Oração da Esperança

“Esperança…
Esse olhar sobre o presente com humildade, mas também com direção. Sabendo que, logo adiante, tudo pode ser melhorado, aprendido, assimilado. Eu não consigo ver a esperança longe da humildade. Quem não escolhe a humildade para ser corrigido e melhorado, dificilmente será movido pela esperança.
Muito diferente da expectativa, ela faz com que minha felicidade e alegria não dependam que algo se realize conforme os meus desejos, ao contrário, dela colho sentido quando absolutamente nada me resta, nem forças.
Eu tenho a sensação de que a esperança habita em mim num lugar cheio de incertezas, indefinições, indecisões, inseguranças, e todos esses “ins” que as circunstâncias da vida nos impõe. Se não fosse numa situação difícil ou de risco, pra quê precisaríamos de esperança?
Eu espero em Deus onde ninguém mais pode me dar segurança alguma. Imagino que esperança cega seja isso: sem garantia alguma. Eu ainda espero… E é tão forte, que eu não saberia viver de outro jeito.
Esperar em Deus não é tarefa fácil. Posso confundir essa espera com passividade de Deus. “Ora et labora” é via de disciplina de religiosos no mundo todo, deve ser para mim também. Orar e trabalhar por aquilo que mais espero de Deus. Não esperar sentada, mas rezar andando! Esperança cega e ativa. Enquanto dou passos, Deus vai colocando o chão.”
(Trechos do livro “Gotas de Sentido – na eternidade no momento presente)

Em tempos marcados por preocupações, incertezas e grandes perdas, somos chamados a refletir sobre a esperança… Este sentimento capaz de nos colocar no eixo e nos fazer mais confiantes de que dias melhores virão, ainda que jornais tristes notícias nos desanimem e façam duvidar de um futuro com menos sofrimentos. Na oração deste mês de junho, somos convidados a colocar na presença de Deus tudo aquilo que nos faz ter esperança, e nos move para continuar a caminhada árdua de todos os dias.
Há uma frase de Santa Terezinha que diz: “O que agrada a Deus em minha pequena alma, é que eu ame a minha pequenez e minha pobreza. É a esperança cega que tenho em sua misericórdia”. Que possamos confiar na misericórdia divina, no amor de Deus em nossas vidas, para que possamos fortalecer a certeza de que Ele tem cuidado de nós.
A partir de nossa reflexão, reflita pacientemente, e responda com sinceridade: Hoje, quais são suas esperanças?

(Momento de ação e reflexão)
A partir deste questionamento, escute esta música (https://youtu.be/rHrM-_fChrU) e escreva num papel tudo aquilo que te faz acreditar que amanhã será um dia melhor que hoje.
Após escrever, apresente a Deus todas as suas esperanças e anseios, e faça sua oração espontânea.
Pai Nosso que estais nos Céus…

ORAÇÃO DA ESPERANÇA

Senhor, concedei-nos a virtude da esperança, fundamento que não se baseia nas limitadas forças humanas, mas em Vosso poder, Vossa misericórdia e na fidelidade às Vossas promessas.
Quando lutamos para que o Reino dos Céus se estabeleça no mundo tomado pelo mal, sustentai-nos para não cairmos no desânimo. Afastai de nós o temor, pois Vós vencestes o mundo.
Dai-nos a capacidade de ver além das dificuldades e descobrir Vossa providência que tudo organiza para o bem daqueles que amais.
Quando após muitas lutas sentirmos fraqueza, dai-nos a esperança que impede todo desânimo.
Que a nossa esperança seja mais firme que a rocha, para que, apoiados em Vossa graça, saibamos recomeçar, até que sejamos perfeitos como o Pai do Céu é Perfeito e, assim, consigamos a recompensa que é reservada para aqueles que a Vós são fiéis.
Amém!

Dra. Nathalia Toleto – Como “turbinar” sua máscara cirúrgica simples!

Olá pessoal!!

Neste vídeo ensino como ajustar e usar de forma correta a sua máscara cirúrgica simples, tornando-a mais segura para você e para os outros. Você está usando de forma correta?

Sabia que tem um lado correto para usar?

Se gostou, dá um like ❤️ e compartilha com os amigos!!

Estou à disposição para tirar possíveis dúvidas! ✅

Obs: Vídeo inspirado no da dra @dra.leticiakawano ! Achei muito bacana e resolvi fazer um também para compartilhar com vocês! 🙌🏻😊 sigam o perfil dela que é riquíssimo em conteúdo informativo e baseado em evidência científica!

Família busca por doadores de medula compatíveis com Vitor, de 5 anos

O menino foi diagnosticado com leucemia linfática aguda e desde então luta pela vida

Aos 5 anos, Vitor Maciel Morais é um guerreiro. O pequeno vive momentos de luta pela vida desde o ano em que nasceu, quando foi diagnosticado com leucemia linfática aguda. Após cumprir todo o tratamento contra a doença, a família imaginou ter chegado ao fim os dias de aflição. No entanto, nos últimos meses a doença voltou de forma ainda mais severa.

“Em novembro a doença se manifestou de forma muito agressiva. Depois de quatro blocos de tratamento feita pelo hospital os médicos determinaram que ele precisa de um transplante”, diz a mãe, Viviane Alves Maciel ao Metrópoles

“Ele não tem um irmão compatível. Os únicos doadores são eu e meu esposo, mas a compatibilidade é de 50%, e existe um risco. Por isso criamos a campanha para encontrar um doador com compatibilidade acima de 90%”, acrescenta.

“Ele teve um problema nos rins, ficou na UTI, teve que fazer hemodiálise e ele vem lutando pra sobreviver tem muito tempo. A imunidade está baixa”, revela Viviane.

A família conta com a boa ação de amigos, familiares, conhecidos e desconhecidos, que se sintam motivados a ajudar o pequeno Vitor a vencer esta batalha. O primeiro passo é fazer um cadastro no Hemocentro, doando de 5ml a 10ml de sangue. Havendo a compatibilidade, em um prazo de 10 dias, o banco de sangue entrará em contato para prosseguir com procedimento cirúrgico, que é indolor.

Família
Vitor é filho do escrivão de polícia Salomão Paulo Lima de Morais, da 18ª DP (Brazlândia). A criança está internada e em tratamento no Hospital da Criança de Brasília. Recentemente, o paciente foi submetido à quimioterapia, porém não teve o resultado esperado. Dessa forma, a família corre contra o tempo, em busca de ajuda.

Fonte: https://www.metropoles.com

Morre, aos 64 anos, Masataka Ota, pai do menino Ives Ota, em São Paulo

Ex-vereador faleceu aos 64 anos, vítima de câncer. Ele ficou conhecido pela luta por justiça após o sequestro e assassinato do filho de 8 anos, em 1997

Ex-vereador faleceu aos 64 anos, vítima de câncer. Ele ficou conhecido pela luta por justiça após o sequestro e assassinato do filho de 8 anos, em 1997

Após a morte do filho, Masataka e a esposa, Keiko Ota, fundaram o Instituto Ives Ota, uma ONG que contribui com o trabalho comunitário na Zona Leste de São Paulo, onde a família vivia. O casal também fez campanhas para punições mais severas a crimes hediondos. O tema foi defendido por Masataka em dois mandatos como vereador em São Paulo: de 2013 a 2020.

Junto a Keiko Ota, Masataka fundou o Movimento Paz e Justiça. Ambos ficaram conhecidos nacionalmente por terem se encontrado com os três assassinos do filho e os perdoado. Os acusados, um motoboy e dois policiais, foram condenados e cumprem penas que vão de 43 a 45 anos.

No ano da morte do filho, eles organizaram um abaixo-assinado contra a proposta de redução de pena para crimes hediondos de 30 para 15 anos. Conseguiram 3 milhões de assinaturas, algumas do exterior.

Masataka nasceu em 1956, em Tomigusuku, Okinawa, no Japão. Ele deixa a mulher, Keiko Ota, com quem esteve casado por mais de 30 anos, e três filhos.

Por uma rede social, o ex-governador de São Paulo Márcio Franca lamentou a morte de Masataka.
“Adeus meu amigo. Vai finalmente abraçar seu amado filhinho, Ives Ota”, escreveu.

Caso Ives Ota
Em agosto de 1997, Ives Ota foi sequestrado de sua casa, na Vila Carrão, zona leste de São Paulo. O grupo pediu um resgate pelo menino e o matou após a criança ter identificado que um dos sequestradores trabalhava como segurança da família.

A criança foi morta a tiros, e o corpo, enterrado dentro da casa de um dos assassinos — um motoboy. Dois policiais militares também participaram do crime.

Fonte: https:/www.correiobraziliense.com.br

Homem negro morre após ser espancado em supermercado de Porto Alegre

João Alberto Silveira Freitas, um homem negro de 40 anos, morreu na noite de ontem após ser agredido por um segurança e por um PM temporário, fora de serviço, no supermercado Carrefour, na zona norte de Porto Alegre, às vésperas do feriado da Consciência Negra. Os agressores foram presos, suspeitos de homicídio doloso.

A vítima teria discutido com a caixa do estabelecimento e foi conduzida pelo segurança da loja até o estacionamento, no andar inferior. Um cliente, policial militar temporário – funcionário contratado pela Brigada Militar por tempo determinado, para atividades administrativas -, acompanhou o deslocamento, que acabou no espancamento de Freitas..

Durante o percurso, acompanhado por uma funcionária do Carrefour, Freitas teria desferido um soco contra o PM, segundo afirmou a trabalhadora, em depoimento à polícia. “A partir disso começou o tumulto, e os dois agrediram ele na tentativa de contê-lo. Eles (o PM e o segurança) chegaram a subir em cima do corpo dele, colocaram perna no pescoço ou no tórax”, disse o delegado plantonista Leandro Bodoia. A cena vem sendo comparada nas redes sociais ao que aconteceu com George Floyd, que morreu sufocado por policiais nos Estados Unidos.

Vídeos que mostram o espancamento e a tentativa de socorristas de salvarem o homem circulam nas redes sociais desde a noite de ontem. As imagens mostram Freitas recebendo de um dos homens vários socos na região do rosto, enquanto o outro tenta segurá-lo. Uma mulher que estava usando proteção facial é vista perto deles, assistindo às agressões. Funcionários do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) chegaram a se deslocar até o local, fizeram massagem cardíaca, mas ele acabou não resistindo. O laudo pericial deverá apontar a causa da morte de Freitas..

A esposa dele o acompanhava e já foi ouvida, mas disse que não presenciou as agressões. Ela afirmou ao UOL que o marido chegou a gritar: “Me ajuda”.

A mulher relatou à polícia que estava longe dele quando houve o desentendimento no caixa. “Ele (Freitas) chegou a fazer sinal para ela, mas achou que era brincadeira, nada de mais”, afirmou o delegado.

O PM temporário e o segurança foram levados à delegacia, mas permaneceram em silêncio durante depoimentos. Os dois estavam acompanhados de uma advogada e permanecem presos.

“Informações que foram colhidas com a equipe de peritos desse caso e que não tem ainda o laudo concluído, apontam suposições sobre a causa da morte de que ele possa ter tido um ataque cardíaco em função das agressões e porque ele ficou custodiado com duas pessoas em cima. Talvez tenha sido essa a causa da morte”, disse a delegada Roberta Bertoldo, responsável pela investigação..

A polícia aguarda o laudo pericial e mais imagens de câmera para esclarecer o caso. A investigação segue com a 2ª DHPP (Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa).

Freitas era participante de uma torcida organizada de futebol em Porto Alegre, do clube São José, e foi homenageado com posts com mensagens como “vidas negras importam” e a convocação de um protesto: “Amanhã estaremos no Carrefour Passo D’areia o dia todo, não vai ficar assim, queremos justiça, fizeram covardia com 1 irmão, agora segurem o Bonde Da ZONA NORTE!”.

Carrefour rompe contrato com empresa de segurança

Após o caso vir à tona, o Carrefour decidiu romper o contrato com a empresa de segurança e fechará a loja. Em nota, o mercado afirmou que “adotará as medidas cabíveis para responsabilizar os envolvidos neste ato criminoso”.

“O funcionário que estava no comando da loja no momento do incidente será desligado. Em respeito à vítima, a loja será fechada. Entraremos em contato com a família do senhor João Alberto para dar o suporte necessário”, disse a empresa em nota.

O Carrefour, ainda em nota, disse “lamentar profundamente o caso” e afirmou que iniciou uma “rigorosa apuração interna”.

“Para nós, nenhum tipo de violência e intolerância é admissível, e não aceitamos que situações como estas aconteçam. Estamos profundamente consternados com tudo que aconteceu e acompanharemos os desdobramentos do caso, oferecendo todo suporte para as autoridades locais.”.

Brigada Militar diz que conduta do PM será investigada.

Em nota, a Brigada Militar informou que prendeu os agressores, inclusive o PM temporário, e que a conduta dele será investigada. Disse ainda que o policial não estava em serviço no momento das agressões..

“Cabe destacar ainda que o PM Temporário não estava em serviço policial, uma vez que suas atribuições são restritas, conforme a legislação, à execução de serviços internos, atividades administrativas e videomonitoramento, e, ainda, mediante convênio ou instrumento congênere, guarda externa de estabelecimentos penais e de prédios públicos”, diz o comunicado.

“A Brigada Militar, como instituição dedicada à proteção e à segurança de toda a sociedade, reafirma seu compromisso com a defesa dos direitos e garantias fundamentais, e seu total repúdio a quaisquer atos de violência, discriminação e racismo, intoleráveis e incompatíveis com a doutrina, missão e valores que a Instituição pratica e exige de seus profissionais em tempo integral.”.

Carrefour teve morte de cachorro e corpo coberto por guarda-chuvas.

O Carrefour reúne uma série de casos de violência. No final de 2018, um cachorro foi morto por um segurança após ser agredido com uma barra de metal em Osasco, na Grande São Paulo. Em agosto deste ano, um homem teve um mal súbito e acabou morrendo no interior da loja no Recife. Para manter o local em funcionamento, funcionários bloquearam o acesso visual ao corpo de Moisés com tapumes e guarda-sóis. O caso gerou revolta na internet.

Após fuga de três presos, juíza interdita bloco na Papuda

VEP determinou ainda que os detentos sejam retirados para a reforma do Bloco I da Ala A do Centro de Detenção Provisória

Brasília(DF), 20/02/2016 – Papuda – centro de internamento e reeducação Papuda. Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

Após a fuga de três presos, a juíza da Vara de Execuções Penais do DF, Leila Cury, decidiu interditar o Bloco I da Ala A do Centro de Detenção Provisória (CDP) do Complexo da Papuda. A medida foi tomada diante da constatação da fragilidade da construção, cuja estrutura arquitetônica foi erguida ainda na década de 1960 e é a mais antiga do DF.

Segundo informações do Núcleo de Inteligência do CDP, após a fuga de André Cândido Aparecido da Silva, Carlos Augusto Mota de Oliveira e Roberto Barbosa dos Santos – presos provisórios que ocupavam a cela 15 –, outros detentos também demonstraram intenção de escapar do presídio, o que levou à necessidade de reforçar a segurança e adotar novas medidas.

“Entendo necessária a retirada dos presos daquela ala para que a administração penitenciária providencie os devidos reparos e com a devida urgência, sobretudo para evitar a ocorrência de novas evasões”, disse a juíza.

Buraco por onde os presos escaparam
Ainda sobre as medidas cabíveis, a magistrada prossegue: “Considerando que não há possibilidade alguma de os internos permanecerem na ala interditada, sob pena de inviabilizar a realização da obra, autorizo o remanejamento deles para os demais blocos da unidade prisional, desde que sejam respeitadas as características processuais e pessoais de cada um”.

A decisão da juíza foi tomada com base no artigo 66 da Lei de Execuções Penais, que autoriza a autoridade judicial a “interditar, no todo ou em parte, estabelecimento penal que estiver funcionando em condições inadequadas ou com infringência os dispositivos da lei”. Agora, a Sesipe (Subsecretaria do Sistema Penitenciário do Distrito Federal) tem 120 dias para apresentar à VEP plano detalhado de obras para recuperação da ala interditada.

As alas B e D do mesmo Bloco I do CDP já foram interditadas em outras ocasiões para realização de reformas e pelos mesmos motivos.

A Sesipe abriu investigação para identificar a possível facilitação da fuga, ocorrida na madrugada dessa terça-feira (28/01/2020). Conforme o Metrópoles mostrou, em primeira mão, os presos cavaram um buraco em cima da porta e saíram pelo telhado. Eles pularam dois muros antes de ganharem as ruas. Ainda não foram localizados.


Presos que fugiram na madrugada da última terça-feira

A penúltima fuga registrada no complexo ocorreu em 21 de fevereiro de 2016, quando 10 detentos da Penitenciária do Distrito Federal 1 (PDF 1) escaparam durante chamada nominal feita por agentes, ato conhecido como “confere”. O local abriga presos que cumprem pena em regime fechado.

Denuncie
Qualquer informação para ajudar as operações de captura dos foragidos dessa terça-feira (28/01/2020) pode ser passada por meio dos telefones (61) 3234-4486, 197 e 190.

Leia notícias em metropoles.com

PAPA ENTULHO

 Descrição:

O Papa Entulho é um ponto de entrega voluntária (PEV) de entulho, podas, volumosos, materiais recicláveis e óleo de cozinha usado. O local possui rampa de acesso a veículos pequenos para o descarte de resíduos de construção diretamente em caçambas.

O local é preparado para receber diariamente, por pessoa, até 1 metro cúbico (equivalente a uma caixa de água de mil litros) de resíduos da construção civil, volumosos (como móveis) e restos de podas.

Também podem ser entregues materiais recicláveis como papéis, plásticos, papelões e

metais, desde que estejam separados e limpos. Esses resíduos serão encaminhados para as cooperativas de catadores de materiais recicláveis.

A Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb), por meio do Projeto Biguá, faz parceria com o SLU. Em cada Papa Entulho há um ponto de coleta de óleo usado. Recomenda-se que o material seja levado em embalagens como frascos de amaciante e xampu. A capacidade é de até 50 litros por dia.

A Instrução Normativa nº 2, de 15 de março de 2017, publicada no Diário Oficial do DF do dia 17 de março de 2017, expõe as regras para utilização dos Papa Entulhos. O local funciona de segunda a sábado, das 7h às 18h.

Não são permitidos resíduos domésticos (orgânicos e rejeitos), industriais, de serviços de saúde e eletrônicos, pneus, embalagens de agroquímicos, de produtos fitossanitários e de óleos lubrificantes, lâmpadas, pilhas e baterias, equipamentos ou materiais que tenham metais pesados, gesso, espelhos, vidros, amianto, tintas, solventes e tonner.

Não é permitida a entrada de cargas de resíduos em caminhões ou carretas.