SER MULHER EM TEMPOS DE GUERRA

A batalha que temos travado todos os dias, no tempo limite do que somos obrigadas a encarar na convivência humana, só nos engrandece quando comparadas à mulheres célebres que mereceram o paraíso, como as operárias de uma fábrica de tecidos da cidade de Nova Iorque, nos Estados Unidos, que no dia 8 de março de1857, ao reivindicarem melhores condições de trabalho, foram trancadas na fábrica e incendiadas, ocasionando a morte de130 delas. Sua luta fez com que aquela data se transformasse em homenagem a todas as mulheres de bem.
Estamos atentas para o fato de que ainda vivemos num tempo em que a falta de bons exemplos, a incoerência nas falas, a indisciplina das ações, a ntolerância e outras mazelas da contemporaneidade nos cancerizam, onde “quimios e radios” já não surtem efeito e restam apenas “morfinas” para amenizar nossa dor cotidiana.
Quem há muito não lembra que é preciso prevenir para não ter que remediar quando o assunto é o que há de mais precioso: a vida humana? Toda violência de que é vítima a sociedade parece não ser suficiente para que providências objetivas sejam tomadas. A hipocrisia, tão bem representada por alguns membros das diversas classes de autoridades brasileiras, incapazes de se colocarem no lugar de qualquer mortal trabalhador decente (pois lhes falta capacidade para saber quanto custa ser honesto), está a cada dia ferindo de morte os inocentes, os justos. Esses senhores e senhoras, donos de diplomas eleitorais e/ou profissionais, que não honram seus cargos, deveriam ter seus títulos cassados pois matam tanto quanto assassinos em série, quando adoecem, enganam, engessam, roubam, incapacitam, acovardam e debilitam toda uma nação.
Chegou mais um dia 8 de março …
Como tantas outras mulheres feridas, frustradas, agonizantes, preocupadas com o futuro do país, de filhos gerados, tão amados e muitos deles arrebatados de nosso convívio, de maneira cruel, sinto que a impunidade aniquila o Brasil e me pergunto: Até quando meu Deus teremos que suportar?
Mais um dia 8 de março em que mulheres do mundo inteiro são lembradas e homenageadas como seres que não param de lutar por causas verdadeiramente humanas, por vezes tão solitárias, a grande maioria abdicando da sua própria vida em favor do próximo, tamanha a capacidade de resignação, de sensibilidade, de superação, de força, de amor verdadeiro…
Neste dia, e em todos os outros, elevemos nosso pensamento à Maria, nosssa Gloriosa Mãe, lembrando nestes tempos difíceis do seu exemplo sábio de determinação e coragem. Peçamos a ela que ouça nossa súplica, abençoando-nos com seu manto sagrado, fortalecendo-nos para que nossas ações dedicadas à paz se frutifiquem.
Com ternura,
Cristina Del’Isola