Histórias de vida de funcionários do Metrô são contadas em exposição

Objetivo é aproximar a população dos trabalhadoresPassos acelerados cruzam as estações. Quase sempre, um bom dia ou boa tarde é engolido pela pressa de chegar mais rápido. São 150 mil usuários por dia no metrô. Milhares de pés apressados. Do outro lado, fazendo a engrenagem girar, há 1.050 mil funcionários divididos nas cidades onde chega o Metrô. A Estação Central da Rodoviária, normalmente cinza e sem espaço para pausas, ganhou cores especiais ao exibir fotos e relatos sobre funcionários da Companhia do Metropolitano do Distrito Federal (Metrô-DF). Os cartazes fazem parte da exposição Retratos do Metrô, que busca mostrar à sociedade como é o dia a dia e a história de vida de quem trabalha no serviço metroviário. As fotos são de Paulo Barros, os textos são assinados pelo jornalista Marcelo Abreu e a produção ficou a cargo de Márcia Felícia.

Exposição

A Estação Central da Rodoviária, normalmente cinza e sem espaço para pausas, ganhou cores especiais ao exibir fotos e relatos sobre funcionários
Até 5 de outubro, os passageiros poderão conferir testemunhos e imagens de 30 profissionais nesse espaço. Depois, a exposição segue para as outras 23 estações. A mostra é parte da programação da Semana Nacional de Trânsito — comemorada entre 18 e 25 de setembro — e do Dia Mundial sem Carro, celebrado ontem. Enquanto compravam bilhetes, esperavam o trem e torciam para arranjar um lugar, muitas pessoas interromperam a correria cotidiana para admirar as histórias de luta dos trabalhadores que tornam possível o transporte metroviário na capital federal. “Achei interessante. A gente normalmente não pensa em quanta gente está por trás dos serviços, ainda mais com relatos assim”, comenta a funcionária pública Lilian Pereira, 46 anos. Nos corredores da Estação Central, os moradores da capital federal podem conhecer a trajetória de Inalba Maria Morais Galvão, 51 anos, a primeira piloto mulher do metrô. “Eu me sinto privilegiada por representar meus colegas, fiquei orgulhosa em ser escolhida para aparecer na exposição, é uma forma de humanizar nosso trabalho. Nem no meu aniversário recebi tantas mensagens positivas”, diz. Ela espera que, com a exposição, as pessoas percebam o próprio potencial.

A primeira fase da exposição foi interna, apenas para os funcionários. Agora, é a vez de o público conhecer mais sobre quem trabalha por eles. “Quem passava pelos corredores do prédio principal da administração do Metrô não tinha oportunidade de conhecer nada sobre o órgão ao andar por ali. Então, há três meses, tivemos a ideia de mostrar as histórias das pessoas que trabalham no metrô”, explica o presidente do Metrô-DF, Marcelo Dourado, 56 anos. Textos e fotos da mostra estão disponíveis em: www.metro.df.gov.br..

Site:www.correiobraziliense.com.br