Polícia Civil suspeita que um policial militar matou a namorada e, depois, cometeu suicídio na casa do casal, na Quadra 11 do Morro Azul, em São Sebastião. O caso é investigado pela 10ª Delegacia de Polícia (Lago Sul). O corpo da vítima foi encontrado no quarto. O do militar, que fazia curso de formação de praças da corporação, estava no corredor.

A violência contra mulheres também resultou na morte de uma jovem de 18 anos no Gama. Na madrugada de terça-feira, ela levou um tiro na cabeça. O autor do disparo, segundo a polícia, é o namorado. Ele foi preso com um comparsa quando tentava fugir para Valparaíso (GO). Samambaia também virou palco de feminicídio — o DF registrou nove entre janeiro e junho do ano passado e 19 em 2016 —, no qual um homem matou uma vizinha com facadas na cabeça e no pescoço. O crime aconteceu na rua, e o autor se entregou ontem. Ele contou à polícia que sofria ameaças da vítima, identificada como Anne Mikaelly. No dia do crime, ela teria soltado fogos para anunciar a morte do acusado e da família dele.

Leia as últimas notícias em Distrito Federal

No Plano Piloto, uma mulher de 54 anos reagiu à abordagem de um criminoso na 408 Norte e levou um tiro de pistola calibre 40 no peito. Ieda Maria Neiva Rizzo entrava no carro, no estacionamento entre os blocos A e B, no momento em que um bandido a surpreendeu. O crime ocorreu na noite de segunda-feira. Segundo a vítima, o suspeito teria ameaçado estuprá-la.

Psicóloga sofreu ameaça de estupro

Familiares reforçam a tese de tentativa de estupro no caso da mulher baleada na 408 Sul após reagir à abordagem de um criminoso. A psicóloga Ieda Maria Neiva Rizzo, 54 anos, levou um tiro de pistola calibre 40, à queima-roupa, no peito. A bala quebrou o externo e quatro costelas e parou em um dos pulmões da vítima, que sobreviveu ao disparo. “A única preocupação dela era com a vida e a integridade física. Ele disse que ia estuprá-la e matá-la. Ela queria sobreviver”, disse ao Correio o irmão de Ieda, o policial civil André Rizzo. Apesar disso, a Polícia Civil investiga o caso como tentativa de latrocínio.

Paramédicos levaram Ieda para o Hospital de Base do Distrito Federal. Ontem, ela foi transferida para o Hospital Daher, no Lago Sul. Para o irmão, “ela sobreviveu por um milagre”. “A gente sabe que, infelizmente, a Ieda foi mais uma. É o preço que pagamos por um país que vive em uma inversão de valores. Ontem, foi a minha irmã. Essa noite serão mais quantas? Ela teve uma proteção divina. Sou policial civil e sei o potencial lesivo de uma pistola calibre 40. Ela tomou um tiro covarde, desnecessário, de um bandido que não tem o menor respeito pela vida humana. O ato dele representa, simplesmente, a certeza da impunidade”, desabafou.

 

Polícia Civil divulga imagens da fuga de suspeito de crime na 408 Sul

Antes de atirar, o criminoso deu um soco na vítima, que tentava se desvencilhar para fugir. “Quando recebi a ligação, achei que fosse trote. Quando cheguei ao local e vi a quantidade de sangue no chão e vi a cápsula de uma pistola calibre 40, o meu mundo acabou. Achei que ela estaria morta. Ela está chamuscada pela explosão da pólvora. Foi um tiro à queima-roupa”, revoltou-se.

O adjunto da 1ª Delegacia de Polícia, delegado José Ataliba Neto, se apoia nas caraterísticas do crime para sustentar a tese de tentativa de latrocínio. Para ele, o criminoso queria o carro, um Nissan Kicks preto. “Não houve nenhum ato que caracterizasse tentativa de estupro. Toda a ação foi muito rápida. Geralmente, casos de abusos ocorrem em locais ermos, diferentemente da quadra”, ressaltou. Para ajudar na identificação do suspeito, a corporação divulgou as imagens capturadas pelos circuitos de segurança de prédios da 407 Sul e da 408 Sul. O homem filmado de camisa preta e boné e tênis brancos usa barba e teria entre 20 e 25 anos.

Na 408 Sul, agentes da PCDF passaram a manhã de ontem coletando imagens dos prédios residenciais, tomando depoimentos de moradores e refazendo os possíveis passos do criminoso. As gravações do circuito interno de segurança de um dos prédios mostram que, após dar o tiro no peito da psicóloga, o bandido seguiu em direção à 407 Sul. O local do crime fica próximo à Divisão de Controle de Denúncias da Polícia Civil (Dicoe).

Dono da Banca da 408 Sul e também morador da quadra, Ubirajara Leandro de Souza, 62 anos, disse que a vizinhança está assustada. “Ouvimos falar de arrombamento de um carro ou de outro. Agora, algo com tiro, não pensávamos que poderia acontecer”, afirmou. Moradores reclamam de falta de iluminação pública na região, prejudicada, principalmente, pelas árvores.

Policiamento é constante, diz PM

De janeiro a novembro de 2017, a Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social registrou, na Asa Sul, dois latrocínios e uma tentativa. No mesmo período do ano anterior, a polícia registrou cinco tentativas de roubo com morte. Segundo a PM, a Asa Sul recebe policiamento ostensivo a pé, de moto e com carros. O porta-voz da corporação, major Michello Bueno, destacou que a criminalidade está em queda, com taxas de homicídio estáveis e diminuição de 42% nos roubos a pedestres. “Estamos fazendo o nosso trabalho, mas o combate à violência passa por várias áreas, como a social, por exemplo”, argumentou. (LC)

Morta com tiro na cabeça

Um dos casos de feminicídio mais recentes no Distrito Federal aconteceu na madrugada de ontem. Uma jovem de 18 anos morreu com um tiro na cabeça, após supostamente participar de uma roleta-russa com pelo menos duas pessoas. Segundo a Polícia Militar, o autor dos disparos seria o namorado dela. Os três estavam dentro de um carro, um Palio branco, quando o acusado, de 27 anos, atirou contra a moça. Palloma Lima chegou a ser atendida no Hospital Regional do Gama, mas não resistiu.

Depois de a vítima ser baleada, os dois acusados a deixaram na unidade de saúde, sem acompanhamento. Em seguida, saíram em disparada com o veículo. Pacientes e acompanhantes que estavam no local chamaram a PM, que localizou os envolvidos em Santa Maria. De acordo com a corporação, eles seguiam com o carro em direção a Valparaíso (GO). Detidos, tanto o acusado de disparar contra Palloma quanto o cúmplice foram conduzidos à 20ª Delegacia de Polícia (Gama).

O suposto namorado da vítima deve responder por homicídio, enquanto o motorista será indiciado por tráfico de drogas, porte de munição e favorecimento pessoal (quando ajuda outro a fugir). Caso se comprove que a jovem foi coagida a participar da suposta roleta-russa, a Justiça pode enquadrar o acusado também em crime de tortura (LV)

Comoção diante da casa onde ocorreu o crime, em São Sebastião: dois anos de relacionamento conturbado

Polícia apura se PM matou a namorada

Agentes da 30ª Delegacia de Polícia (São Sebastião) investigam um possível caso de feminicídio no qual um policial militar teria matado a namorada e se matado em seguida. O crime aconteceu no bairro de Morro Azul, em São Sebastião. A vítima, Clésia Andrade, 28 anos, estudava licenciatura em dança no Instituto Federal de Brasília (IFB). Ela e o cabo Bruno Viana, 38, foram encontrados mortos, por volta das 14h30 de ontem, na casa onde a jovem morava com a família — um bar funciona no mesmo imóvel.

De acordo com a polícia, ambos tinham ferimentos provocados por arma de fogo. De acordo com a polícia, Bruno teria usado a arma da corporação, uma Taurus PT 100, calibre 40, para matar Clésia e, depois, se matar. Nesse momento, a mais nova das três irmãs da estudante, além de quatro crianças, estavam no estabelecimento comercial, que fica na entrada da residência. Segundo a Polícia Civil, uma delas era o filho de 8 anos da vítima, fruto de um relacionamento anterior. Nenhuma delas testemunhou o crime.

A mãe da jovem, dona do bar, viajou para São Paulo na segunda-feira e deixou Clésia e a filha mais nova cuidando do local. A mãe comprou uma passagem de volta para Brasília assim que soube da tragédia. No entanto, não havia chegado até a tarde de ontem, quando a perícia esteve no local. O pai da vítima também mora em São Sebastião e precisou ser hospitalizado ao saber do assassinato.

Houve comoção na vizinhança. À tarde, familiares e amigos acompanharam a retirada dos corpos, separados por um cordão de isolamento. “Ela morava aqui desde criança, e a gente não sabia como era a convivência deles (do casal). Tudo o que sei é que tinham terminado recentemente”, contou um vizinho, que preferiu não se identificar.

Segundo o delegado Paulo Savio, plantonista responsável pelo registro preliminar da ocorrência, a irmã da vítima acionou a polícia ao ouvir os disparos. Em seguida, gritou por socorro ao avistar uma equipe da PM. “Nem ela nem as crianças foram testemunhas. Ao chegar, encontramos o corpo da jovem na porta da casa e o do policial na cama. Os dois foram mortos com um tiro na cabeça, mas ainda não sabemos as circunstâncias que levaram a isso. A perícia vai apurar o caso com a equipe do plantão”, afirmou Paulo.

A irmã de Clésia confirmou à polícia que estava no bar quando ouviu os tiros, mas não escutou gritos ou discussões. Segundo ela, o relacionamento de cerca de dois anos era de “idas e vindas”. Segundo o delegado, Bruno teria entrado no bar e dito que queria conversar com Clésia. Dessa forma, conseguiu acesso aos fundos do imóvel. A polícia trabalha com a hipótese de homicídio seguido de suicídio e aguarda o laudo pericial para concluir as investigações.

Perseguição

Apesar de não existirem ocorrências contra o policial militar, a irmã revelou que Clésia e a mãe pediram à Justiça uma medida protetiva. No entanto, ela não soube informar à polícia se a medida era cumprida ou não. Atitudes agressivas do PM foram relatadas pela amiga Mikaely Moura, 28. As duas se conheceram na escola, aos 7 anos, em São Sebastião. A empregada doméstica contou que Bruno tinha o costume de perseguir a vítima e que chegou a agredi-la em algumas ocasiões. As duas se viram pela última vez na sexta-feira passada. “Ele estava indo atrás dela o tempo todo, mesmo com a medida protetiva. Na última vez em que saímos, ela precisou ir escondida para que ele não soubesse”, comentou.

Estagiária sob supervisão de Guilherme Goulart

 

Mulher é baleada no peito ao reagir a tentativa de estupro na Asa Sul

Ieda Maria Neiva Rizzo, de 54 anos, foi baleada na noite desta segunda-feira (8/1), na Asa Sul. Segundo informações da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) o crime ocorreu na 408 Sul, entre os blocos A e B, quando a vítima entrava no carro.

Leia as últimas notícias do Distrito Federal

Ainda de acordo com a polícia, a mulher teria relatado o caso na ambulância, depois que foi socorrida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e transportada ao Hospital de Base do Distrito Federal (HBDF). Aos socorristas, ela teria dito que sofreu uma tentativa de estupro, mas a Polícia Civil acredita em tentativa de latrocínio.

Ela levou um tiro no peito. Foi feita uma tomografia, que constatou que o tiro não atingiu o coração. Ieda passou por cirurgia para colocar um dreno no pulmão, que foi perfurado.

Nenhum suspeito foi localizado até a última atualização desta matéria. De acordo com informações do zelador do prédio em que a mulher ia entrar, Gimadalbérico Antônio da Silva, as câmeras de segurança flagraram o momento em que um homem de estatura média, que usava roupa preta e boné da mesma cor, chega no local, mas sai logo em seguida. A atuação de um segundo suspeito foi narrada pela vítima, que estava consciente durante todo o trajeto. Testemunhas afirmam, ainda, que a vítima teria ido visitar o namorado, que é morador do bloco B.

Ao Correio, o zelador afirmou que os primeiros socorros foram prestados pelo companheiro da vítima. “Enquanto o homem pressionava o peito da mulher para conter o sangue, ela repetia para ele ‘amor, não me deixa morrer’. Ela estava nervosa, mas bastante lúcida”, contou.

Vídeo mostra o momento em que a vítima é socorrida:

Número de casos aumenta

O ano de 2017 encerrou com alta de 32,4% nos casos de estupros no DF. De janeiro a dezembro, a polícia contabilizou 883 ocorrências desse tipo, enquanto no mesmo período do ano passado houve 667 denúncias. Mas, nem todas as queixas são de atos consumados em 2017. Em razão de uma maior consciência e do reconhecimento do que é o estupro, as mulheres têm procurado mais ajuda. Outro fator, segundo especialistas, é a ampliação daquilo que se caracteriza como estupro. Pela lei, ele não se resume só ao ato sexual.

Mesmo assim, a quantidade de estupros consumados aumentou. Passou de 616 em 2016 para 687 em todo o ano passado: um salto de 12%. O acumulado de janeiro a dezembro de 2017 seguiu a tendência do que aconteceu mês a mês no DF. O crime chegou a ser o único que continuou crescendo na capital.

Até 15 de dezembro de 2017, 466 vítimas eram mulheres e 53, homens. A faixa etária é de 10 a 32 anos. Em todo o ano, 55% dos estupros ocorreram sem conjunção carnal e 39% dos crimes ocorreram na casa da vítima ou do autor. Em 59% dos casos havia vínculo entre a vítima e o estuprador, segundo a Secretaria de Segurança Pública e da Paz Social (SSP-DF).

Vídeo mostra a fuga dos criminosos:

Site: www.correiobraziliense.com.br/

Raphaella Noviski é enterrada em Alexânia sob aplausos e muita comoção

velado durante mais de 12 horas em igreja evangélica de Alexânia

postado em 07/11/2017 11:52 / atualizado em 07/11/2017 13:47
Ricardo Faria – Especial para o Correio
Sob aplausos, o corpo da estudante Raphaella Noviski foi enterrado às 11h30 desta terça-feira (7/11), no Cemitério Campo da Saudade, em Alexânia (GO). No sepultamento, parentes e amigos soltaram balões para simbolizar a partida da jovem, vítima de feminicídio. Entre cantos evangélicos e homenagens, os presentes demonstraram indignação com o ato de covardia praticado por Misael Pereira Olair, 19 anos, preso em flagrante após assassinar a estudante com 11 tiros no rosto, dentro da sala de aula, no Colégio Estadual 13 de Maio. 

O enterro ocorreu após um cortejo que cruzou cerca de 2,5km pela cidade no Entorno do Distrito Federal. No trajeto, familiares, amigos e moradores de Alexânia pediam justiça.

O velório foi realizado na Igreja Assembleia de Deus Madureira e começou por volta das 20h de segunda-feira (6/11), durando mais de 12 horas. O prefeito do município, Alysson Silva Lima (PPS), participou do funeral nas últimas horas de ontem. Ele decretou luto oficial de dois dias por causa da barbárie.

“É uma mistura de sentimentos”

O pai da vítima e agente penitenciário Leandro Márcio Romano, 40 anos, estava muito abalado durante o enterro e clamou por justiça. Ele mora em Belo Horizonte, mas chegou em Alexânia, na manhã do último domingo para passar férias. O pai iria se encontrar com Raphaella e a irmã no dia do crime, após a aula. “É uma mistura de sentimentos. Raiva e tristeza caminham juntos. Eu espero que ele (assassino) fique bastante tempo preso. Trinta anos, para ele, na cadeia é pouco”, disse.

Na igreja, o clima era de revolta. Amigos e familiares diziam não entender por que o assassino resolveu matá-la simplesmente pelo fato de ter sido rejeitado pela jovem. “Ele (Misael) destruiu um sonho num ato frio e covarde. Espero que ele pague pelo que fez”, lamentou Alex dos Santos, 26 anos, amigo de igreja da jovem.

Segundo relato de uma prima de Raphaella, o rapaz chegou a ameaçar a estudante, por telefone, horas antes do assassinato. “Ele já a ameaçava desde o ano passado. Quando foi hoje cedo (ontem), ela recebeu uma ligação e ouviu: ‘Está preparada?’. Aí, logo em seguida, ele desligou”, afirmou na segunda-feira a jovem, que preferiu não se identificar.

Raphaella morava com a avó e, em outra ocasião, Misael ameaçou entrar na casa da menina com uma faca. “Ela não procurou a delegacia porque pensou que isso fosse acabar. No ano passado, ele foi à casa da minha avó ameaçando entrar dentro com faca. Minha avó é cadeirante, ficou desesperada. E meu tio ameaçou ligar para a polícia se ele continuasse indo para lá”, contou a prima da vítima. 
Site: www.correiobraziliense.com.br

Homem entra armado em escola e mata estudante em Alexânia

Segundo testemunhas, a vítima, uma adolescente de 16 anos, recusou um pedido  de namoro do suspeito  compartilhar:
Hellen Leite ,
Deborah Novais – Especial para o    Correio  As aulas na escola foram suspensas Uma adolescente de 16 anos foi morta a tiros, na manhã desta segunda-feira   (6/11),  dentro de uma escola em Alexânia, cidade no Entorno do Distrito Federal. O suspeito é um jovem de 19 anos, que foi preso logo após o crime.
Segundo um ex-funcionário da escola, que trabalhou no colégio até janeiro   deste ano, o rapaz pulou o muro e entrou na sala da garota já atirando.  Raphaella Noviski, aluna do 9º ano da Escola Estadual 13 de Maio, foi  atingida no rosto e morreu na hora.

 Vítima de atirador de Goiânia não quer voltar para escola

colegas-dizem-que-atirador-de-goiania-ameaçava matar-estudante  antes Colegas dizem que atirador de Goiânia ameaçava matar estudantes  As aulas já tinham começado quando o atirador chegou à escola. De acordo com   a Polícia Militar, ele entrou em três salas antes de encontrar a vítima.  Armado com um revólver calibre .32, ele atirou pelo menos sete vezes.

“Segundo os alunos ele chegou a recarregar a arma, que tem espaço para seis   disparos”, informou o subcomandante Lima, do 34º Batalhão de Polícia Militar  de Goiás. A PM informou ainda que o autor dos disparos disse odiar a garota.  Segundo testemunhas, ele queria namorar com a menina, que não aceitou o  relacionamento. Vítima e atirador eram amigos nas redes sociais.

Os parentes da menina foram chamados ao local. Até às 10h, o corpo ainda   estava dentro da sala. As aulas foram suspensas. O atirador foi encaminhado  Segundo testemunhas, a vítima, uma adolescente de 16 anos, recusou um pedido de namoro do suspeito   compartilhar:  <javascript:void(0)> Facebook  <javascript:void(0)> Google+

http://app2.correiobraziliense.com.br/access/noticia_127983242361/638869/63/
eq.gif

 postado em 06/11/2017 09:56 / atualizado em 06/11/2017 11:28
  <mailto:hellenleite.df@dabr.com.br> Hellen Leite ,
<mailto:deborahnovais.df@dabr.com.br> Deborah Novais – Especial para o  Correio 
As aulas na escola foram suspensas Uma adolescente de 16 anos foi morta a tiros, na manhã desta segunda-feira.
(6/11), dentro de uma escola em Alexânia, cidade no Entorno do Distrito
Federal. O suspeito é um jovem de 19 anos, que foi preso logo após o crime.
Segundo um ex-funcionário da escola, que trabalhou no colégio até janeiro.
deste ano, o rapaz pulou o muro e entrou na sala da garota já atirando.
Raphaella Noviski, aluna do 9º ano da Escola Estadual 13 de Maio, foi
atingida no rosto e morreu na hora.
<http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/brasil/2017/10/22/internas
_polbraeco,635440/vitima-de-atirador-de-goiania-nao-quer-voltar-para-escola.
shtml
>
Vítima de atirador de Goiânia não quer voltar para escola·<http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/brasil/2017/10/20/internas
_polbraeco,635153/colegas-dizem-que-atirador-de-goiania-ameacava-matar-estud
antes.shtml
> Colegas dizem que atirador de Goiânia ameaçava matar estudantesAs aulas já tinham começado quando o atirador chegou à escola. De acordo com
a Polícia Militar, ele entrou em três salas antes de encontrar a vítima.
Armado com um revólver calibre .32, ele atirou pelo menos sete vezes.
“Segundo os alunos ele chegou a recarregar a arma, que tem espaço para seis
disparos”, informou o subcomandante Lima, do 34º Batalhão de Polícia Militar
de Goiás. A PM informou ainda que o autor dos disparos disse odiar a garota.
Segundo testemunhas, ele queria namorar com a menina, que não aceitou o
relacionamento.Vítima e atirador eram amigos nas redes sociais.

Os parentes da menina foram chamados ao local. Até às 10h, o corpo ainda
estava dentro da sala. As aulas foram suspensas. O atirador foi encaminhado
para a Delegacia de Alexânia. O Grêmio estudantil da escola usou as redes
sociais para prestar solidariedade à família e cobrar mais segurança na
escola.

 Violência nas escolas

O crime em Alexânia ocorre pouco mais de duas semanas depois de
<http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/brasil/2017/10/20/internas
_polbraeco,635041/aluno-abre-fogo-mata-dois-colegas-e-fere-4-em-escola-de-go
iania.shtml
> um adolescente entrar atirando e matar colegas em um colégio em
Goiânia, no último dia 20. Em junho deste ano,
<http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2017/11/06/interna
_cidadesdf,638869/homem-entra-atirando-em-escola-e-mata-estudante-em-alexani
a.shtml
> um estudante de 26 anos foi morto com três tiros dentro da sala de
aula, no Centro de Ensino Fundamental (CEF) Zilda Arns, na Quadra 378 do
Itapoã. O crime aconteceu em 13 de junho, e, segundo a Polícia Militar, o
atirador usava um capuz e fugiu em uma Parati prata.

 
 para a Delegacia de Alexânia. O Grêmio estudantil da escola usou as redes
sociais para prestar solidariedade à família e cobrar mais segurança na
escola.

Violência nas escolas

O crime em Alexânia ocorre pouco mais de duas semanas depois de
um adolescente entrar atirando e matar colegas em um colégio em
Goiânia, no último dia 20. Em junho deste ano,

_cidadesdf,638869/homem-entra-atirando-em-escola-e-mata-estudante-em-alexani
a.shtml> um estudante de 26 anos foi morto com três tiros dentro da sala de
aula, no Centro de Ensino Fundamental (CEF) Zilda Arns, na Quadra 378 do
Itapoã. O crime aconteceu em 13 de junho, e, segundo a Polícia Militar, o
atirador usava um capuz e fugiu em uma Parati prata.

Primo de Ana Íris confessa ter estuprado jovem antes de assassinato


Ana Íris, 12 anos, desapareceu em 10 de setembro
A Polícia Civil do Distrito Federal confirmou que o primo de Ana Íris, 12 anos, confessou a prática do estupro, seguido de homicídio por esganadura da adolescente. O jovem já havia confirmado a autoria do crime. A Delegacia da Criança e do Adolescente II (DCA II) representou a denúncia e a Justiça deferiu o pedido de internação provisória contra o menor infrator.

Segundo o delegado-chefe da DCA II, Juvenal Campos, o adolescente estava internado em um hospital em razão das agressões e lesões que sofreu no último dia 26, quando a menina foi encontrada morta. Ele foi agredido por moradores da região que já suspeitavam da participação do menino no homicídio.

Após os últimos exames, ele teve alta na manhã da última quinta-feira (28/9). O adolescente declarou que a motivação do assassinato seria para ocultar o estupro. Tudo teria ocorrido em 10 de setembro. Após matar a vítima, ele teria arrastado o corpo por cerca de dez metros.

Ele foi apreendido pelos ato Infracionais análogos aos crimes de homicídio, ocultação de cadáver e estupro de vulnerável, pelo período inicial de 45 dias. Após os procedimentos legais, o adolescente foi levado para internação no Núcleo de Atendimento Integrado (NAI).

Homem é preso por sequestrar e matar menina de 6 anos no Paraná


Conhecido da família ele confessou o crime e foi transferido para outra prisão, porque populares invadiram o local para “fazer justiça”

Um homem de 30 anos foi preso na noite desta quarta-feira (27/9) por sequestrar e matar a menina Tabata Fabiana Crespilho da Rosa, de 6 anos, em Umuarama, no oeste do Paraná. Eduardo Leonildo da Silva confessou o crime, segundo a Polícia Civil do município. Ele é um conhecido da família da criança.

Tabata estava desaparecida desde a última terça-feira (26) quando foi deixada próximo à escola onde estudava pelo irmão de 13 anos, como acontecia todos os dias. Imagens de câmeras de segurança revelaram que ela foi abordada por Eduardo, que dirigia um veículo Gol, entrou no carro e foi levada por ele. Os detalhes sobre o crime ainda não foram divulgados pela polícia, mas o corpo da menina já foi localizado. Existe a suspeita de abuso sexual, não confirmada até o momento.

Moradores da cidade invadiram a delegacia para protestar após a prisão do homem. Alguns quebraram uma porta de vidro e depredaram carros no local. Por segurança, o preso foi transferido para outra unidade. Outros presos detidos na delegacia aproveitaram o protesto para dar início da uma rebelião. Os policiais ainda trabalhavam para tentar controlar a situação na manhã desta quinta.
Site: www.metrópoles.com.br

Já atingiram meu olho, mas não vão me calar”: Professora agredida por aluno denuncia mensagens de ódio

Marcia Friggi, de 51 anos, lamenta situação da educação no Brasil: “Chegamos além do fundo do poço”
BBC BRASIL.com
22 AGO2017
11h33
atualizado às 11h54
O sangue que escorria de uma abertura do supercílio manchava o rosto de Marcia Friggi, de 51 anos. Do olho esquerdo brotavam lágrimas já que o direito, atingido por um soco, estava tão inchado que a professora de língua portuguesa e literatura de Indaial, em Santa Catarina, mal conseguia abri-lo. Era o primeiro dia de aula de Friggi para aquela turma. E também o primeiro dia do aluno agressor ali.

“Ele, um menino forte de 15 anos, começou a me agredir. Foi muito rápido, não tive tempo ou possibilidade de defesa. O último soco me jogou na parede”, escreveu a professora.

“Ele, um menino forte de 15 anos, começou a me agredir. Foi muito rápido, não tive tempo ou possibilidade de defesa. O último soco me jogou na parede”, escreveu a professora.
image001
Uma pesquisa de 2014, feita em 34 países, revelou que 12,5% dos educadores brasileiros disseram sofrer agressões verbais ou intimidações de alunos ao menos uma vez por semana. A média entre todos os países foi de 3,4%.

À BBC Brasil, a delegacia da Polícia Civil de Indaial confirmou ter registrado a ocorrência ainda na manhã da última segunda-feira. Por ser menor de idade, o adolescente teve a atitude anotada em um auto de infração por lesão corporal e deve ser levado a depor ainda esta semana.

Em 2016, o mesmo jovem já havia sido denunciado por lesão corporal contra a própria mãe e, em 2017, por ameaça contra um Conselheiro Tutelar, que acompanha o desenvolvimento do rapaz. Na ocasião, o jovem havia afirmado que daria um soco no rosto do profissional, tal como acabou fazendo com Friggi.
Ataques nas redes sociais
Junto com manifestações de solidariedade, a professora foi alvo de uma enxurrada de mensagens de ódio de pessoas que a culparam pelo incidente. Os internautas acusaram-na de ter feito comentários elogiosos à uma ovada desferida contra o deputado federal Jair Bolsonaro.

Nos comentários, ela leu que “apanhou pouco” e que “se a senhora e vários outros professores se preocupassem em ensinar ao invés de imbecilizar os alunos, cenas como essa não existiriam nas escolas. Você é cupada por incentivar o desrespeito, a falta de educação, o vitimismo e o coitadismo”.

Em resposta, a professora fechou suas páginas nas redes sociais para comentários. Antes disso, no entanto, afirmou em uma mensagem: “dilacerada ainda, mas em paz”.
Experiência cotidiana
A situação vivida por Friggi nesta segunda-feira é, segundo dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), uma experiência vivida por muitos professores brasileiros.

“Estou dilacerada por ter sido agredida fisicamente. Estou dilacerada por saber que não sou a única, talvez não seja a última. Estou dilacerada por já ter sofrido agressão verbal, por ver meus colegas sofrerem”, desabafou Friggi.
Além da falta de segurança para exercer a profissão, professores brasileiros são comprovadamente mal-remunerados. Outro levantamento da OCDE, de 2016, mostrou que os docentes dos ensinos fundamental e médio do país recebem menos da metade do que a média dos profissionais da educação dos 35 países membros da organização.
Os ferimentos físicos, causados por um aluno de 15 anos e documentados em foto, impressionam. Mas as agressões à professora não se encerraram aí. A exposição do caso nas redes sociais de Friggi desencadeou uma nova onda de ataques contra ela, conforme relatou a professora à BBC Brasil:
“Estou estarrecida. Certas pessoas estão escrevendo que eu merecia isso, por meu posicionamento político de esquerda, de feminista. Já atingiram o meu olho, mas não vão me calar. Na sala de aula é uma coisa, mas nas redes sociais tenho todo o direito de me expressar”, afirmou a professora, que se desdobra em dois empregos, nas redes municipal e estadual, para sustentar a família.
Com a voz embargada, Friggi definiu sua condição:
“Exerço uma das profissões mais dignas do mundo, com um salário miserável”.
A escola onde Friggi foi agredida, na qual leciona há quatro anos, dedica-se ao ensino de jovens e adultos.
“Somos agredidos verbalmente de forma cotidiana. Fomos [os professores] relegados ao abandono de muitos governos e da sociedade. Somos reféns de alunos e de famílias que há muito não conseguem educar. Esta é a geração de cristal: de quem não se pode cobrar nada, que não tem noção de nada”, lamenta.
Socos na escola
Conforme relatou em uma postagem no Facebook, já compartilhada mais de 321 mil vezes, Friggi foi agredida por um estudante durante a aula.
Ao pedir que o aluno colocasse um livro que estava entre as pernas sobre a mesa, a professora conta que foi xingada. Depois, o aluno jogou o livro em sua direção.
Ao encaminhar o jovem para a direção escolar, Friggi acabou alvo de socos e agressões.
“Ele, um menino forte de 15 anos, começou a me agredir. Foi muito rápido, não tive tempo ou possibilidade de defesa. O último soco me jogou na parede”, escreveu a professora.
Site:www.terra.com.br

Tentativas de feminicídio registraram aumento de 288,9% neste ano

O caso de um rapaz acusado de jogar a namorada nas rodas de um caminhão na EPTG aumenta as estatísticas de barbáries contra a mulher.

violencia
postado em 18/08/2017 06:00

Thiago Soares
No Hospital de Base do Distrito Federal (HBDF), uma mulher que ainda não teve a identidade revelada está à beira da morte. A jovem faz parte de uma estatística revoltante ligada à tentativa de femincídio. Na madrugada de ontem, ela foi atropelada depois de ser jogada pelo namorado contra contra um caminhão que trafegava no sentido Plano Piloto—Estrada Parque Taguatinga (EPTG). Depois do crime, Lucas Ribeiro Bragança, 21 anos, saiu correndo, mas foi capturado pelos ocupantes do veículo. Até o fechamento desta edição, ele estava preso na carceragem do Departamento de Polícia Especializada (DPE) da Polícia Civil. Apenas neste ano, de janeiro a junho, 35 mulheres sofreram tentativas de assassinato. Um acréscimo de 288,9% desse tipo de crime se comparado ao mesmo período do ano passado, em que 9 foram vítimas.

A tragédia de ontem ocorreu por volta da 1h da manhã, quando o caminhão de coleta de lixo do Serviço de Limpeza Urbana (SLU) se dirigia para o centro de distribuição na Cidade Estrutural. Essa seria a última viagem, mas os trabalhadores acabaram surpreendidos com o fato. O motorista, ainda a uma certa distância, percebeu que um casal discutia no canteiro próximo à pista. “Pela gesticulação dava para notar que eles brigavam”, relata o condutor, que trafegava a menos de 60km/h. Ao chegar mais próximo, o motorista levou um susto. “Percebi que ele foi para trás da moça. Em questão de segundos, o homem a arremessou contra o caminhão. Tentei desviar e não foi suficiente. Ela se machucou. Eu desci pra socorrer. Fiquei em choque com a situação”, destacou.

Depois disso, o acusado seguiu em fuga. Entrou correndo em um supermercado que estava em funcionamento. “Ele chegou falando que alguém estava querendo assaltá-lo. Só que depois dois homens entraram contando o que ele tinha feito”, detalhou um funcionário do estabelecimento. Algumas pessoas tentaram agredir Lucas, porém, os atendentes e caixas da loja impediram a ação. “O rapaz estava bem transtornado. Não dava para saber se ele tinha apenas bebido ou talvez consumido alguma droga”, contou. No momento havia alguns clientes na supermercado, que ficaram assustados com a situação. A Polícia Militar chegou ao local em pouco menos de 10 minutos. A mulher foi levada com urgência pelo Corpo de Bombeiros ao Hospital de Base.

Investigações

Para a Polícia Civil, não há dúvidas em relação ao caso. Lucas foi autuado por tentativa de feminicídio. Os investigadores não conseguiram identificar a vítima, uma vez que ela não possuía nenhum documento. Além disso, nenhum familiar havia comparecido ao hospital até o fechamento desta edição. “Estamos acompanhando o estado da vítima. A última informação que tivemos é que o estado de saúde dela ainda é considerado gravíssimo. Ela teve perda de massa encefálica e, caso sobreviva, o braço direito pode ser amputado”, revelou Paulo Henrique Almeida, delegado adjunto da 12ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Centro).
Leia mais notícias em Cidades

 www.correiobraziliense.com.br