Hemocentro de Brasília recebe doadores às vésperas do réveillon

Período do fim de ano é propício para aumento na demanda de sangue devido a acidentes

postado em 27/12/2014 16:06

Agência Brasil

Mesmo com a proximidade do fim do ano o Hemocentro de Brasília continua recebendo doadores de sangue. Neste sábado (27) o comerciante Diego Florentino foi fazer a doação pela primeira vez com a esposa. “Eu e minha esposa, a gente sempre falava em doar e nunca dava tempo. Era sempre muita correria. Hoje estávamos em casa e resolvemos vir”. Ele acredita que ajudar a manter o estoque de sangue nesta época de fim de ano é importante. “Tem muito acidente, muita gente precisa e pouca gente doa porque tem muita gente fora da cidade, então acho bacana e quero tornar isso regular”.

O gerente do ciclo do doador do Hemocentro de Brasília, Rodolfo Duarte, confirma a percepção de Diego. Ele conta que historicamente o fim de ano é um período complicado para os hemocentros. “É uma época que tem bastante feriado e historicamente a população tende a viajar e acaba esquecendo de passar no hemocentro antes de pegar a estrada e deixar a sua bolsa de sangue”. Duarte conta que este ano os brasilienses doaram regularmente e por isso, diferente de outros anos, o abastecimento dos hospitais está sendo mantido. “Isso, graças à boa vontade da população que tem comparecido e não tem deixado faltar. Esse ano nós conseguimos fazer boas campanhas de captação e conscientizar a nossa população. Nós temos conseguido o abastecimento de 100% dos hospitais”.

Saiba mais

Mas nem por isso a população pode deixar de doar já que, neste período pode haver um aumento na demanda de sangue devido a acidentes, por exemplo. “Por isso que a gente sempre reforça que nessa época, antes de viajar, que as pessoas passem, façam esse gesto de carinho, deixem uma bolsa de sangue para aquela pessoa que vai precisar”.

Leia mais notícias em Cidades

A bancária Vanessa Mota aproveitou o sábado para fazer sua parte. Doadora regular, ela vai ao hemocentro a cada três meses, prazo estabelecido para as mulheres. “Hoje vou fazer uma doação especificamente para o hospital da criança”. Ela conta que tenta incentivar os amigos. “É gratificante. É gostoso saber que você ajudou uma pessoa. Você ajuda e acaba se ajudando também. O bem que você faz acaba voltando para você”.

E para lembrar os doadores de irem ao hemocentro da capital federal, desde julho deste ano é possível baixar um aplicativo de celular. É o Doe Sangue, disponível para Android, IOS e Windows Phone. “Esse aplicativo é bastante útil para ajudar o doador a se organizar com relação às suas doações. Além de ser uma linha direta com a Fundação Hemocentro de Brasília, pois nós conseguimos mandar mensagens para os aparelhos de uma forma gratuita para os doadores” explica Duarte. O Diego, por exemplo, não conhecia esta opção mas gostou da ideia. “Acho bacana. Não conhecia e vou procurar saber”.

Com as mensagens é possível contatar pessoas com um tipo específico de sangue, por exemplo. “A gente pode fazer esse filtro por tipo que mais necessitada no período”. Para o usuário, o aplicativo também traz vantagens. Ao cadastrar a data da última doação, a pessoa recebe um aviso de quando pode fazer uma nova visita ao hemocentro. Outra função é calcular a nova data após um período de restrição, por exemplo. “Nem sempre o doador pode doar naquele dia então ele reporta a inaptidão daquele dia e o próprio aplicativo faz a contagem de tempo para informar para o usuário quando que a inaptidão termina e ele pode voltar a fazer suas doações normalmente”.

A expectativa é de que com o aplicativo cada vez mais pessoas passem a doar regularmente. E é exatamente a fidelização, um dos aspectos mais importantes e por isso o Hemocentro investe em diferentes campanhas. Tudo para incentivar a doação. “Nós acompanhamos [o doador regular] ao longo do tempo, ao longo da vida e nós podemos ir orientando e passando informações mais precisas para que ele possa se preparar melhor e fazer uma doação de maior qualidade”, explica Duarte. O gerente aproveita para agradecer as pessoas compareceram ao Hemocentro durante todo o ano de 2014. “Agradecer em nome da sociedade, em nome da Fundação Hemocentro de Brasília e que mantenham essa parceria conosco e continue comparecendo no ano de 2015”.

Para doar é preciso ter entre 16 e 69 anos. Rodolfo lembra que quem tem entre 16 e 18, precisa de autorização dos pais ou responsáveis. Há recomendações quanto ao peso, ingestão de alimentos e prática de atividades físicas, colocação de piercings e tatuagens. Para saber mais sobre os critérios para doação e horários de funcionamento, basta acessar o site do Hemocentro ou ligar no telefone 160, opção 2. “A doação é um ato extremamente seguro e todo sangue doado é reposto em poucos dias. E a pessoa sai em bom estado”, reforça o gerente.