Criminalidade

Não posso calar minha revolta com a informação de que a Adriana, a assassina bárbara de Maria Cláudia, ficará apenas mais uns dois anos na cadeia, embora condenada a 58 anos de prisão. Trata-se de um escárnio para com a população, além de um estímulo para a ação criminosa. É a impunidade em estado puro. Não faz qualquer sentido que um criminoso de alta periculosidade, um facínora condenado por crime hediondo, possa se safar da cadeia com um sexto da pena. E seria estultice dizer que ele continua preso, embora em regime semi-aberto. Conhecem-se centenas e centenas de crimes bárbaros cometidos justamente por esses pretensos presidiários. A verdade é que a legislação de execuções penais brasileira transformou os presídios em imensas peneiras, de onde é incrivelmente fácil escapar. Basta ver os saidões, em que se despejam criminosos nas ruas. Quantos novos crimes não são cometidos por eles nesses momentos? Existe uma ficção chamada de bom comportamento, que deveria, em tese, impedir a saída de parte desses delinqüentes. Não serve para nada, uma vez que se trata de conceito meramente cartorial, aplicado pelo Judiciário sem que se dê maior atenção ao potencial de periculosidade dos detentos. O resultado é que temos gastos inacreditáveis para gerir um sistema que apenas recoloca nas ruas os bandidos a custo capturado pela polícia. José Alberto de Souza, por e-mail Lago Sul Acompanho os debates em torno do Parque Canjerana e quero dizer que a comunidade tem o dever de lutar até o fim para preservar essa área. É uma das poucas matas ciliares que subsistem na região central de Brasília e, como se dizia no passado, “o preço da liberdade é a eterna vigilância”. Conhecem-se os esforços de grileiros para ocupar essa região, que seria verdadeiro filé mignon para eles. Agora sabe-se também que o próprio governo pensa em lançar sua garras sobre a mata para transformá- la em uma área depenada, cheia de prédios vagabundos e estacionamentos. Se dependermos dessa gente, nosso verde desaparecerá. Atílio Balbinotti, Lago Sul