Pai que fez bebê refém diz que só cometeu o crime porque estava drogado

www.correiobraziliense.com.br

Roberta Abreu
Publicação: 29/05/2012 22:01 Atualização: 29/05/2012 22:34
Em depoimento na delegacia na noite desta terça-feira (29/5), o homem que manteve a filha bebê em cativeiro por mais de 14 horas afirmou que só praticou o crime porque estava drogado. Segundo Jardelson Freitas de Sousa, ele teria consumido 5 gramas de cocaína na noite de ontem. De acordo com a Polícia Militar, ele usou drogas durante a tarde em que manteve a criança de um ano e dois meses refém, em Samambaia Sul. No cativeiro, a polícia encontrou uma faca e um revólver calibre 38 carregado. “Ouvi vozes que diziam que iriam me matar”, contou o homem.

Saiba mais…
Pai entrega bebê depois de mais de 14 horas de cativeiro, em Samambaia Homem que sequestrou a filha há mais de 14 horas está fechado em quarto Irmã de suspeito tenta negociar liberação de bebê mantido em cárcere Cárcere privado em Samambaia Sul já dura mais de seis horas Homem, que mantém a prórpia filha em cárcere, teria tentado matar a mulher Homem invade residência e faz a própria filha refém em Samambaia Sul
A polícia informou que conseguiu encurralar Jardelson em um quarto, monitorado por uma câmera. “Estávamos conversando com ele, através da porta. Empurramos o móvel usado como barreira, percebemos que ele estava sem as armas e que a criança estava deitada na cama e entramos”, contou o Tenente Coronel Marcilon Back.

Sousa já tem cinco passagens pela polícia e foi levado para a 32ª DP (Samambaia). Nesta quarta-feira (30) deve ser conduzido para o Departamento de Polícia Especializada (DPE). O homem se defendeu dizendo que não fez a menina refém e que não deixou a criança sem alimentação. “Ela tomou três mamadeiras ao longo dia”, contou aos jornalistas. “Falei que, no susto, poderia fazer algo que não queria. Contra mim mesmo, não contra a menina”, disse.

Segundo a polícia, ele teria discutido com a esposa durante a madrugada. Assustado com a chegada da PM, acionada pela mulher, ele disse a ela que se mataria. Ela conseguiu escapar e ele fez a criança refém. Segundo o delegado-chefe Mauro Aguiar (32ª DP), ele vai responder por sequestro e cárcere privado, porte e disparo de arma de fogo e também pode ser enquadrado na lei Maria da Penha (que trata de violência a entes familiares). Se condenado, pode pegar de três a doze anos.

A criança foi examinada e passa bem, já na companhia da mãe.