Dor interminável

O ex-caseiro e a ex-doméstica responderão por homicídio qualificado, furto, ocultação de cadáver, estupro e atentado violento ao pudor. As investigações policiais apontaram que eles atacaram Maria Cláudia na manhã de 9 de dezembro de 2004, quando ela saía de casa. A barbárie cometida pela dupla incluiu violência sexual, esfaqueamento e estrangulamento. Eles ainda enterraram o corpo da jovem dentro da própria residência.

Para a família, restou a angústia. A lentidão do julgamento se explica pela estratégia adotada pelos advogados dos acusados, que recorreram da decisão de levar o caso a júri popular. O processo está no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e será retomado depois de esgotados os recursos. Apesar do aniversário de Maria Cláudia, os familiares evitarão cerimônias. “Ficaremos mais reclusos, por causa de uma dor que nunca termina”, afirmou o pai da jovem, o professor Marco Antônio Del’Isola.

Caso Isabela Tainara
Para a família de Isabela Tainara Faria, estudante de 14 anos morta em 14 de maio, a indefinição é ainda maior. Pouco mais de dois meses após o crime, a polícia não identificou o responsável pelo assassinato da adolescente. Policiais militares encontraram os restos mortais da vítima num matagal em Samambaia. O caso está com a Delegacia de Homicídios.