PCDF investiga se mulher queimada em contêiner foi morta por ciúmes

O corpo encontrado carbonizado dentro de um contênier na noite de domingo (4/3), na QE 11 do Guará I, é de Sandra Rodrigues, 36 anos. O suspeito de matá-la foi preso nessa segunda (5), menos de 24 horas após o crime. Ele negou o homicídio, mas os investigadores da 4ª Delegacia de Polícia (Guará) afirmam ter encontrado provas contra ele. O assassinato com requintes de crueldade teria sido motivado por ciúmes.

A mulher era conhecida pelos moradores da região por dar aulas de capoeira para crianças carentes nos anos de 1990. No entanto, o envolvimento com as drogas a teria afastado dos projetos sociais. Ela deixou dois filhos.

De acordo com o delegado-chefe da 4ª DP, Johnson Kennedy, a vítima e o suspeito têm passagens pela polícia. Ela por tráfico, furto e dois roubos. O homem, identificado como Márcio do Nascimento Batista, 36, possui histórico por Lei Maria da Penha (violência doméstica) e dois furtos.
Relembre o caso
O corpo queimado foi encontrado pelos bombeiros. O cadáver estava carbonizado dentro de um contêiner na QE 11, próximo da agência do Banco do Brasil e da Igreja Congregação Cristã. A corporação foi chamada para a ocorrência às 19h05 e conseguiu controlar as chamas no local. As equipes responsáveis pelo atendimento ficaram surpresas ao encontrar a vítima.
Fonte: www.metropoles.com

Conheça a banca de Ivan Presença, um marco no coração do Conic

Entre poetas, músicos e cineastas, o local recebe leitores de todos os cantos e resiste no centro da capital federal e preserva a vocação cultural da cidade

MF Murilo Fagundes*

postado em 02/03/2018 06:00 / atualizado em 02/03/2018 08:59

Ver galeria . 8 FotosIvan Presença reúne mais de 200 mil publicações e 30 mil discos de vinil no Quiosque CulturalArthur Menescal/Esp. CB/D.A PressIvan Presença reúne mais de 200 mil publicações e 30 mil discos de vinil no Quiosque Cultural(foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press )


No coração do Setor de Diversões Sul, mais conhecido como Conic, vive um morador especial de Brasília. Ivan Presença, 69 anos, herda o sobrenome da primeira livraria da qual foi dono. Além dela, liderou o Café Belas Artes e, hoje, ocupa uma banca de livros chamada Quiosque Cultural, onde reúne mais de 200 mil publicações e 30 mil discos de vinil.

A rádio sintonizada toca MPB ou samba, ritmos musicais favoritos do livreiro, no quiosque de aproximadamente 5m². Ao som de Eu preciso dizer que te amo, de Dé, Bebel Gilberto e Cazuza, na voz de Marina Lima, Ivan mostra alguns de seus livros favoritos, entre eles, a biografia de Noel Rosa e o clássico Raízes do Brasil, de Sergio Buarque de Holanda, versão de 1963, da Universidade de Brasília (UnB).

Além das grandes obras literárias, o que enche Presença de orgulho é o fluxo de figuras do cinema, do teatro e da música que passam pelo local, inclusive poetas de outras unidades da Federação, como Luis Turiba, que mora no Rio de Janeiro. Os dois faziam parte da mesma geração de movimento poético, na época da revista Bric-A-Brac, editada por Turiba e cuja redação funcionava em cima da livraria de Ivan.

“Criamos um diálogo neste lugar. Trouxemos Cora Coralina, Manoel de Barros, Ferreira Gullar, o Prêmio Nobel de literatura José Saramago, Renato Russo, Cássia Eller”, elenca Turiba. “E, o mais importante, Augusto de Campos, que fez o primeiro espetáculo ‘Poesia é risco’, aqui no Conic. Quando eu venho a Brasília, se eu não passar pelo Conic, bater um papo, eu não vim”, completa o escritor.

O projeto da Livraria Presença, inaugurada nos anos 1980, logo foi interrompido, devido ao período de hiperinflação. Há 18 anos, Ivan decidiu retomar o trabalho e criou o Quiosque Cultural, na banca de jornal projetada por Oscar Niemeyer. Um dos sonhos dele é conseguir verba para melhorar o espaço e voltar a oferecer atividades culturais, sessões de autógrafo e rodas de conversa. Mais do que isso, deseja que se concretize o que ele chama de “revolução da leitura”, o que inclui a remuneração adequada dos mestres. “Os professores são a ferramenta que leva cultura para a sala de aula”, diz Ivan.

A apreensão do livreiro fica clara nos discursos acalorados, que, mesmo em tom cômico, são críticos. “Eu estou me sentindo péssimo. Primeiro com a política. Segundo, por estar desmonetizado para tocar uma livraria. Eu fico aqui com livros usados. Passa um, passa outro. Tem gente que me ajuda. E assim a gente segue”, afirma. “Eu e o Chiquinho, na Universidade de Brasília (UnB), ainda fazemos essa ‘marola’, mas a procura é mínima.”

Paixão pelos livros

Nascido no Rio de Janeiro, em 1949, Ivan frequentava a Biblioteca Central da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), no município Seropédica, quando ainda cursava o primário — equivalente ao ensino fundamental. Foi nessa época que se apaixonou pelos livros, organizados nas cristaleiras antigas do local. Aos 12 anos, começou a trabalhar como office boy e pediu aos funcionários que levassem gibis para ele e outros trabalhadores da mesma função lerem no tempo precioso.

Já no ginásio — hoje ensino médio — passou a pedir livros. Com o grande número de doações, uma das salas do 23º andar do edifício precisou ser transformada em biblioteca. “Foi fantástico. Era um tal de gente levar livro, trocar livro. Esse contato me motivou”, relata.

A presença na arte e na literatura da capital federal o tornaram também um cidadão brasiliense. “Nenhum será mais um coniquiano. Somente o Ivan o será”, dizem os versos que confirmam o título, pintados na obra de arte exposta no canto da banca, presente de um amigo, conhecido como Auroro. A conversa acaba, e Ivan Presença fecha a porta de metal grafitada da banca, às 17h, ainda a luz do dia. O poeta Turiba se despede e o ajudante Rafael Augusto confere a fechadura do quiosque. E amanhã será mais um dia de Presença no Conic.

Ao Ivan
Quiosque?
Que isso?
Que luxo!
Que hóspede.
Luis Turiba, versos especiais escritos para o Correio

*Estagiário sob supervisão de Mariana Niederauer
Site: www.correiobraziliense.com.br

Polícia Militar do DF aumenta número de vagas para mulheres e altera a data da prova

A retificação veio após recomendação do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT)

02/03/2018 10:43 | Atualização: 02/03/2018 12:08

Mariana Fernandes

OMDF/DivulgaçãoA Polícia Militar do DF (PMDF) divulgou, no Diário Oficial desta sexta-feira (2/3), retificação do edital que altera diversos pontos do concurso público que oferece 2.024 vagas. Entre eles, o aumento do número de vagas para mulheres, que concorrerão ao cargo de combatente, a data de aplicação das provas objetivas e discursivas e a inclusão da Lei Maria da Penha no conteúdo programático.

A retificação veio após recomendação do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT). Para o MP, a restrição de apenas 50 vagas para mulheres, do total de 500 para o cargo de soldado, e a ausência de vagas reservadas para negros e pardos são ilegais. Além disso, pediu a inclusão da Lei Maria da Penha na parte de conhecimentos específicos.

O documento, elaborado pelo Núcleo de Direitos Humanos e pela Promotoria de Justiça Militar do MPDFT, recomendou que seja retirado o limite de 50 vagas às candidatas para possibilitar que as mulheres concorram aos 500 postos disponíveis no certame e à formação de cadastro reserva de 1.500 vagas. No entendimento dos promotores de Justiça, “o edital violou os princípios da legalidade, razoabilidade e igualdade e criou obstáculos ao direito ao livre acesso a cargo público, assegurado nos incisos I e II do art. 37 da Constituição Federal”.

Ainda de acordo com o MP, a limitação a apenas 50 vagas para admissão imediata e 150 para formação de cadastro de reserva não atinge sequer a recomendação da lei nº 9.713/98 que limita às mulheres a até 10% das vagas disponíveis nos quadros da PMDF. Segundo o MPDFT, atualmente existem na PMDF apenas 911 policiais militares do sexo feminino, montante muito inferior ao previsto na norma legal, tanto considerando o efetivo previsto de 18.673 postos quanto os 10.038 no efetivo existente.

Em resposta, o Iades comunicou, nesta sexta-feira (2), que os pedidos de impugnação foram devidamente analisados e julgados pela banca e pelo Departamento de Gestão de Pessoal da Polícia Milita do DF e que alterações foram feitas.

O Iades informou também que os pedidos de impugnação, bem como as respectivas justificativas para o deferimento/indeferimento, encontram-se disponíveis para consulta pública na Central de Atendimento ao Candidato do Iades, a partir de 5 de março.

Confira as retificações publicas nesta sexta-feira (2) pelo Iades:

Edital de combatentes

O concurso destinado a combatentes da Polícia Militar oferece ao todo 2.000 vagas , sendo 500 imediatas e 1500 de cadastro reserva. Com a retificação, o número de chances imediatas para mulheres aumentou, passando de 50 para 73. Assim como a formação de cadastro de reserva, que antes era 150 e agora é 220.

Dessa forma, diminuiu o número de vagas disponibilizadas para homens. Agora são 427 oportunidades para provimento imediato de candidatos do sexo masculino. Antes, eram 450. Para formação de cadastro de reserva, diminuiu de 1350 para 1280. Confira aqui as alteraões completas.

O cronograma de execução e de divulgação dos resultados do concurso também foi adicionado no edital. A data provável para realização da prova objetiva e discursiva passa a ser 20 de maio de 2018. Antes, o edital previa a realização das provas em 6 de maio. As provas serão aplicadas no turno da tarde e com duração de quatro horas e trinta minutos.

Os testes de aptidão física serão aplicados de 12 a 19 de setembro. Já o resultado final do concurso está previsto para 29 de março de 2019. Confira aqui o cronograma completo.

A retificação do edital da PMDF inclui também no conteúdo programático das provas, entre outras coisas, a Lei nº 11.340/2006 – Lei Maria da Penha, dentro da disciplina de noções de direito penal.

Edital para músicos

O edital para vagas de músicos da PMDF também foi alterado. Dentre várias alterações realizadas, vale destacar a modificação no conteúdo programático exigido para as provas e a também inclusão da Lei Maria da Penha na disciplina de noções de direito. Confira aqui as alterações completas.

Informações de número de vagas e datas não foram modificadas. São seis vagas para músico e 18 para corneteiro, com inscrições até 26 de março, e previsão de que as provas sejam aplicadas em 29 de abril.

O resultado final do concurso para músicos deve acontecer em 19 de junho de 2019.

Inscrições

As inscrições estão abertas e podem ser realizadas pelo site do Iades, até o dia 4 de abril para combatentes e 26 de março para músicos. A taxa é de R$ 88.

O salário é R$ 5.245,41 mais R$ R$ 850 de auxílio-alimentação (soldado de primeira classe) e R$ 4.119,22 mais R$ 850 de alimentação (soldado de segunda classe).

Podem participar candidatos de nível superior de ambos os sexos, com 18 anos completos e no máximo 30 anos de idade até a data de inscrição, que tenham altura mínima de 1,65 (sexo masculino) e 1,60 (sexo feminino).

Além das provas objetivas, o certame ainda prevê teste de aptidão física, avaliação de exames médicos, psicológicos, investigação da vida pregressa e social do candidato e, para quem se inscrever para músico, haverá também uma prova prática instrumental.

Leia mais: PMDF está há seis anos sem renovar pessoal; novo concurso abre 2 mil vagas
Salário e possibilidade de ascensão são os destaques do concurso da PMDF, diz professor

3.400 vagas estão abertas em concursos para polícias civis e militares

A PMDF lidera com a maior oferta de vagas e a PCRS oferece o maior salário aberto

01/03/2018 12:18 | Atualização: 01/03/2018 12:34

Lorena Pacheco

Reprodução/Facebook

Cinco concursos públicos de polícias civis e militares oferecem juntos 3.400 oportunidades. O maior salário é pago pela Polícia Civil do Rio Grande do Sul, que oferece R$ 20.353,06 aos 100 primeiros colocados no cargo de delegado. Já a maior quantidade de vagas é liderada pela Polícia Militar do Distrito Federal, que abriu mais de 2 mil oportunidades para combatentes.

Polícia Militar do Distrito Federal

As inscrições já estão abertas! O concurso é organizado pelo Instituto Americano de Desenvolvimento (Iades) e oferece 500 vagas imediatas para combatente (sendo 450 para homens e 50 para mulheres), além de seis oportunidades para músico e 18 para corneteiro. O restante das chances são para formação de cadastro de reserva, sendo 1.350 postos para homens e 150 para mulheres.

O salário é R$ 5.245,41, mais R$ R$ 850 de auxílio-alimentação (soldado de primeira classe); e R$ 4.119,22, mais R$ 850 de alimentação (soldado de segunda classe). Podem participar candidatos de nível superior de ambos os sexos, com 18 anos completos e no máximo 30 anos de idade até a data de inscrição, que tenham altura mínima de 1,65 (sexo masculino) e 1,60 (sexo feminino).

A inscrição para combatentes deve ser feita até o dia 4 de abril, sob taxa de participação de R$ 88. As provas devem ser aplicadas em 6 de maio. No caso dos músicos, as inscrições vão até 26 de março, com provas em 29 de abril. Concorra aqui!

Leia também: Polícia Civil do DF aguarda autorização de 2,1 mil vagas para novo concurso

Polícia Civil da Bahia

Com salários que vão de R$ 3.915,85 a R$ 11.389,96, a Polícia Civil da Bahia divulgou o edital do concurso público para 1.000 vagas. Do total de chances, 82 são para delegado, 880 para investigador e 38 para e escrivão. Todas exigem formação em nível superior. As inscrições vão até 2 de março, por meio do site da Fundação para o Vestibular da Universidade Júlio de Mesquita Filho (Vunesp), banca organizadora do certame. A taxa é de R$ 140 ou R$ 160, a depender do cargo escolhido.

Polícia Civil do Rio Grande do Sul

Quem tem nível superior em direito pode concorrer ao concurso da Polícia Civil do Rio Grande do Sul. São 100 vagas para delegado de polícia. O salário, após o curso de formação, é de R$ 20.353,06. Os interessados podem se inscrever até 27 de março. A taxa de participação é de R$ 187,77.

Polícia Civil de Minas Gerais

Outras 76 chances também são para quem quer ser delegado, mas desta vez em Minas Gerais. A Polícia Civil do estado oferece salário inicial de R$ 11.475,57, para uma jornada de trabalho de 40 horas semanais, com regime estatutário, a quem é formado e direito. As inscrições poderão ser feitas de 16 de abril a 15 de maio, pelo site da Fundação Mariana Resende Costa (Fumarc), que é a banca organizadora da seleção. O valor da taxa é de R$ 212.

E mais: Delegacias das polícias civis e da Polícia Federal não têm servidores suficientes

Polícia Militar do Rio Grande do Sul

Quem tem nível superior em ciências jurídicas e sociais pode concorrer a uma das 200 vagas abertas no novo concurso da Polícia Militar (outras 50 chances são para o Corpo de Bombeiros Militar). As oportunidades são para ingresso no Curso Superior de Bombeiro Militar, que terá duração de até dois anos. Os órgãos ainda exigem que os candidatos tenham idade máxima de 29 anos, altura mínima de 1,65m se do sexo masculino e de 1,60m para candidatas do sexo feminino.

Após a conclusão do curso, o aluno-oficial será declarado capitão no Quadro de Oficiais de Estado Maior, e receberá remuneração de R$ 11.620,55, para 40h de trabalho por semana.

Quero curtir minha família, o que mais amo’, diz pai libertado após ser condenado injustamente por abusar dos filhos


Família se abraça após liberdade de pai (Foto: Reprodução/GloboNews)

Após quase um ano preso injustamente, o vendedor Atercino Ferreira de Lima Filho, de 51 anos, foi solto na manhã desta sexta-feira (2). Ele foi condenado a 27 anos de prisão por abusar sexualmente dos filhos quando eles tinham 8 e 6 anos e o Tribunal de Justiça de São Paulo o absolveu unanimamente nesta quinta-feira (1º).

“Gostaria de agradecer a Deus muito, a minha esposa, aos meus amigos. Quero ir para casa, comer uma pizza, cervejinha com meus amigos, curtir minha família, que eu mais amo e mais quero na minha vida”, disse ao sair da Penitenciária José Parada Neto, em Guarulhos, na Grande São Paulo.

Na saída do pai, a filha Aline disse que quer “valorizar cada minuto, cada segunda, porque família é o que a gente tem de mais precioso”.

A condenação foi fundamentada nos depoimentos dos filhos, que contaram ser obrigadas a mentir sobre os abusos para prejudicar o pai, que estava separado da mãe.

Atercino e a mulher se separaram em 2002 e os filhos Andrey e Aline ficaram sob a guarda da mãe, que foi morar na casa de uma amiga. Lá, os irmãos contam que sofriam maus tratos e fugiram de casa. Eles moraram em orfanato e quando saíram procuraram pelo pai e começaram uma batalha para provar a inocência dele.

Em 2012, Andrey registrou em cartório uma escritura de declaração em que afirmava que nunca havia sofrido abusos por parte do pai. “Eu, quando criança, era ameaçado e agredido para mentir sobre abusos sexuais.”
Atercino Ferreira de Lima Filho, de 51 anos, foi liberado após um ano preso injustamente (Foto: Reprodução/GloboNews)

Um projeto que começou nos Estados Unidos, Innocence Project, que tem a missão de tirar da cadeia pessoas que foram presas injustamente, ajudou a família.

Dora Cavalcati, diretora do Innocence Project, explica que os laudos da época da denúncia foram negativos para violência sexual. “Uma psicóloga forense atestou, depois de conversar longamente tanto com o Andrey quanto com a Aline, que eles não tinham nenhuma sequela de violência paterna por condutas de abuso sexual. [Atestou] que, ao contrário, eles foram crianças que cresceram em meio aos maus tratos infringidos pela mãe e pela companheira da mãe.”

Cronologia do caso:

2002

Atercino Ferreira de Lima Filho e sua mulher se separam. Os filhos Andrey, 8, e Aline, 6, vão morar com a mãe, na casa de uma amiga

2004

Ministério Público denuncia vendedor por abuso dos filhos quando ainda era casado

2012

Andrey registra em cartório que foi forçado a acusar o pai mediante maus tratos

2014

Caso chega ao Supremo Tribunal Federal e a ministra Rosa Weber rechaça pedido e pede que fatos e provas sejam reexaminados

2015

Aline faz declaração semelhante ao irmão negando os abusos

2017

Atercino é preso em abril, após o caso ser transitado em julgado. Os filhos, na época, moravam com o pai

2018

Atercino deve sair da Penitenciária José Parada Neto – Guarulhos I, onde cumpria pena

Polícia Civil do DF prende quadrilha que aplicava golpe do cartão em idosos

Polícia Civil do Distrito Federal faz operação na manhã desta quinta-feira (1º/3) para desarticular um grupo que aplicava golpes em idosos. A máfia investigada por cerca de cinco meses teria sacado R$ 500 mil das contas das vítimas. São cumpridos mandados de prisão, busca, apreensão e condução coercitiva.

Em 2017, o Metrópoles publicou uma série de matérias alertando sobre o golpe. Em maio, a reportagem conversou com quatro vítimas que tiveram prejuízo total superior a R$ 33 mil, apenas em abril do mesmo ano. Em uma das ocorrências, os estelionatários gastaram R$ 18 mil em lojas da cidade.
A fraude foi feita da mesma maneira nos quatro casos: de posse dos dados pessoais das vítimas, um criminoso entrou em contato e se identificou como funcionário da central de segurança dos cartões. O golpista, então, informou que havia sido identificada uma compra não usual com o cartão do cliente.

Ao dizer que não realizou a compra, a vítima era orientada a seguir instruções de segurança: digitar a senha do cartão no teclado do telefone, cortá-lo sem danificar o chip e escrever uma carta de próprio punho negando a suposta compra.

Os estelionatários asseguravam que o cartão estava cancelado e, portanto, outro seria enviado em breve. Ainda de acordo com informação dos fraudadores, um agente de segurança da operadora passaria na casa da vítima para recolher o envelope com o cartão cortado e a carta escrita manualmente.

Sem desconfiar que estava sendo enganado, o cliente entregava o chip

Sem desconfiar que estava sendo enganado, o cliente entregava o chip intacto. Dessa forma, os bandidos o instalavam em outro cartão e, então, realizavam compras, serviços, saques e empréstimos.

Ouça a ação de um golpista em uma gravação obtida pela polícia. O bandido, que conversa com uma mulher de Porto Alegre, é muito convincente:

“Nem desconfiei”
Uma aposentada de 68 anos, que pediu para não ser identificada, afirmou à reportagem que o suposto funcionário informou todos os seus dados pessoais. “Sabiam o meu nome completo, endereço e CPF. Nem desconfiei de que se tratava de um golpe, porque eles foram convincentes”, lembrou.

A moradora da Asa Norte disse que só se deu conta do crime após verificar um débito de R$ 18 mil na fatura do cartão de crédito.

“Trabalhei 36 anos para ter uma renda e tranquilidade ao me aposentar. Agora, estou no prejuízo. Depois que cancelei o cartão, ainda me ligaram novamente, tentando aplicar o mesmo golpe. Fiquei tão nervosa que estou tomando remédio para ansiedade. Eles sabem onde eu moro, roubaram meu dinheiro””
Vítima da quadrilha
Câmeras de segurança do prédio da aposentada registraram o momento em que um homem foi buscar o envelope com o cartão cortado e o chip na casa da vítima. O falso funcionário chegou por volta das 16h30 e se apresentou como Guilherme Carvalho. Ele estava com um capacete e forneceu até mesmo o número de um protocolo para a cliente.

Veja vídeo do criminoso que, em 12 de abril, se apresentou como Guilherme Carvalho e pegou o cartão de uma vítima. O suspeito está de camiseta branca sentado no banco ao fundo
Também em abril do ano passado, ao menos outros três moradores de Brasília caíram no golpe. Uma mulher ficou com dívida de R$ 6,8 mil. Desse total, R$ 6 mil foram gastos em um pet shop. O homem que foi buscar o cartão na casa da vítima também se apresentou como Guilherme Carvalho.

Outra vítima teve prejuízo de R$ 8,9 mil no cartão de crédito após seguir as recomendações dos estelionatários. Uma quarta pessoa enganada perdeu cerca de R$ 1,3 mil, pois percebeu a fraude e conseguiu cancelar o cartão antes que os criminosos fizessem novos gastos.

Todas as pessoas enganadas foram orientadas a escrever uma carta informando que o cartão havia sido clonado e não reconheciam as transações bancárias. Um homem foi até a residência delas e levou os respectivos cartões, cortados, mas com o chip intacto.

Crime organizado
Ainda em 2017, a Polícia Civil do Rio Grande do Sul fez uma operação para desarticular a quadrilha que aplicava o golpe no país. Batizada de Privilege, a ação mirou os crimes de estelionato e lavagem de dinheiro. Oito envolvidos no esquema fraudulento foram presos durante o cumprimento de 22 mandados judiciais no Rio Grande do Sul e em São Paulo.

Em cinco meses de apuração, foi confirmado que o grupo possuía um núcleo em São Paulo, local de onde eram realizadas as ligações para as vítimas de várias regiões do país. Os integrantes da organização criminosa deslocavam-se de São Paulo a Porto Alegre para realizar compras e saques. Na capital gaúcha, foram identificados e presos o responsável pela logística do golpe na cidade e a pessoa designada a repassar aos bandidos as informações e dados privilegiados das vítimas.

Conexão RS-DF
As fraudes praticadas em Brasília podem ter partido do mesmo grupo, acredita o delegado responsável pela investigação, Hilton Müller. “Quem desenvolveu esse golpe, há dois anos, foi Danilo Vinícius da Silva Rosário, 29 anos. Ele mora em São Paulo e está com prisão preventiva decretada”, afirmou Müller ao Metrópoles. “O perfil das vítimas também é o mesmo em todo o Brasil”, completou.

Ainda de acordo com a Polícia Civil, Danilo chegava a oferecer uma espécie de franquia criminosa em todo o país, comercializando a tecnologia que desenvolveu. Pelo “produto”, ele cobrava um percentual do valor roubado de cada cliente. Os crimes rendiam altos valores para a quadrilha. Só em Porto Alegre, o lucro estimado do bando ficou cerca de R$ 500 mil, roubados de um total de 29 vítimas.

Atenção!
As vítimas de estelionato devem entrar em contato com o banco, para que o cartão seja bloqueado e não haja mais danos, além de registrar a ocorrência na Polícia Civil. A notificação pode ser feita em qualquer delegacia, ou na internet.

O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) destaca que qualquer movimentação realizada depois da clonagem de um cartão de crédito ou cheque é de inteira responsabilidade do banco.
Se o caso não for solucionado, a vítima pode recorrer ao Instituto de Defesa do Consumidor (Procon) ou entrar com ação no Juizado Especial Cível.

Dicas
• Não use senhas óbvias, como datas de nascimento de parentes próximos
• Troque as senhas periodicamente
• Não confie em mensagens eletrônicas e telefonemas que pedem sua senha. Bancos e operadoras de cartão não solicitam essas informações por e-mail
• Antes de digitar a senha, verifique se o valor da compra foi digitado na máquina de cartão
• Confira frequentemente o extrato bancário
• Não perca o cartão de vista ao fazer compras em lojas físicas
• Procure buscar o cartão na agência em vez de pedir que seja entregue em casa
• Verifique se o antivírus do computador está atualizado antes de comprar pela internet. Ele impede a invasão de hackers que podem roubar dados bancários
Site:www.metropoles.com

Polícia apreende carro e bens de família que arrecadou dinheiro com campanha para ajudar bebê em SC

Polícia apreende carro e bens de família que arrecadou dinheiro com campanha em SC

A Polícia Civil apreendeu na manhã desta quinta-feira (1º) um carro avaliado R$ 140 mil, celulares, alianças no valor de R$ 7 mil, relógios e outros objetos na casa da família do menino Jonatas, que sofre de uma doença degenerativa rara, em Joinville, no Norte catarinense.

Os pais são investigados por suspeita de terem usado parte das doações arrecadadas pela campanha “AME Jonatas” para pagar luxos. A NSC TV não conseguiu contato com a família e nem com o advogado.

A campanha arrecadou quase R$ 4 milhões. Jonatas, de 1 ano e 8 meses, tem atrofia muscular espinhal (AME) e as doações foram pedidas para pagar a primeira parte do tratamento da criança.

O mandado de busca e apreensão foi cumprido pelos policiais civis por volta das 6h. A delegada responsável pelo caso, Geórgia Bastos, disse à NSC TV que a ação policial faz parte do inquérito e que na sexta-feira (2) a Polícia Civil vai informar o andamento da investigação.

Menino Jonatas sofre de Atrofia Muscular Espinhal (Foto: Reprodução/NSC TV)

Menino Jonatas sofre de Atrofia Muscular Espinhal (Foto: Reprodução/NSC TV)

Investigação

A Justiça bloqueou em janeiro, de forma liminar, os valores levantados com a campanha, a pedido do Ministério Público de Santa Catarina. O MPSC argumentou que tinha recebido informações de que o dinheiro doado na campanha estaria sendo usado para bancar luxos, como uma viagem para passar o réveillon em Fernando de Noronha e a compra de um carro de R$ 140 mil.

O Ministério Público também justificou o pedido do bloqueio porque o casal não estava cumprindo acordo feito em audiência em outubro de 2017 para que prestasse contas dos recursos arrecadados e despesas.

Em fevereiro, a Polícia Civil abriu inquérito para investigar o caso, a pedido do MPSC. No mesmo mês, a Justiça negou pedido da família para desbloquear os recursos conseguidos com a campanha.

· JOINVILLE
Site:https://g1.globo.com

Trem do metrô que descarrilou apresentou falha nos freios antes do acidente


Segundo a assessoria do Metrô/DF, o trem que saiu dos trilhos, na manhã desta quarta-feira (28), apresentou falha nos freios pouco antes do acidente. Por isso, os passageiros que seguiam viagem nele tiveram de descer na estação Águas Claras. O descarrilamento aconteceu depois disso, quando o condutor levava o trem para a área de manutenção, na mesma estação.

A empresa, no entanto, não confirmou que esse problema no freio foi o motivo de o trem sair dos trilhos. A perícia ainda avalia essa possibilidade. No fim da amnhã, os esforços eram para tirar o trem do caminho. Depois disso, os trilhos passariam por manutenção.

Segundo o diretor do Departamento de Manutenção e Operação do Metrô/DF, Carlos Alexandre Cunha, será preciso desconectar os carros do veículo danificado e encaminhá-los ao parque de manutenção da estatal. Depois, realinhar os trilhos da via, que também foram afetados.

O serviço deve durar todo o dia e a madrugada.
A previsão é de que o metrô volte a funcionar normalmente amanhã. Ou seja, a volta para casa de quem trabalho no Plano Piloto e ora em Águas Claras, Ceilândia e Samambaia deve ser complicada.

No começo da tarde, os carros que saíam de Samambaia e Ceilândia seguiam apenas até Águas Claras, e vice-versa. A partir da estação Guará, os trens seguem para a estação Central, na Rodoviária do Plano Piloto. A estação Arniqueiras é a única que não está funcionando.

De acordo com o tenente Daniel Oliveira, do Corpo de Bombeiros do DF, toda a estação está desativada e com a energia desligada para evitar acidentes. “Os trilhos ficaram danificados e a frente do painel do trem também. A parte metálica foi a mais danificada”, completou. “De Águas Claras até Ceilândia esquece. Isso não será consertado hoje”, frisou o tenente.

Impacto no trânsito

O diretor Carlos Alexandre Cunha não descartou o impacto no trânsito devido à interrupção da estação Arniqueiras. Com isso, Cunha acionou o Departamento de Trânsito do Distrito Federal (DFTrans) para desafogar a demanda na região. “Será intenso e não temos previsão de término dos trabalhos. Esperamos finalizar a retirada ainda hoje, mas, se for necessário, estendemos durante a madrugada”, completou o diretor.

Nas redondezas da estação Arniqueiras, o Batalhão de Trânsito da Polícia Militar (BPTran) está fazendo o controle das vias. Os militares estão tentando contato com os donos dos veículos estacionados na região para evitar que haja congestionamentos.
Site: www.correiobraziliense.com.br