Pedido de justiça no dia da saudade

pedagoga Cristina Maria Del’ Isola e Marco Antônio Del’ Isola, levaram faixas e panfletos. Eles clamaram por mudanças no Código Penal Brasileiro. “Este ato é pela vida. Mas queremos lembrar que está próximo do julgamento e pedimos que a justiça seja feita. E não pedimos apenas pelo caso dela, mas para que os culpados de crimes sejam punidos com rigor”, disse Cristina Del’ Isola.

O caseiro Bernardino do Espírito Santo Filho e a empregada doméstica Adriana Jesus dos Santos enfrentarão o Tribunal do Júri de Brasília em 12 de novembro.. Ontem, no Campo da Esperança, participaram do ato pais e amigos do estudante João Cláudio, morto a socos na saída de uma boate na 411 Sul , em 2000 e parentes do estudante de direito Paulo Roberto Rosal Filho, 24 anos, morto na saída de uma festa no clube AABB, em 13 de janeiro.

Eles caminharam com faixas da entrada do cemitério até o cruzeiro,na zona central. Lá eles rezaram juntos. “Essa união é importante porque mostra para a sociedade que sempre esperamos por justiça. No caso do meu filho, que ocorreu há sete anos, um dos acusados está solto”, lembrou Silvana Maria Cardoso Leal, mãe do estudante João Cláudio

 

Perdas que chocaram  Familiares de Isabela Tainara também estiveram no Cemitério Campo da Esperança. Por volta das 11h30, tios e primos da garota se encontram para rezar de mãos dadas. A garota foi encontrada morta em junho, em um matagal próximo à Samambaia e o culpado não foi encontrado. A chuva acabou por atrapalhar a oração. “Viemos rezar um pouco por ela. Iríamos ficar mais e fazer outras visitas mas a chuva está forte”, contou Elisângela Tomás, 22 anos, prima de Isabela. A mãe de Elisângela, Esmeralda de Fátima Tomás, 49 anos, contou que os pais de Isabela Messias Raimundo Faria e Edite Faria estiveram no início da manhã e levaram flores.

Durante todo o dia, um dos túmulos mais visitados foi o de Ana Lídia Braga. A garotinha foi encontrada morta em 11 de setembro de 1973, quando tinha 7 anos. O caso permanece sem solução até hoje. A menina teve os cabelos cortados rente ao couro cabeludo. Havia escoriações em seu corpo e manchas roxas. O corpo dela foi encontrado a menos de 1km do Colégio Madre Carmem Salles, na 604 Norte, onde Ana Lídia estudava.

Ontem flores, velas e muitos presentes como caixas com bonecas, roupas, jogos e kits de panelinha para brincar de cozinha foram deixados em cima do túmulo de Ana Lídia. “Sempre venho aqui para rezar por ela. E também peço. Tem gente que conta que ela atende alguns pedidos”, disse a autônoma Fátima Gomes, 44 anos.

Ao observar o mimos para Ana Lídia, um grupo de 12 moradores de rua, entre jovens e crianças, tentaram pegar os presentes. Pessoas que rezavam por Ana Lídia ao lado do túmulo tentaram impedir. A segurança do Campo da Esperança foi acionada e conseguiram recuperar os brinquedos. De acordo com Franco Duarte, responsável pela segurança do Cemitério Campo da Esperança, todos os anos a segurança tem o cuidado de recolher os brinquedos para evitar que sejam levados por moradores de rua. “Os brinquedos são recolhidos e entregues a entidades carentes”, explicou Franco.

Outros túmulos que também receberam muitas visitas foram os do jornalista Mário Eugênio e a Praça dos Pioneiros onde está a cova de Juscelino Kubstichek. “Eu venho todos os anos agradecer pela capital federal. Eu vim pedir para Juscelino cuidar da cidade. Está acontecendo muitas tragédias”, contou a paraibana Irani Augustinho Fernandes de Lima, 60 anos, depois de rezar por JK.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fotos: Kleber Lima/CB
 {mosimage}
União
Familiares caminharam com faixas e distribuíram panfletos pedindo punição para os acusados de praticar crimes violentos. Em seguida, rezaram no túmulo de Maria Cláudia:Unidos na dor de tragédias semelhantes
 {mosimage}
Isabela Tainara
Os pais da estudante estiveram no cemitério por volta das 7h. No final da manhã, tios e primos se reuniram numa oração e lembraram da garota, morta em maio deste ano. O criminoso ainda não foi identificado
 {mosimage}
Ana Lídia
Um dos mais visitados do Campo da Esperança, o túmulo da garota ficou repleto de flores, brinquedos e mensagens. Há quem acredite que ela realiza milagres. A polícia também não encontrou o assassino