Exército lamenta e se solidariza com família de jovem morta na UnB

“Estamos dando o apoio necessário a família, caso necessite”, diz nota divulgada pelo Exército.

Douglas Carvalho – Especial para o Correio
O Exército Brasileiro lamentou a morte da estudante de biologia da Universidade de Brasília (UnB) Louise Ribeiro, 20 anos, que estava desaparecida desde a noite de quinta-feira (10/3). Em nota divulgada na tarde desta sexta-feira (11/3), o chefe da Divisão de Relações com a Mídia do Centro de Comunicação, coronel Ulisses Gomes, diz que a força militar vai aguardar o término das investigações.

“O Exército lamenta e se solidariza com a família neste momento. Estamos dando o apoio necessário à família, caso necessite. A família está sentida”, publicou. O coronel acrescentou que o pai da jovem, o tenente Ronald Ribeiro, 49, atua no gabinete do comandante do Exército no Setor Militar Urbano (SMU) e é militar há aproximadamente 30 anos.

Louise Ribeiro foi vista pela última vez por amigos da UnB, por volta do meio-dia de quinta-feira, quando seguia para o estágio no Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama), na L4 Norte. Segundo familiares, ela chegou a entrar em contato por volta das 20h, por telefone, dizendo que iria a uma pizzaria na 404 Sul e depois não deu mais notícias.

O capitão Silva, da Polícia Militar, afirmou que o suspeito confessou ter ligado para a vítima dizendo que ia se matar e que só ela poderia evitar. Eles marcaram um encontro no laboratório de biologia da UnB. Lá, ele usou uma substância química para fazer com que ela desmaiasse. Depois, segundo o relato do autor do crime aos policiais, ele a asfixiou e jogou o corpo em um matagal. O suspeito está detido pela Polícia Civil para averiguações.

O enterro da jovem deverá acontecer amanhã, no Cemitério Campo da Esperança da Asa Sul. A hora e o número da capela ainda não foram confirmados.

Buscas
O pai dela havia registrado o desaparecimento da jovem na manhã de hoje. Amigos da vítima também espalharam cartazes na UnB e distribuíram mensagens nas redes sociais à procura da estudante. Depois disso, a polícia iniciou as buscas e localizaram o carro da vítima no estacionamento da universidade.

Colegas de curso teriam indicado o rapaz como suspeito do desaparecimento de Louise. A PM entrou em contato com ele, por telefone, e marcaram um encontro para obter mais informações. Ao chegar ao local e conversar com os PMs, o suspeito ficou nervoso e acabou confessando o crime e o local onde havia deixado o corpo da estudante.

“A gente lamenta que a sociedade esteja nesse nível. Ela era uma menina de 20 anos, estudiosa, sem vícios. Não era de frequentar baladas e sempre foi uma boa filha”, comentou o pai de Louise, Ronald Ribeiro.