MARIA, DE TANTOS NOMES…

 

 

Maria é na simplicidade; simplesmente Maria, no acolhimento de sua vida missionária; simplesmente Maria, na alegria de realizar o projeto de Deus na vida de seu povo; simplesmente Maria, na força profética da comunicação da verdade e da justiça; simplesmente Maria, na fidelidade à ressurreição diante de tantas feridas sociais abertas que matam a vida; simplesmente Maria. Entretanto, a humanidade não se conteve em chamá-la tão somente de Maria e, portanto, adjetivou tantos títulos que marcam e protagonizam; no presente histórico, sua passagem pelo mundo como mulher e mãe cuidadora e, num futuro próximo, todos possamos comunicar seu testemunho promotor de vida, diante de uma humanidade que continua gritando pela defesa da vida: Por todas as pessoas que sofrem os mais variados riscos de vida, afinal não abrem mão de sua fé, de seus valores, princípios humanitários: religiosos, culturais, éticos, políticos e econômicos;  Venha em nossa causa Nossa Senhora “Das Graças”, “Do Amparo”, “Da Luz” “Da Vitória”, “De Fátima”, “De Lurdes”, “De Aparecida”, “Das Dores”, “Dos Pobres”, “Dos Peregrinos”, “Mãe Dos Órfãos”, “Maria, Boa Mãe”…

 Dentre os diversos e diferentes nomes, um dos que melhor representa a pessoa de Maria está reservado na expressão de um vocábulo bem pequeno, todavia carregado de conteúdo religioso e profundamente significativo: fé. Este monossílabo tônico dá o tom da singularidade, força e grandeza da vida dessa mulher, que soube acolher o plano do Criador em suas entranhas (ventre grávido de vida) e co-responsabilizar-se pelo cuidado com a criatura humana, (arte do Sagrado) e todas as suas manifestações vivas, porém maculada, muitas vezes, por mãos que se dizem humanas, mas que violentam e matam o desabrochar do divino na história de vida da pessoa, que tem sua vida interrompida, estancada de pulsações de amor, alegria, sonhos, vida. 

Maria, te chamamos por tantos nomes, em diversos e diferentes locais, por meio de  nossas orações pessoais e coletivas, assim como fazemos na dinâmica e meditação de nosso terço e nas reflexões sobre seu testemunho de fé e vida, no dia 09 de cada mês. Num ambiente de família, do mesmo modo que preservaste a tua, a de “Nazaré”, nos reunimos, com o mesmo espírito dos apóstolos no Cenáculo, à espera de tuas palavras de sabedoria, luz, força, a fim de retomarmos nossa missão de defensores da vida, como nos alertam os bispos do Brasil, por meio da Campanha da Fraternidade deste ano. Nessa perspectiva nos unimos à missão mariana, que salvaguardou a vida antes mesmo de ser gerada em seu ventre, acolhendo-a como verdade, profetizando-a em nome de Deus e acolhendo-a como amor-vida.

 

Germano Costa

(Por ocasião do dia Internacional da Mulher – 08/03/2008

À  luz da presença e ação de Maria no mundo)


O texto acima é do Professor de Filosofia Germano Costa, membro do movimento Maria Cláudia pela paz. Dedicado ao DIA INTERNACIONAL DA MULHER, HOMENAGEIA POR MEIO de MARIA, NOSSA MÃE SAGRADA, TODAS AS MULHERES DO MUNDO QUE CONTRIBUEM COM SUA FORÇA, SUA DIGNIDADE, SEU CARINHO E SABEDORIA PARA A PAZ DO UNIVERSO.